O Despertar do Eu

“Como manifestação preliminar dos poderes que estão entrando em jogo, o sapo, que surgiu como por milagre, pode ser considerado o “arauto”; a crise do seu aparecimento é o “chamado da aventura”. A mensagem do arauto pode ser viver, como ocorre no exemplo em questão, ou, num momento posterior da biografia, morrer. Ele pode anunciar o chamado para algum grande empreendimento histórico, assim como pode marcar a alvorada da iluminação religiosa. Conforme o entende o místico, ele marca aquilo a que se deu o nome de “o despertar do eu”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 60.

Muitos Serão Chamados, Poucos os Escolhidos

“Precisamos acentuar, com ênfase, a verdade de que para esse tipo de pesquisa, particularmente dessa fase que está sendo conduzida,  é preciso ser mesmo daqueles que têm esse trabalho como tarefa que lhes fascine, a ela dedicando-se com acendrado amor. Muito requer de persistência e invulgar tenacidade, exigindo até sacrifício. É o caso de lembrarmos aquela palavra tão alta que diz: “muitos serão os chamados, poucos, porém, os escolhidos“.

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 87.

Encontro com o Mentor

“Para aqueles que não recusam o chamado, o primeiro encontro da jornada do herói se dá com uma figura protetora (que, com frequência, é uma anciã ou um ancião), que fornece ao aventureiro amuletos que o protejam contra as forças titânicas com que ele está prestes a deparar-se.

(…) Essa figura representa o poder benigno e protetor do destino. A fantasia é uma garantia –  uma promessa de que a paz do Paraíso, conhecida pela primeira vez no interior do útero materno, não se perderá, de que ela suporta o presente e está no futuro e no passado (…)

(…) Tendo respondido ao seu próprio chamado, e prosseguido corajosamente conforme se desenrolam as consequências, o herói encontra todas as forças do inconsciente do seu lado”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 74-76.

Chamado Para a Aventura

“Esse primeiro estágio da jornada mitológica – que denominamos aqui “o chamado da aventura” – significa que o destino convocou o herói e transferiu-lhe o centro de gravidade do seio da sociedade para uma região desconhecida”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 66.

O Chamado

“(…) o chamado sempre descerra as cortinas de um mistério de transfiguração – um ritual, ou momento de passagem espiritual que, quando completo, equivale a uma morte seguida de um nascimento. O horizonte familiar da vida foi ultrapassado; os velhos conceitos, ideais e padrões emocionais, já não são adequados; está próximo o momento da passagem por um limiar”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 61.