Pai Ogro

Pois o aspecto ogro do pai é um reflexo do próprio ego da vítima –  derivado da maravilhosa lembrança da proteção materna foi deixada para trás, mas só depois de ter sido projetada, bem como do fato de a idolatria fixadora daquela inexistência pedagógica constituir por si própria a falta, no sentido de pecado, que nos mantém paralisados e que impede a alma potencialmente adulta de alcançar uma visão mais equilibrada e realista do pai e, em consequência, do mundo. (…) apenas para descobrir, no final de tudo, que pai e mãe se refletem um ao outro e são, em essência, a mesma coisa.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 128.