Viver todos os dias a nossa natureza e cidadania espiritual

Que nenhum aspecto de sua vida prática e espiritual seja suprimido pelos compromissos da paternidade. A vida é como é; e os manejos necessários ao seu fluxo, parte do jogo. Você não pode querer viver uma vida sem os desafios de sua gestão. Em verdade, nossos compromissos sociais, pessoais, familiares, jamais podem nos impedir de viver todos os dias a nossa natureza e cidadania espiritual.

Assim sendo, meu jovem, não vejo porque não continuarmos o nosso exercício psicofônico tão simplesmente porque o meu neto dorme no quarto ao lado. Nós sabemos bem quem ele é. E as memórias que constrói dia a dia ao entrar em contato com a cultura exoconsciente do nosso grupo contribuirão imensamente para que suas habilidades desabrochem no fluxo do seu propósito de vida.

Busque a justiça em todos os atos e decisões. O amor, como disse Olivia, é forte e justo. O amor que constrói e contribui para evolução de toda a gente. Ainda que, sob os olhos daqueles que jazem sobre o sono da ignorância, ele pareça, em verdade, um castigo severo… Lembre-se que cada um responderá de acordo com sua consciência.

Avancemos sempre meu filho irmão e pai,

General Uchôa

Identidade e sentido

Nem sempre os seus dias serão pacíficos e tranquilos haja vista que movimento é um imperativo da ação daqueles que se propõe a realizar e trazer para a superfície do planeta novos dias, de um novo tempo, de uma Nova Era.

Eu tenho estado presente em todos os momentos. Sei das tuas angústias e das tuas aflições e, muito mais do que isso, acompanho também a evolução de sua disposição renovada em empreender segundo os conceitos do nosso mestre, tão carinhosamente transmitidos a este que vos fala, nos limites da fazenda de Alexânia.

Haja, meu filho, em ti, força intelectual e disposição moral para não esvanecer diante dos desafios que o propósito traz, pois aquele que conhece a direção do seus passos no caminho é ousado e irrefreável como uma pedra que se despenca num desfiladeiro: nada pode detê-la, nada pode segurá-la, porque a sua natureza é combinada com a força da gravidade com os fluxos das leis naturais, de  maneira que o seu caminho possui um fluxo de força tremenda ao qual nada pode se opor. Harmonize a tua natureza aos fluxos da lei divina e perceba emanar de dentro de si a força do propósito, do sentido…

Identidade e sentido! Estes são verdadeiramente as grandes metas do projeto do Círculo na dimensão tridimensional: levar as pessoas a compreender e viver segundo tal compreensão.

Sugiro ainda que nós nos dediquemos juntos a esta modalidade onde eu posso falar através de você de maneira que você mantém a consciência e o controle motor dos teus atos mas o controle partilhado da suas cordas vocálicas esteja sempre a disposição. Isto fará com que nós aumentemos a nossa capacidade de comunicação, o que será tão necessária no futuro próximo.

Sempre me despeço com o carinho daquele que encontrar um amigo de tanto tempo, um irmão de jornada, um filho querido neste momento do projeto, mas também um pai amado que soube outrora, com sua sabedoria, me conduzir pelos caminhos da fé.

Avancemos sempre meu caro Major.

General Uchôa

Nota: Fiz um teste de permitir que ele utilizasse a psicofonia, e liguei o microfone do iMac com ditado. Depois apenas revisei e pontuei o texto. A modalidade pareceu ser útil, o fluxo irresistível, a complexidade das ideias bem além da minha velocidade de elaboração. Ele ainda ressalta que o treino seria útil para nós dois.

Gods and miserables

The nature of Jesus Christ is, indeed, the very same nature of humanity. His divinity embraces our humanity as our humanity has the divinity inner with in. We are gods, in our potential, but miserables in our perspective. Ascending our consciousness, we realise how beautiful is the eternal plan of the Father of all.

It is very important to keep building the community that will support the movement. Give them tools, freedom and leadership, multiplying the project vision in people with good will.

We will advance ten years in one again. Because it is necessary. And be prepared for change, because we will change. It is time! Today is the right time.

With my love and support, always around.

Pe. Robert DeGrandis

(…)

A natureza de Jesus Cristo é, de fato, a mesma natureza da humanidade. Sua divindade abraça nossa humanidade como nossa humanidade tem a divindade interior. Somos deuses, em nosso potencial, mas miseráveis em nossa perspectiva. Subindo nossa consciência, percebemos o quão belo é o plano eterno do Pai de todos.

É muito importante continuar construindo a comunidade que apoiará o movimento. Dê a eles ferramentas, liberdade e liderança, multiplicando a visão do projeto em pessoas de boa vontade.

Vamos avançar dez anos em um novamente. Porque é necessário. E esteja preparado para a mudança, porque vamos mudar. Está na hora! Hoje é a hora certa.

Com meu amor e apoio, sempre por perto.

Pe. Robert DeGrandis

A força dos gêneros em nós

A bruxaria é uma religião da natureza, como qualquer bruxa ele dirá.Tudo o que existe na natureza é masculino e feminino, e ambos são necessários (eu ainda não encontrei ninguém que não tenha uma mãe e um pai). (…)

Todos nós temos atributos masculinos e femininos. Até o homem mais viril e durão tem aspectos femininos, assim como a mais feminina das mulheres tem aspectos masculinos.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 63.

A força do propósito

Diante de um homem que não se deixa desviar por sentimentos provocados pelas superfícies daquilo que ver, mas responde corajosamente a dinâmica de sua própria natureza – um homem que, como descreve Nietzsche, é “uma roda que gira por si mesma” – , as dificuldades se dissolvem e a estrada é imprevisível vai sendo formada a medida que ele caminha.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 330-331.

Transitoriedade das formas

Tendo morrido para o seu Ego pessoal, eis que nascera outra vez, estabelecido no Eu.

O herói é o patrono das coisas que estão se tornando, e não das coisas que se tornaram, pois ele é. “Antes de Abraão existir, EU SOU”.Ele não confunde a aparente imutabilidade no tempo com a permanência do Ser (…) “Nada retém sua própria forma, a Natureza, a maior renovadora, constantemente cria formas de formas. Certamente nada há que pereça em todo universo, há apenas variação e renovação de forma.”

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 236.

Homem Cósmico

O discípulo foi abençoado pela visão que transcende o alcance do destino humano normal, equivalente a um vislumbre da natureza essencial do cosmos. Não seu destino pessoal, mas o da humanidade, da vida como um todo, do átomo e de todos os sistemas solares, foi posto diante dos seus olhos; e em termos passíveis de apreensão humana, isto é, em termos de uma visão antropomórfica: o Homem Cósmico.

(…) De modo correspondente, o Homem Cósmico manifestou-se, na Palestina, como judeu; na Alemanha antiga, como alemão, entre os Basutos, como negro no Japão, como japonês. A raça e a estatura da imagem que simboliza Universal imanente transcendente tem alcance histórico, e não semântico; o mesmo ocorre com o sexo: a Mulher Cósmica, que aparece na iconografia dos jainismas, É um símbolo tão eloquente quanto Homem Cósmico.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 229-230.

Princípios da Crença Wiccana / Conselho dos Bruxos Americanos – 1974

  1. Nós praticamos ritos para nos sintonizar com os ritmos naturais das forças vitais, marcados pelas fases da Lua e pelas mudanças e pelos ápices das estações.
  2. Reconhecemos que nossa inteligência nos dá uma responsabilidade única com relação ao nosso meio ambiente. Procuramos viver em harmonia com a natureza, em equilíbrio ecológico, oferecendo condições à vida e a consciência segundo uma visão evolutiva.
  3. Reconhecemos a existência de um poder muito maior do que aquele que se manifesta na pessoa comum. Por sem bem maior que o normal, ele é às vezes chamado de “sobrenatural”, mas o vemos como uma parte natural do potencial de todos.
  4. Compreendemos que o Poder Criativo do Universo se manifesta por meio da polaridade – como masculino e feminino – e que esse mesmo Poder Criativo habita em todas as pessoas e age por meio da interação entre o masculino e o feminino. Não valorizamos um mais do que o outro, porque sabemos que se complementam. Valorizamos o sexo como prazer, como símbolo e corporificação da vida e uma das fontes de energia usada nas práticas mágicas e nos cultos religiosos.
  5. Reconhecemos a existência tanto dos mundos exteriores quanto dos interiores, ou psicológicos – às vezes conhecidos como Mundo Espiritual, Inconsciente Coletivo, Planos Interiores, etc – e vemos na interação dessas duas dimensões a base dos fenômenos paranormais e das práticas de magia. Não negligenciamos nenhuma das dimensões, pois ambas são necessárias para a nossa realização.
  6. Rejeitamos toda hierarquia autoritária, mas honramos aqueles que nos ensinam, respeitamos aqueles que compartilham seu conhecimento e sua sabedoria, e admiramos aqueles que corajosamente deram de si para exercer funções de liderança.
  7. Vemos a religião, a magia e a sabedoria de vida como uma unidade na forma pela qual uma pessoa vê o mundo e vive nele, uma visão do mundo e uma filosofia de vida que identificamos como Bruxaria – O Caminho Wiccano.
  8. Dizer-se Bruxo não faz de ninguém um Bruxo – tampouco a hereditariedade ou uma coleção de títulos, graus ou iniciações. O Bruxo busca controlar as forças de si mesmo que tornam a vida possível, de modo a viver com sabedoria e bem, sem prejudicar outras pessoas e em harmonia com a natureza.
  9. Acreditamos na afirmação e na plenitude da vida, numa contínua evolução e num contínuo desenvolvimento da consciência, dando sentido ao Universo que conhecemos e ao nosso papel dentro dele.
  10. Nossa animosidade com relação ao Cristianismo ou qualquer outra religião ou filosofia de vida só existe na medida em que essas instituições se proclamam “o único caminho”, negando a liberdade a outras entidades e reprimindo outras formas de crença e prática religiosa.
  11. Como Bruxos Americanos, nós não nos sentimos ameaçados por debates sobre a história da Arte, sobre as origens de vários termos, sobre a legitimidade de vários aspectos de diferentes tradições. Nós nos preocupamos com o nosso presente e com o nosso futuro.
  12. Não aceitamos o conceito de mal absoluto, nem adoramos a entidade conhecida como “Satanás” ou “Demônio”, como definido pela tradição cristã. Não buscamos o poder por meio do sofrimento de outros nem aceitamos o conceito segundo o qual benefícios pessoais só podem ser obtidos pela negação do outro.
  13. Acreditamos que devemos buscar na natureza o que pode contribuir para a nossa saúde o nosso bem-estar.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, pp. 47-49.

Isolamento da natureza

Um dos fatores que contribuem para o nosso isolamento do resto da natureza é o material isolante dos nossos sapatos. Quando puder, fique descalça.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 47.

A Filosofia da Bruxaria

A Arte é uma religião de amor e alegria. Ela não é sombria como o Cristianismo, com suas ideias de “pecado original”, com a salvação e a felicidade possíveis apenas na vida após a morte. A música da Bruxaria é alegre e cheia de vida, contrastando com os hinos de lamentação do Cristianismo. Por quê? Muito disso tem a ver com a empatia que os wiccanos têm com a natureza. Os primeiros povos compactuavam com a natureza por pura necessidade. Eles eram uma parte da natureza, não eram separados dela. Um animal era um irmão, assim como uma árvore. Homens e mulheres cuidavam dos campos e, em troca, recebiam alimentos para sua casa. É claro que matavam animais para se alimentar. Mas muitos animais matam outros animais para se alimentar. Em outras palavras, o ser humano era parte da ordem natural das coisas, não estava separado dela. Nem se considerava “acima” dela.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 46.