Palcos Planetários

“compondo, assim, apenas humilde família, no infinito concerto da vida cósmica, em que cada mundo guarda somente determinada família da humanidade universal, conhecemos, por enquanto, simplesmente as expressões da vida que nos fala mais de perto, limitados ao degrau de conhecimento que já escalamos.

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 11-18.

Alguns dizem que existe uma escala de evolução da forma de vida mais inferior até a mais elevada – com seres humanos no topo. (…) Isso significa que, quando todas as almas finalmente tiverem atingido o nível máximo da escala e se “graduado”, não haverá plantas, animais ou insetos na vida após a morte? Isso me parece bem improvável. Na Bruxaria, a crença de que todas as coisas têm alma. Na Buxaria Saxônica, por exemplo, acredita-se que um cão passará por muitas encarnações, mas sempre como um cão; um gato sempre como gato; um ser humano sempre como um ser humano. Existe uma razão para todas as coisas estarem aqui… O que chamamos de “equilíbrio da natureza”.

(…) Uma possibilidade é a de que não vivemos apenas aqui na terra, mas também em outros planetas e outros sistemas de realidade. Quem sabe?… Talvez passemos pelo ciclo aqui após termos passado por ele uma dezena de vezes ou mais em outros mundos. Existe obviamente muita coisa para se pensar, pouquíssimas provas (se é que existe alguma fecha parêntese e muito espaço para novos conceitos.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 70.