A Voz de Deus é Silêncio

“As sensações afluindo através dos nervos sensoriais mantêm a mente repleta de miríades de ruidosos pensamentos, de modo que toda a atenção se volta aos sentidos. A voz de Deus, porém, é o silêncio. Somente quando cessam os pensamentos inquietos é que se pode ouvir a voz de Deus comunicando-se no silêncio da intuição. Este é o meio de expressão de Deus. No silêncio do devoto cessa o silêncio de Deus. Para o devoto cuja consciência está interiormente unida a Deus, uma resposta audível da parte Dele é desnecessária. Pensamentos intuitivos e visões verdadeiras constituem a voz de Deus. Eles não resultam de estimulação sensorial, mas de combinar o silêncio do devoto com a voz silenciosa de Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 546.

Capítulo 28: O Pai-Noso: Jesus ensina seus seguidores a orar – O Sermão da Montanha, parte III.

O Valor do Sal

“(…) o sal era considerado valioso.

(…)

Foi para adquirir esse precioso bem que se estabeleceram as primeiras rotas comerciais nas civilizações antigas. Em algumas regiões, uma medida de sal tinha o mesmo valor que o peso equivalente em ouro, o que se considerava um preço justo. Os legionários romanos recebiam um salarium, ou custeamento de sal – de onde deriva o termo moderno “salário”.

(…)

Por isso o homem é a luz do mundo. Nenhuma outra criatura viva, só a consciência humana, é dotada com a candeia plenamente reveladora de uma inteligência potencialmente ilimitada.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 497-498.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Persistência e Autocontrole

“A bem-aventurança de Deus visitará as almas que suportam com equanimidade, por fazerem o que é correto, a tortura da crítica injusta dos falsos amigos, e também dos inimigos, e que permanecem livres da influência dos maus costumes ou hábitos prejudiciais da sociedade. (…) A retidão moral traz a zombaria de curto prazo mas regozijo a longo prazo, pois a persistência no autocontrole produz bem-aventurança e perfeição.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 490.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Anseio pela Divindade

“Ele falava da divina melancolia resultante do despertar da consciência de que se está separado de Deus, o que cria na alma um insaciável anseio por unir-se novamente ao Amado Eterno.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 482.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Kundalini

“(…) as escrituras do Oriente utilizam a alegoria de uma serpente para ilusrar a kundalini ou força vital astral no corpo, a qual, ao despertar com a ajuda de uma técnica avançada de Autorrealização, atravessa uma passagem serpentina, que se encontra espiralada na base da coluna vertebral e sobe até os centros espirituais mais elevados, no cé rebro, outorgando a consciência divina. A pomba simboliza o olho espiritual de três cores – o bico da pomba representa a estrela branca no centro do olho espiritual; as asas da pomba simbolizam os anéis esféricos de cor azul e dourada que circundam a estrela.

Ao elevar a força kundalini ao longo dos centros cerebrospinais e ao introduzir sua vida e consciência através do olho espiritual, ele se contempla como onipresente.

(…)

(…) quando fossem confrontados com o antagonismo e as perseguições, deveriam manter a profunda sabedoria e tranquilidade concedidas pelo despertar da kundalini.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 238-239.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Relação Entre a Consciência e o Corpo

“Quando o homem conhecer plenamente a relação entre a consciência e o corpo, virá a compreender por que razão se desintegram as célu las corporais quando se separam do corpo a vida e a consciência; e saberá como remodelar o corpo infundindo-lhe vida e consciência à vontade, mesmo que tenha experimentado a morte física. A conquista da imortalidade consciente, evidenciada na ressurreição de seu corpo físico, é o “sinal” supremo e a demonstração metafísica que Jesus con cedeu ao mundo para toda a futuridade. Seu propósito foi despertar nos homens a fé, e encorajar e dar esperança àqueles que estivessem dispostos a esforçar-se por alcançar, através da meditação, sua própria imortalidade no reino de Deus.

(…)

Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros. (Matheus 12:43-45)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 133-134.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Maligno Perpetuador da Ilusão

“A inquietude, ao dissipar externamente a atenção da alma, torna -se a arma mais incapacitante utilizada pelo Maligno Perpetuador da ilusão sempre cambiante. O corpo e a mente inquietos são o pátio de recreio de Satã, que adora executar ali sua ardilosa dança da distração a fim de desviar a consciência humana do Espírito imutável e de Seu calmo reflexo nas profundezas da alma. Mas aquele que, por meio da meditação devocional, interioriza regular e profundamente sua atenção, recebe a ajuda das inspiradoras vibrações do Espírito Santo e permanece imerso em Deus o tempo todo – na graça redentora da paz, da alegria e do amor divinos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 128-129.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Astralocutadas

“Aqueles que cultivaram muitas virtudes desfrutam o resultado de seu bom karma em planetas celestiais do plano astral onde não existem as limitações da vida na Terra. A maioria das almas- que não são categoricamente boas nem más -, depois de dormirem o pacífico sono inconsciente da morte com experiências ocasionais de vigília astral, despertam no ventre de sua nova mãe terrena.

Apenas as almas que, por meio da meditação, são capazes de con trolar as funções da energia vital do coração e da respiração, permanecendo absorvidas no constante êxtase da consciência divina durante sua vida terrena, podem continuar ininterruptamente conscientes durante a transição da morte e também no mundo astral.

(…)

Os peixes não podem viver por muito tempo fora da água; similarmente, as almas perdidas, os espíritos impuros, precisam permanecer nos planetas de vibrações astrais grosseiras, enquanto que as almas mais refinadas residem em planetas luminosos de vibrações sutis. Se as almas perdidas ousassem se aproximar dessas regiões mais sutis, levariam um choque – ou seriam “astralocutadas” – pela elevada voltagem da energia astral.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 442.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Realização Superconsciente

“As palavras possuem eficácia dinâmica quando estão carregadas com a realização superconsciente. Tentar vender um objeto, uma ideia ou uma crença em que o promotor de vendas não acredita plenamente significa apenas pronunciar palavras que, por mais inteligentes que sejam, carecerão do brilho e do selo vibratório da convicção.

(…)

Ele não pregava como os escribas, com palavras vazias. Quando falava, suas palavras estavam repletas do Verbo, a Energia Cósmica, de Deus. Sua doutrina estava impregnada da convicção da experiência, oriunda de sua estatura crística e da Consciência Cósmica, vibrando com a autoridade da sabedoria divina.

Não é suficiente memorizar as palavras das escrituras ou receber um grau de Doutor em Teologia. É preciso digerir a verdade e então pregar com o poder e a convicção da alma.

A percepção direta da verdade proporciona experiência intuitiva, bem como visão e entendimento verdadeiros. Tal sabedoria confere poder; é a energia que aciona a Fábrica Cósmica, gerando o controle sobre todas as coisas. Esse poder proclama a autoridade absoluta da verdade infalível. Jesus não falava com fanatismo ou de modo mecânico como os escribas, mas com a autoridade de sua própria experiência de Deus e com o conhecimento de todos os mistérios divinos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 432-433.

Capítulo 23: Pescadores de Homens.

Espírito Transcendente

“O elo entre o manifestado e o Não-manifestado é o Espírito Santo, a Vibração Sagrada de Om; e o modo de cruzar esta ponte é pela comunhão com essa Vibração do Espírito Santo. No êxtase espiritual, aquele que medita percebe a vibração individual de sua vida e de todas as vidas emanando do Espírito Santo cósmico, no qual está inerente a Inteligência Crística, refletida do Pai- a qual, por sua vez, eleva a consciência ao Espírito transcendente.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 341-342.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.