Instrumentos de Forças Iguais

“Todos os homens em suas atividades, profissões e associações são instrumentos das forças a que se devotam. Produzem, de conformidade com os ideais superiores ou inferiores em que se inspiram, atraindo os elementos invisíveis que os rodeiam, conforme a natureza dos sentimentos e ideias de que se nutrem.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 29.

Cooperação

“Para que alguém dirija com êxito e eficiência uma empresa importante, não lhe basta a nomeação para o encargo. Exige-se-lhe um conjunto de qualidades superiores para que a obra se consolide e prospere. Não apenas autoridade, mas direção com discernimento. Não só teoria e cultura, mas virtude e juízo claro de proporções.

Dilatados recursos nas mãos, a serviço de uma cabeça sem rumo, constituem tesouros nos braços da insensatez, assim como a riqueza sem orientação é navio à matroca.

Quem governa emitirá forças de justiça e bondade, trabalho e disciplina, para atingir os objetivos da tarefa em que foi situado.

Quando o poder é intemperante, sofre o povo a intranquilidade e a mazorca, e, quando a inteligência não possui o timão do caráter sadio, espalha, em torno, a miséria e a crueldade.

Daí, conhecermos tantos tiranos nimbados de grandeza mental e tantos gênios de requintada sensibilidade, mas atolados no vício.

No mundo íntimo, a vontade é o capitão que não pode relaxar no mister que lhe é devido.”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. Pensamento e Vida. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 15-16.

Formas Geradas Através dos Pensamentos

“Importa não esquecer que ambas se encontram reunidas na faixa magnética de Clementino, fixando as imagens que a mente dele lhes sugere. Viram-lhe os pensamentos, relacionados com a obra de amparo aos doentes e com a formação de uma escola, que a instituição pretende, em breve, mobilizar no socorro ao próximo. Ideias elaboradas com atenção geram formas, tocadas de movimento, som e cor, perfeitamente perceptíveis por todos aqueles que se encontrem sintonizados na onda em que se expressam.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 105-113.

Grandes Iniciados na Revelação Divina?

“Não. Achamos- nos ainda muito longe de semelhantes apóstolos. (…) Naturalmente, são pessoas comuns. Comem, bebem, vestem-se e apresentam-se na terra sob o aspecto vulgar de outras criaturas do ramerrão* carnal; no entanto, trazem a mente voltada para os ideais superiores da fé ativa a expressar-se em amor pelo semelhantes.

*ruído sucessivo e monótono.

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 19-26.

Pensamento-Realidade

Nossa mente é um núcleo de forças inteligentes gerando plasma sutil que, a exteriorizar-se incessantemente de nós, oferece recursos de objetividade as figuras de nossa imaginação, sob o comando dos nossos próprios desígnios.

“A ideia é um ‘ser’ organizado por nosso espírito,  a que o pensamento da forma e ao qual a vontade imprime movimento e direção. Do conjunto de nossas ideias resulta nossa própria existência.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 11-18.

Cocriação é Uma Tendência

“(…) André Luiz organizou essas ligeiras as páginas acerca da mediunidade, compreendendo a importância, cada vez maior, do intercâmbio espiritual entre as criaturas.”

Prefácio de Emmanuel. Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 7-10.

25.000 anos atrás

“A primeira forma de magia foi talvez a variedade simpática. Coisas parecidas tinham efeitos parecidos, pensava-se; semelhante atrai semelhante. Se fizessem uma estatueta de um bisão em argila e de tamanho natural e ela fosse “atacada” e “morta”, então  a caça a um bisão de verdade também terminaria na morte do animal.”

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 30.

Oficina de Cocriação

Diário Espiritual de 13 de abril de 2020

Oficina de Cocriação

“Queridos amigos, saibam que Deus sempre abençoa o esforço da busca, pois é da Lei Universal que à cada um seja dado o pagamento por seu trabalho. Dediquem-se com amor e sinceridade, sejam amorosos consigo mesmos e percebem que Deus nosso pai é criativo e original  e nenhuma criatura é igual a outra. Somos habilidades latentes em promessas de iluminação e evolução, no serviço ao próximo. Um passo de cada vez…”

Beijinhos de nossa equipe,

Olímpia

Celebrar o Amor

Celebrar o amor é o que aquece a nossa alma e nos faz vir ao encontro de todos vocês. Celebrar sinceramente o amor é a garantia de nossa presença e reunião ao seu redor, pois o amor nos traz o sentido imanente em nosso interior mais profundo.

O Pai de todas as coisas anseia por nós, nos deseja e nos consome em seu amor a cada instante ilusório em que tarda nossa consciência no reconhecimento de nossa união com ele. Nunca estivemos separados, senão pelo véu de nossa ignorância.

Precisamos, querido companheiro de aulas, falar do amor, nos fortalecer no amor, evoluir no amor.

Abra-se à este sentir pois ao longo desta semana indicaremos caminhos outros para o cumprimento de nossa tarefa atual.

Bom vê-lo de volta aos estudos, mergulhado no plano mental dos sábios de nosso tempo, copiosamente destinado a herança dos que os buscam com a sinceridade de coração.

Sinceramente,

W.W.

(…)

A noite, durante a oficina de cocriação online

Queridos amigos,

Saibam que Deus sempre abençoa o esforço da busca, pois é da Lei Universal que a cada um seja dado o pagamento por seu trabalho. Dediquem-se com amor e sinceridade. Sejam amorosos consigo mesmos e percebam que Deus nosso pai é criativo e original e nenhuma criatura é igual a outra. Somos habilidades latentes em promessas de iluminação e evolução, no serviço ao próximo.

Beijinhos de nossa equipe,

Olímpia.