Te Ocupes de Teu Dever

“Marta, és muito conscienciosa em deveres e assuntos materiais, que te causam preocupações e dispersam tua mente. preciso que te ocupes de teu dever espiritual supremo, que consiste em manter a mente em Deus enquanto cuidas da realização de tuas diversas tarefas.

(…)

Todo aspirante à verdade, quer leve a vida secular de um chefe de família ou a de um renunciante em um eremitério, deve ser capaz de expressar, alternadamente e conforme necessário, a natureza dual de Marta e Maria, cumprindo suas obrigações com o pensamento em Deus e assumindo todos os dias com devoção o dever espiritual de praticar a meditação com a mente absorta em Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 515-517.

Capítulo 53: A observância dos dois maiores mandamentos.

A Voz de Deus é Silêncio

“As sensações afluindo através dos nervos sensoriais mantêm a mente repleta de miríades de ruidosos pensamentos, de modo que toda a atenção se volta aos sentidos. A voz de Deus, porém, é o silêncio. Somente quando cessam os pensamentos inquietos é que se pode ouvir a voz de Deus comunicando-se no silêncio da intuição. Este é o meio de expressão de Deus. No silêncio do devoto cessa o silêncio de Deus. Para o devoto cuja consciência está interiormente unida a Deus, uma resposta audível da parte Dele é desnecessária. Pensamentos intuitivos e visões verdadeiras constituem a voz de Deus. Eles não resultam de estimulação sensorial, mas de combinar o silêncio do devoto com a voz silenciosa de Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 546.

Capítulo 28: O Pai-Noso: Jesus ensina seus seguidores a orar – O Sermão da Montanha, parte III.

Desmoralizar e Humilhar o Outro

“Jesus diz algo mais nestes versículos: as palavras são ações vibratórias muito poderosas, afetando favorável ou desfavoravelmente aquele que as pronuncia e também aquele a quem elas são dirigidas.

(…)

É censurável invalidar a vontade de uma pessoa e em sua mente subconsciente pensamentos derrotistas de inferioridade. Estimular uma atitude de submissão à ignorância em qualquer indivíduo põe em movimento o princípio da justiça que determina: difamar outro ser humano é um pecado que expõe o transgressor a tornar-se “réu do fogo do inferno” – o fogo da ignorância que consome o próprio mérito espiritual no ato de desmoralizar, humilhar ou denegrir voluntariamente outra pessoa.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 513- 514.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

O Pensamento é Ação em Si

“Tendo falado de modo geral das leis eternas que governam a criação de Deus e de como sua observância é necessária para que se alcance o reino dos céus, Jesus ilustra (nos versículos 21 a 48) adaptações específicas – maneiras de cumprir o espírito de justiça natural dessas leis.

Os homicidas não apenas se contrapõem à lei universal da criação divina, mas privam suas vítimas da legítima oportunidade de esgotar independentemente seu próprio karma – impossibilitando o progresso desses indivíduos em sua existência atual.

Jesus assinalou que, à luz da justiça natural, o mal reside não apenas em atos homicidas, mas também em pensamentos e emoções de ira que dão origem a esses atos.

(…)

A ira, quer se origine de uma causa real ou de uma percepção imaginária, pode provocar uma pessoa a ponto de impeli-la à violência. Em casos de ira extrema, as pessoas podem mentalmente desejar a morte de seus inimigos.

Desse modo, a fim de cumprir a lei “Não matarás”, Jesus disse que não apenas o ato, mas também todos os pensamentos, as palavras e ações relacionados com o fato de matar devem ser estrita mente evitados.

(…)

O pensamento, precursor da ação, é em si mesmo uma ação num plano mais sutil.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 510-512.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Cura à Distância

“A cura à distância geralmente envolve o princípio da autossugestão.Um poderoso pensamento, acompanhado de energia vibratória, é enviado pela vontade do agente de cura à pessoa a ser curada, cuja resposta a essa vibração desperta sua própria imaginação e vontade adormecidas para liberar a força vital curativa em seu interior. Curas mentais instantâneas acontecem quando o agente de cura e a pessoa a ser curada estão perfeitamente sintonizados entre si.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 464-465.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Transformações da Mente e dos Hábitos

“Por meio da meditação (…) é possível preparar o terreno para importantes mudanças cerebrais envolvendo transformações da mente e dos hábitos”, concluiu o Dr. Her bert Benson, Professor de Medicina da Harvard Medical School, após extensa pesquisa relatada em seu livro Your Maximum Mind (Nova York: Random House, 1987). “A longo dos anos”, ele escreve, “desenvolvem-se ‘circuitos’ e ‘canais’ de pensamento no cérebro. Estes são vias físicas que controlam o modo como pensamos, o modo como agimos e frequentemente o modo como nos sentimos. Muitas vezes, essas vias ou hábitos se tornam tão estabelecidos que se transformam no que denomino instalação elétrica. Em outras palavras, os circuitos ou canais se tornam tão profundamente arraigados que parece quase impossível modificá-los.”

Entretanto, os avanços na tecnologia médica capacitaram os cientistas a mensurar pela primeira vez os profundos efeitos da meditação na neuroplasticidade – a habilidade da mente para alterar os padrões elétricos pelos quais os hábitos e as tendências comportamentais profundamente estabelecidos se armazenam no cérebro. Em artigo no The Wall Street Journal (10 de janeiro de 2003), a escritora científica Sharon Begley apresenta novas evidências de que “alterações nos circuitos cerebrais (…) podem ser induzidas pela meditação”. Ela relata uma pesquisa conduzida pelo neurocientista Dr. Richard Davidson na Universidade de Wisconsin, que focalizou várias formas de meditação budista: “Após oito semanas, e também depois de 16 semanas, registros de EEG demonstraram que a atividade no córtex frontal das pessoas que meditavam havia se modificado: produziam-se agora mais descargas neuronais na região esquerda do que à direita, logo atrás da fronte. Esse padrão está associado com sentimentos positivos como alegria, felicidade, e com baixos níveis de ansiedade, conforme o Professor Davidson e outros haviam descoberto em estudos anteriores.”

O artigo inclui a seguinte citação de Dr. Davidson: “A ideia de que o nosso cérebro seja o resultado do desenvolvimento de uma programação genética fixa é simplesmente destruída pelos dados referentes à neuroplasticidade”.

“A pesquisa científica demonstrou que a atividade elétrica entre o lado esquerdo e o direito do cérebro se coordena melhor durante determinados tipos de meditação ou oração”, escreve Dr. Benson. “Mediante esses processos, a mente se torna com certeza mais capaz de se transformar ou de maximizar suas capacidades. (…) Quando se está nesse estado de maior comunicação entre os hemisférios esquerdo e direito (…) ocorre a ‘plasticidade da cognição’. (…) Ao focalizarmos ou concentrar-nos em alguma passagem escrita que represente a direção na qual desejamos que nossa vida se encaminhe, [este] processo mais dirigido de pensamento nos ajudará a reorientar os circuitos cerebrais em direções mais positivas. (…) Quando transformamos nossos padrões de pensamento e de ação, as células cerebrais começam a estabelecer conexões adicionais ou novas ‘instalações elétricas’. Essas novas conexões se comunicam então de maneiras diferentes com outras células, e em pouco tempo as vias ou circuitos que mantinham viva a fobia ou outro hábito são substituídos ou alterados. (…) Seguem-se em decorrência ações transformadas e uma vida transformada. As implicações são empolgantes e mesmo surpreendentes.” (Nota da Editora).”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 458.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Meditação e Sabedoria

“Embora o homem possa optar livremente por ações boas ou más, depois de agir ele não tem livre escolha quanto às consequências.”

(…)

“Quem não cultiva a verdadeira percepção da sabedoria é responsável por abrigar as trevas do mal”

(…)

“Espiritualizar a própria vida por meio do comportamento correto e, principalmente, pela comunhão divina em meditação regular e profunda é o modo de expulsar as entidades do mal e tornar acessívis as percepções latentes do céu interior.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 449-451.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

O Absoluto Não-Manifestado

Espirito significa o Absoluto não-manifestado. Na treva sem treva e na luz sem luz da eterna infinitude – sem nem mesmo a mínima ondulação de pensamento ou atividade vibratória para manifestar a criação; onde as próprias categorias de espaço, tempo e dimensão são inexistentes – lá habita a Bem-aventurança sempre-existente, sempre-consciente e sempre-nova, que é o Espírito.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 339.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.

Poder Mental

“Como Jesus conhecia os detalhes íntimos da vida da mulher de Samaria? (…) Se uma pessoa mantém a mente em absoluta quietude, livre das oscilações dos pensamentos agitados, ela pode refletir em seu interior os pensamentos que passam pela consciência de outra pessoa. Isso é possível somente quando se domina a arte de subjugar os próprios pensamentos pelo tempo que se deseje; então, no filme virgem da mente, é possível “fotografar” qualquer pensamento que esteja na mente consciente de outro indivíduo.

É necessário maior poder mental para conhecer as experiências registradas em pensamentos que se ocultam na subconsciência de outras pessoas. Pensamentos subconscientes são aqueles que permanecem debaixo da mente consciente, ocultos por trás de suas portas fechadas. Projetando-se conscientemente a própria mente subconsciente na mente subconsciente de outra pessoa, podem-se conhecer os tabloides de experiências ali confinadas como pensamentos. Isto é possível quando, por meio do método correto de concentração, somos capazes de nos aprofundar em nossa própria  subconsciência e sentir as experiências ali armazenadas sem a intrusão ou influência de pensamentos da mente consciente.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 330.

Capítulo 17: A Mulher de Samaria, Parte I.

Filho Unigênito

“Os escritos de muitos cristãos gnósticos dos dois primeiros séculos, incluindo Basílides, Teódoto, Valentino e Ptolomeu, expressam de maneira similar uma com preensão do “Filho unigênito” como um princípio cósmico na criação – o divino Nous (palavra grega para inteligência, mente ou pensamento) – e não a pessoa de Jesus. Cle mente de Alexandria, um dos célebres “Pais da Igreja”, cita, como referência a partir dos escritos de Teódoto, que “o Filho unigênito é Nous” (Excerpta ex Theodoto 6:3). Em Gnosis: A Selection of Gnostic Texts (Oxford, Inglaterra: Clarendon Press, 1972), o estudioso alemão Werner Foerster cita Irineu: “Basílides apresenta Nous originan do-se, no princípio, do Pai sem origem”. Valentino, professor muito respeitado pela congregação cristã de Roma em torno de 140 d.C., tinha pontos de vista semelhantes, de acordo com Foerster, acreditando que, “no prólogo do Evangelho de João, o Uni gênito’ toma o lugar de Nous”.

No Concílio de Niceia (325 d.C.), entretanto, e no posterior Concílio de Constan tinopla (381 d.C.), a Igreja proclamou como doutrina oficial que o próprio Jesus era, nas palavras do Credo Niceno, “o Filho unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todos os séculos; Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; gerado, não feito; homoousios (“consubstancial’) com o Pai”. “Depois do Concílio de Constantinopla”, escreve Timothy D. Barnes em Athanasius and Constantius: Theology and Politics in the Constantinian Empire (Harward University Press, 1993), “o imperador sacramentou suas decisões em leis e sujeitou a penalidades legais os cristãos que não aceitassem o Credo de Niceia e seu lema homoousios. Conforme reconhecido já há muito tempo, esses acontecimentos marcaram uma transição entre duas épocas distintas na história da Igreja Cristã e do Império Romano.” A partir de então, explica Richard E. Rubens tein em When Jesus Became God: The Struggle to Define Christianity During the Last Days of Rome (Nova York: Harcourt, 1999), o ensinamento oficial da Igreja passou a ser que a não aceitação de Jesus como Deus significava a rejeição do próprio Deus. Ao longo dos séculos, esse ponto de vista trouxe enormes – e frequentemente trágicas – implicações no relacionamento dos cristãos com os judeus (e, mais tarde, com os muçulmanos que consideravam Jesus como um profeta divino, mas não como parte da própria Divindade) e também com os povos não cristãos de terras posteriormente conquistadas e colonizadas pelas nações europeias. (Nota da Editora)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 297-298.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.