O Homem Materialista Morrerá Insatisfeito.

“Esquecido da Bem-aventurança e da Vida Divina presentes em sua alma, que tudo proveem e saciam todos os desejos, o homem materialista morrerá insatisfeito. Seus anseios permanecerão com ele mesmo após a morte – uma sede latente que o impelirá a se reencarnar repetidas vezes em busca de satisfação.

Mas todo aquele que beba da fonte da eterna bem-aventurança em Deus descobrirá saciada para sempre a sede de cada desejo de todas as suas encarnações.

(…)

Gratificar o corpo e o ego com experiências materiais e posses jamais poderá compensar o homem pela perda de sua infinita felicidade da alma.

Os desejos mortais prometem felicidade, mas em vez disso trazem tristezas. “Porque os prazeres dos sentidos surgem dos contatos com o exterior, e têm começo e fim (são efêmeros), eles são causadores apenas de infelicidade. Nenhum sábio busca neles a felicidade.”*

A alma até mesmo da pessoa mais mundana está internamente ciente de sua Bem-aventurança celestial, que se perde apenas na sua identificação externa com o corpo. E por isso que ela jamais pode ficar satisfeita por muito tempo com os prazeres temporários dos sentidos.”

*Nota:  A Yoga do Bhagavad Gita.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 327-328.

Capítulo 17: A Mulher de Samaria, Parte I.

 

Crenças, Ação e Resultado

“Perguntas de resultado esperado – O que você quer? O que você realmente quer? Perguntas sobre o valor do resultado esperado – Por que isso é importante para você? O que te impede de obter o que quer? Perguntas sobre crenças – Do que pode se arrepender se fizer/não fizer? Quem vai julgar suas ações?”

(…)

“Comentário do Coach – Estou ouvindo que o que você realmente quer é “isso”. O que te impede de obter “isso”?”

(…)

“Este pensamento/crença é verdade? Como eu seria se não tivesse este pensamento/crença? Como este pensamento/crença me apoia e como me atrapalha no sentido de ter as minhas necessidades atendidas?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 861-880.

O Gênesis é Profundamente Simbólico

“O Gênesis é profundamente simbólico e não pode ser assimilado por meio de uma interpretação literal” – explicou ele. “A árvore da vida’ é o corpo humano; a coluna vertebral assemelha-se a uma árvore invertida, tendo como raízes os cabelos do homem, e como galhos, os nervos aferentes e eferentes. A árvore do sistema nervoso produz muitos frutos apetitosos: as sensações da visão, da audição, do olfato, do paladar e do tato. A estes o homem tem permissão de desfrutar; mas lhe foi proibida a experiência do sexo, a ‘maçã’ no centro do corpo (‘no meio do jardim’).

“A ‘serpente” representa a energia enrolada na base da espinha dorsal, que estimula os nervos sexuais. ‘Adão’ é a razão, ‘Eva’ é o sentimento. Quando o impulso sexual suplanta a emoção ou a ‘consciência de Eva’ em qualquer ser humano, sua razão ou Adão também sucumbe.

“Deus criou a espécie humana materializando o corpo do homem e da mulher pela força de Sua vontade; Ele dotou a nova espécie com o poder de criar filhos de idêntica maneira divina ou “imaculada”.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 159-160.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Desejo Criador Com Uma Ilusão Cósmica

“A fim de conferir individualidade e independência a Suas imagens ideativas, o Espírito teve que utilizar um artifício cósmico, uma mágica mental universal. O Espírito recobriu e permeou o Seu desejo criador com uma ilusão cósmica, uma grande medidora mágica, des crita nas escrituras hindus como maya (da raiz sânscrita mã, “me dir”). A ilusão divide e delimita o Infinito Imensurável em formas e forças finitas. A operação da ilusão cósmica nessas individualizações é denominada avidya, engano individual ou ignorância, que confere uma enganadora realidade à existência de tais individualizações como separadas do Espírito.” Seres individualizados, possuindo os instrumentos do corpo e da mente humanos, estão dotados do poder de livre-arbítrio e independência de ação.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 155.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Conhecer Deus Não Significa Negar os Desejos

“Conhecer Deus não significa negar os desejos, mas sim atingir a completa satisfação. As sim como não podemos saciar nossa própria fome alimentando outra pessoa, também a alma jamais pode satisfazer-se alimentando os sentidos.

(…)

O desejo limita a consciência ao objeto desejado. O amor por todas as coisas boas como expressão de Deus expande a consciência do homem. Aquele que banha sua consciência no Espírito Santo desapega-se de objetos e desejos pessoais, enquanto desfruta de tudo como júbilo de Deus em seu íntimo.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 138.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.

O Todo Livre

“(…) E, ainda, o TODO cria e manifesta, e parece ter muitas qualidades de satisfações em fazê-lo. E é difícil de escapar da conclusão que, em grau infinito, ele poderia ter o que corresponde no homem a uma natureza inata, ou um instinto criador correspondente a um infinito Desejo e Vontade. Não poderia agir sem Querer agir; e não poderia Querer agir sem Desejar agir e não Desejaria agir sem Satisfação nisso. E todas estas coisas pertenceriam a uma Natureza Infinita, e podem ser consideradas como estando de acordo com a Lei de Correspondência. Mas, ainda, preferimos considerar o TODO como agindo inteiramente LIVRE de toda influência, tanto interna como externa. Isto é o problema que se apoia na raiz da dificuldade, e a dificuldade que se apoia na raiz do problema.”

Três Iniciados. O Caibalion: Estudo da Filosofia Hermética do Antigo Egito e da Grécia. Editora Pensamento: São Paulo, 2018, pág. 64.

Afinidade por Pensamentos

“Pensamos, e imprimimos existência ao objeto idealizado.

A resultante visível de nossas cogitações mais íntimas denuncia a condição espiritual que nos é própria, e quantos se afinam com a natureza de nossas inclinações e desejos aproximam-se de nós, pelas amostras de nossos pensamentos.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 115-123.

Integração

“E por isso podemos dizer que, afinal de contas, o moderno alvo terapêutico de uma cura que produza o retorno à vida é atingido por meio da antiga disciplina religiosa (…) aquele que se libertou em vida (jívan mukta), desprovido de desejos, compassivo e sábio, “com o coração concentrado pela ioga, vê todas as coisas sob a mesma luz, observa-se a si mesmo em todos os seres e observa todos os seres em si mesmo. Como quer que leve a vida, vive em Deus”. (…) Aqueles que sabem, não apenas que o Eterno vive neles, mas que eles mesmos, e todas as coisas, são verdadeiramente o Eterno, habitam os bosques de árvores que atendem aos desejos, bebem o licor da imortalidade e ouvem, em todos os lugares, a música silenciosa da harmonia universal. Esses são os imortais”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 157.

Nobre Caminho Óctuplo

“(…) ou Quarta Nobre Verdade do budismo:

“Crença Correta, Intenções Corretas, Palavra Correta, Ações Corretas, Meio de Vida Correto, Esforço Correto, Pensamento Correto, Correta Compreensão”.

Com a “extirpação final da ilusão, do desejo e da hostilidade” (Nirvana), a mente sabe que não é aquilo que pensa ser: o pensamento flui. A mente permanece em seu verdadeiro estado. E aí pode ela habitar até que o corpo desapareça:

“Estrelas, escuridão, lâmpada, fantasma, orvalho, bolha. Um sonho, um relâmpago, e uma nuvem: Assim devemos olhar tudo o que foi feito”.

O Bodisatva, todavia, não abandona a vida. Voltando os olhos da esfera interna da verdade que transcende o pensamento (que só pode ser descrita como “vazio”, já que ultrapassa a palavra) para observar mais uma vez o mundo fenomênico, ele percebe, fora de si, o mesmo oceano de existência que encontrou no seu íntimo. “A forma é o vazio, o vazio é de fato forma. O vazio não difere da forma, a forma não difere do vazio. O que for forma é também o vazio, o que for vazio, é também a forma. E o mesmo se aplica à percepção, ao nome, à concepção e ao conhecimento”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 156.