Controle de Condensação da Luz

“(…) Há muito, pela ciência que adquirimos, a técnica que apuramos, conseguimos condensar a luz, em outros termos, adensá-la, mantendo-a sob controle. Essa técnica e controle da luz hiperespacial se estende facilmente à luz especial que vocês conhecem. Ora, isso facilita-nos usá-la das mais diversas maneiras, inclusive como verdadeira e poderosíssima arma! Vocês humanos estão de certo modo nesse caminho, em relação à luz espacial, mas ainda bem longe de conseguir a disciplinação completa dessa imensa energia, que vocês só compreendem ou conhecem bem no seu aspecto dinâmico, atualizando-se na iluminação e pouco em estado potencial, de adensamento, no “laser”, cujo estudo de seus poderes, propriedades e aplicações vão conduzindo com muita inteligência. Notam-se, outrossim, experiências de transformação energética ou de campos conforme uns de vocês já vem tentando, com ainda reduzido sucesso, em relação à criação de campo gravitacional, em decorrência da Energia Luminosa. Como armamento defensivo, usamos emissão de intensidade variável em ampla faixa, facilmente controlável e, também, com abrangência de raios de grande amplitude, se necessário. Aqui, você tem uma rápida visão de aparelhos adequados. Veja como tudo é simples, decorrendo o seu uso de apenas um dispositivo de comando, com regulagem de atuação realmente fácil.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 132-133.

Missões e Armas de Defesa sob Controle da Luz

“O que vira em outra nave, de painéis e dispositivos de comando e controle, como também estranhas cartas de navegação sideral, aqui se ampliava, sugerindo possível aperfeiçoamento, ou então, indicação apenas de flexibilidade maior, permitindo possíveis outros destinos operacionais para aquela nave! Logo após, assim o confirmava o Comandante Yusef, indicando numa carta em que ao centro se representava a nossa galáxia, com vários sistemas e estrelas assinalados, bem como algumas constelações mais próximas, extragalácticas, em cujos mundos já haviam cumprido outras missões. Salientou aliás, que essas missões têm sido sempre de cordialidade e transcendental colaboração, todas na tónica da promoção amizade, visando a um conhecimento sempre maior e mais perfeito do Universo. Mesmo no nosso sistema solar, onde têm encontrado, algumas vezes, hostilidades e desentendimentos, jamais se afastaram da cordialidade do ideal de ajudar. Esse seria sempre o dever de irmãos mais velhos, mais experientes! Logo a seguir na lógica do assunto de que tratava, não se esquivou de indicar e mostrar alguns “aparatus”, armas de grande e, inimaginável poder, sempre, porém, empregadas para fins defensivos. O que mais me impressionou então foi que todas elas decorrem do excepcional controle que exercem sobre a luz. Usam-na para uma enorme multiplicidade de fins e, particularmente, para essa arma ou armas defensivas, conforme assim explicou o comandante (…)”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 132.