Pena sem fim

“Os do inferno, tendo sido achados no momento da morte com a vontade no pecado, tem consigo infinitamente a culpa, e também a pena. E a pena que têm não é tanta como mereceriam, mas em todo caso é pena sem fim. Os do purgatório, pelo contrário, tem só a pena, mas como estão já sem culpa, pois lhes foi cancelada pelo arrependimento, têm uma pena finita, e que com o passar do tempo vai diminuindo, como já disse antes.”

Santa Catarina de Gênova. Tratado do Purgatório, Ed. Santa Cruz, 2019, Local: 363.

Capítulo I – Tratado do Purgatório

Inferno

Penas extremas

“Apesar do que foi dito, sofrem estas almas penas tão extremas, que não há língua capaz de expressá-las, nem entendimento algum as pode compreender minimamente, a não ser que Deus o mostrasse por uma graça especial. Eu creio que a mim a graça de Deus me mostrou, embora depois eu não seja capaz de expressá-lo. E esta visão que me mostrou o Senhor nunca mais se afastou de minha mente. Tratarei de explicá-la como puder, e me entenderão aqueles a quem o Senhor lhe der a entender.”

Santa Catarina de Gênova. Tratado do Purgatório, Ed. Santa Cruz, 2019, Local: 322.

Capítulo I – Tratado do Purgatório

São penas indizíveis