Eminente Criador

“Caso Deus Se revelasse como o Eminente Criador ou mundo como Autoridade Inquestionável, os seres humanos perderiam seu livre-arbítrio nesse mesmo instante; eles não poderiam deixar de ser impelidos à Sua glória manifestada. Se Ele exibisse Sua onipotência em grandiosos milagres, as multidões assombradas seriam atraídas compulsoriamente a Deus por esses fenômenos, em vez de optarem por Ele com o amor espontâneo de sua alma.

(…)

No momento propício, diante de pessoas que têm a possibilidade de despertar espiritualmente, Deus permite a Seus santos que manifestem feitos extraordinários; mas nunca para satisfazer a curiosidade vã.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 240-241.

Capítulo 11: Água em vinho: “Jesus principiou assim os seus sinais (…)”

O Homem Não é Sustentado Somente Pelo “Pão”

O homem não é sustentado somente pelo “pão” (…)  mas primordialmente de “cada palavra”  (unidade de Energia Cósmica ilimitada vibrando do Espírito Santo – o grande Om ou Amém) que entra no corpo humano através da “boca de Deus” (bulbo raquiano). Experimentar essa verdade, assim como Jesus o fez, significa conhecer o vínculo eterno entre o humano e o divino, a matéria e a consciência – a irrevogável unidade entre o Eu e o Criador.

(…)

O homem julga que vive do “pão” – alimento, oxigênio e luz solar mas estes são apenas Energia Cósmica condensada. A energia radiante do sol nutre as plantas; as plantas são ingeridas pelos animais e humanos; e as plantas, por sua vez, deles se nutrem quando eles morrem. Direta ou indiretamente, a energia solar é a fonte material primária da vida. Quando alguém ingere um alimento, a energia vital no corpo começa a trabalhar na digestão e na metabolização do que é ingerido, extraindo por fim a energia solar armazenada naquele alimento para suprir o corpo. Desse modo, os cientistas afirmam que as células corporais operam pela energia que irradia do sol, liberada pela reação química de oxidação.

(…)

Nota:  “O que comemos é radiação; nosso alimento são certos quanta de energia”, disse o Dr. George W. Crile, de Cleveland, numa reunião de médicos em Memphis, em 17 de maio de 1933. Ele enfatizou: “Os raios do sol fornecem esta radiação importantissima, que libera correntes elétricas no sistema nervoso, ou seja, no circuito elétrico do corpo”.

Algum dia os cientistas descobrirão como o homem pode viver diretamente da energia solar. O Dr. William L. Laurence escreve no New York Times: “A clorofila é a única substância conhecida na natureza que possui o poder de agir como ‘armadilha da luz solar. Ela ‘aprisiona’ a energia do sol, armazenando-a na planta. Nós obtemos a energia necessária para viver da energia solar armazenada no alimento-planta que comemos ou na carne dos animais que comem as plantas. A energia que obtemos do carvão ou do petróleo é a energia solar aprisionada pela clorofila na vida vegetal de milhões de anos atrás. Vivemos do sol, por intermédio da clorofila.” (Autobiografia de um logue)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 179-180.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Sabedoria do Criador

“A gênese de todas as religiões da humanidade tem suas origens no seu coração augusto e misericordioso. Não queremos, com as nossas exposições, divinizar, dogmaticamente, a figura luminosa do Cristo, e sim esclarecer a sua gloriosa ascendência na direção do orbe terrestre, considerada a circunstância de que cada mundo, como cada família, tem seu chefe supremo, ante a justiça e a sabedoria do Criador.”

(…)

“A verdade é que todos os livros e tradições religiosas da Antiguidade guardam, entre si, a mais estreita unidade substancial. As revelações evolucionam numa esfera gradativa de conhecimento. Todas se referem ao Deus impersonificável, que é a essência da vida de todo o universo, e no tradicionalismo de todas palpita a visão sublimada do Cristo, esperado em todos os pontos do globo.”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. A Caminho da Luz. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 75-76.

O “Grande Plano”

“O Grande Plano, ou “Manvantara” da escolástica oriental, que os hindus também classificam de uma “pulsação” ou “respiração” completa de Brahma, ou de DEUS, é considerado o “tempo exato” em que o Espirito Divino “desce” até formar a matéria e depois a dissolve novamente, retornando à sua expressão anterior. Um Grande Plano abrange a gênese e o desaparecimento do Universo exterior e compreende 4.320.000.000 de anos do calendário terreno, dividido em duas fases de 2.160.000.000 anos, assim denominadas: o “Dia de Brahma”, quando Deus expira ou se processa a descida angélica até atingir a fase derradeira da matéria ou “energia condensada” a “Noite de Brahma”, quando Deus então aspira ou dissolve o Cosmo exterior constituído pelas formas. Assim, cada fase chamada o “Dia de Brahma” e a “Noite de Brahma” perfaz o tempo de 2.160.000.000 anos terrestres, somando ambas o total de 4.320.000.000 anos, em cujo tempo DEUS completa uma “Pulsação” ou “Respiração”, subentendidas pela mentalidade ocidental ocultista como um Grande Plano na Criação Eterna**.”

¨*Vide a obra Mensagens do Astral de Ramatís, cap. “Os Engenheiros Siderais e o Plano da Criação, no qual se esmiúça com bastante clareza o que se compreende por um “Grande Plano” ou “Respiração” de Brahma.

**Conforme os Vedas, “uma respiração ou pulsação macrocósmica de Brahma ou Deus, corresponde a uma respiração microcósmica do homem”. Os hindus também costumam definir por Manvantara um período de atividade planetária com suas sete raças.

*** Nota do Revisor:– Sob admirável coincidência, justamente quando revíamos as provas do presente capítulo, surpreendemo-nos pelo artigo “Universo em Expansão”, de Mendél Creitchinann, publicado no jornal O Estado do Paraná, de domingo, dia 17 de janeiro de 1965, cujo trecho de Interesse transcrevemos a seguir: “UNIVERSO EM EXPANSÃO – A solução de Friedman, matemático russo, das equações de Einstein acerca do universo, conduziu à possibilidade de um Universo em expansão ou contração. Como relatamos em capítulo anterior, esse matemático descobriu um engano na solução final das equações sobre o universo elaboradas por Einstein. Um dos tipos de Universo que as equações indicam é o que chama Gamow de pulsante.

Admite este modelo que, quando o universo atingisse uma certa expansão máxima permissível, começaria a contrair-se. A contração avançaria até que matéria tivesse sido comprimida até uma densidade máxima, possivelmente a do material nuclear atômico, que é uma centena de milhões de vezes mais denso que água. Que começaria então novamente a expandir-se, e assim por diante através do ciclo até o infinito.

Hosanas, pois, aos velhos mestres do Oriente, que há mais de 4.000 anos vêm ensinando o “Universo Pulsante através dos Manvantaras, da Grande Respiração ou Pulsação de Brahma, ou Deus, cuja diástole e sístole cósmicas correspondem exatamente à concepção de um Universo em expansão e contração, da nova teoria científica dos astrônomos modernos. Pouco a pouco desvendam-se os símbolos da escolástica hindu, e graças à cooperação da própria ciência acadêmica, ergue-se o “Véu de Isis e surge o ensinamento ocultista oriental em todo o seu preciosismo e exatidão cientifica.

(…)

“(…) desde os velhos iniciados dos Vedas e dos instrutores da dinastia de Rama, esse tempo de expansão, que é justamente quando Deus cria e depois dissolve o Universo exterior, é conhecido por “Manvantara”, e significa um período de atividade e não de repouso, podendo ser concebido no Ocidente como um “Grande Plano” ou “Respiração” completa do Criador, dividida na diástole e sístole cósmica.”

(…)

O Universo é a sucessão consecutiva de “Manvantaras” ou “Grandes Planos”, a se substituírem uns aos outros, nos quais formam-se também as consciências individuais, que nascidas absolutamente ignorantes e lança das na corrente evolutiva das cadeias planetárias, elas despertam, crescem, expandem-se, absorvem o “bem” e o “mal” relativos às faixas ou zonas onde estacionam e depois, conscientes do seu próprio destino, atingem o grau de angelitude. Deste modo, os espíritos angélicos, como consciências participantes do Grande Plano, passam então a orientar e “guiar” aqueles seus irmãos, almas “infantis” que vão surgir no próximo Grande Plano ou “Manvantara” vindouro. Esta é a Lei Eterna e Justa; os “maiores” ensinam os menores” a conquistarem também sua própria Ventura Imortal.

A consciência espiritual do homem, à medida que cresce esfericamente, funde os limites do tempo e do espaço para atuar noutras dimensões indescritíveis; abrange, então, cada vez mais, a magnificência real do Universo em si mesma, e se transforma em Mago a criar outras consciências menores em sua própria Consciência Sideral. *Nota pessoal ao parágrafo: A chegada e epifanias da pirâmide.

A criatura humana, que vive adstrita ao simbolismo de tempo e espaço, precisa de ponto de apoio para firmar sua mente e compreender algo da criação cósmica e da existência de Deus. Os Grandes Iniciados têm amenizado essa dificuldade compondo diagramas especiais e graduado as diversas fases da descida do Espirito até a expressão matéria, como no caso dos “Manvantaras” ou Grandes Planos, em que avaliam os ritmos criadores mais importantes para auxiliar o entendimento do homem e fazê-lo sentir o processo inteligente de sua própria vida. É uma redução acessível ao pensamento humano, embora muito aquém da Realidade Cósmica, mas é a expressão gráfica mais fiel possível. Os hermetistas, hinduístas, taoístas, iogues, teosofistas, rosa-cruzes e esoteristas têm norteado os seus estudos com êxito sob esses gráficos inspirados pelos Mentores Siderais desde a extinta Atlântida.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 53-55.

A Descida Angélica e A Queda Angélica

Poderíeis esclarecer-nos qual é a diferença entre a “descida angélica” e “queda angélica”, a fim de compreendermos melhor a descida vibratória de Jesus ao nosso mundo físico?

RAMATÍS: A descida angélica é quando o Espirito de Deus desce vibratoriamente até ao extremo convencional da Matéria, cujo acontecimento é conhecido pelos hindus como o “Dia de Brahma” e distingue o fenômeno da criação no seio do próprio Criador. É uma operação. que abrange todo o Cosmo, ainda incompreensível para o homem finito e escravo das formas transitórias. A queda angélica, no entanto, refere-se especificamente à precipitação ou exilio de espíritos rebeldes, que depois de reprovados na tradicional seleção espiritual de “Fim de Tempos” ou de “Juízos Finais”, transladam-se do orbe de sua moradia para outros mundos inferiores. Os reprovados colocam-se simbolicamente à esquerda do Cristo, que é o Amor, e emigram para outros planetas em afinidade com sua índole revoltosa e má, a fim de repetirem as lições espirituais negligenciadas e então recuperarem o tempo perdido mediante um labor educativo mais rigoroso.

Dai a lenda da “queda dos anjos”, que se revoltaram contra Deus; e depois de expulsos do Céu transformaram se em “diabos” decididos a atormentar os homens. Aliás, tais “anjos” são espíritos de inteligência algo desenvolvida, que lideraram movimentos de realce e foram prepotentes nos mundos transitórios da carne, onde se impuseram por um excesso intelectivo, causando sérios prejuízos ao próximo.

(…)

Os “anjos” decaídos são espíritos rebeldes a qualquer insinuação redentora que lhes fira o orgulho ou lhes enfraqueça a personalidade humana.

(…)

Sem dúvida, essa emigração do anjos decaídos ou de espíritos rebeldes, de um orbe superior para outro inferior, evita o perigo da saturação satânica no ambiente astralino das humanidades, porque a carga nociva alijada faz desafogar a vida espiritual superior, tal qual as flores repontam mais vivas e belas nos Jardins que se livram das ervas malignas.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 49-50.

A Relação da Criatura com O Criador

“No fim dos inúmeros ciclos de eons de tempo, o TODO retira a sua Atenção, sua Contemplação e Meditação do Universo, porque a Grande Obra está acabada e Tudo está retirado no TODO de que provém. Mas, ó Mistério dos Mistérios!, o Espírito de cada alma não é aniquilado, mas sim expandido infinitamente, a Criatura e o Criador são confundidos. Tal é a relação do Iluminado!

Três Iniciados. O Caibalion: Estudo da Filosofia Hermética do Antigo Egito e da Grécia. Editora Pensamento: São Paulo, 2018, pág. 63.

A Constrição do Campo da Consciência

“Passamos, até o momento, por dois estágios: em primeiro lugar, passamos das emanações imediatas do Criador Incriado para as personagens, fluidas e não obstante intemporais, da idade mitológica; em segundo, passamos desses Criadores Criados para esfera da história humana. As emanações se condensaram; o campo da consciência sofreu uma constrição. Onde antes eram visíveis corpos causais, ora entra em foco, na pequena pupila teimosa do olho humano, seus efeitos secundários.”

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 306.

Busque o Horizonte Onde Nasce o Sol

Diário Espiritual de 27 de novembro de 2019

Dia D: Até aqui, mais coisas se passaram do que sou capaz de detalhar com palavras.

“Neste derrame de claridade sobre claridade, é gerada a perfeição que encaminha para o gozo eterno, só conturbada pelas indispensáveis forças contrárias, que justamente a excitam e fazem-na evoluir, porque dos contrastes é que brota o real, o verdadeiro, de precisão matemática.

Colima isso a Sabedoria, divina inteligência, reta e incondicional, da qual somente a escuridão, logicamente se constitui opositora, visto ser ela o campo da própria luz que, por fim, a destrói, vencendo-a, na fórmula de Deus, o Criador perfeito e indefessamente bom.

Em sua bendita seara dualista, divina na treva que abrange o material, é plausível que Deus faça renascer o ser, seu filho, por mínima fagulha de sua amorosa luz.”

Pe. Zabeu

[…]

Chorei como há muito não o fazia. A dor e a alegria deste momento agridoce geram contrastes violentos dentro de mim. Perdi o fôlego chorando e gemendo, lavei o espírito com lágrimas. Percebi a presença e companhia dos amigos que amo me acercando como um cobertor quente que nos envolve e aquece em dias frios. Irrompi em choro ainda mais profundo e sem controle quando vi lágrimas lavando o rosto da Olívia, que me envolveu por trás num abraço materno, com as mãos no meu coração. Minha respiração tornou-se como que violenta, puxava com força o ar pelo nariz ao âmago do seu ser, e rapidamente o expulsava com um sopro intenso pela boca. “Respiração de limpeza”, logo pensei. Não foi planejada ou provocada com a mente, que só a reconheceu em meio ao processo, mas organicamente manifesta, em eclosão de socorro espiritual, acolhimento, cuidado e integração. Como se meu próprio corpo tivesse acionado este recurso mediante a demanda do momento. Olívia então começou a tocar a minha mente. E me disse essas palavras:

“Mantenha os olhos fixos nEle!

Acima das montanhas, busque o horizonte onde nasce o sol, que renova toda vida após o desmaio noturno, quando todas as coisas são engolidas pela escuridão da noite.

Mantenha os olhos no horizonte, pois a alvorada nova rasga o peito do firmamento, dando lugar à luz que ofusca todos os lumiares e devolve as cores vibrantes à tudo que há.

A madrugada é mais escura antes do amanhecer mas, eu te prometo, a alvorada virá”, o calor retornará aos seus dias e em serenidade e equilíbrio, seus olhos verão as cores de um novo e vibrante tempo.

Nós jamais o abandonaremos! Estamos cuidando de tudo. Confie em sua intuição e sentir. Persiga o fluxo! Poupe aos outros de sua desgastante jornada. Ofereça à eles apenas o fruto dos seus cultivos internos.

Seja coerente com as verdades que for capaz de acessar. Siga o fluxo com suavidade, e as águas da vida o levarão de volta ao oceano.

Com amor, daquela que recebeu do alto a missão de gestacionar em ti o amor pela sabedoria.”

Olívia

Após a transcrição, troco algumas palavras finais com Olívia. Agradeço e confesso meu medo de não mais ser digno deles. Imediatamente vejo o livro de Bruxaria que comprei na Fnac do Porto, numa espécie de confissão da parte dela. E sobre o livro disse:

“Livre-se de uma vez da culpa. Precisamos criar um movimento livre, leve e responsável. Não se admire que o furacão cause espanto a quem o vê, pois possui tremenda força, com base no Princípio de Polaridade, manifesto em correntes de ar quentes e frias que em contrastes de pressões atmosféricas, o provocam. Ainda assim, o furacão é possuidor de grande energia. Quando decifrar sua compreensão, em futuro breve, o homem desenvolverá os meios de canalizar essa energia, não mais para efeitos devastadores, mas para o bom uso da civilização. Aprenda com a energia do furacão, e o que antes fora visto como caos devastador, será admirado como sabedoria construtiva e propulsora.”