O Sentido do Paladar

“A mente estabelece um padrão para todas as atividades do corpo. Desse modo, as afirmações são úteis: “Eu vivo pelo poder de Deus, e não apenas por meios materiais”.

(…)

A maioria das carnes (especialmente a bovina e a suína) e outros alimentos de vibração grosseira exigem demais da força vital, dificultando o processo de desvinculá-la dos sentidos e dos órgãos vitais sobrecarregados e de reverter a corrente de vida e a consciência na direção de Deus quando nos sentamos para a comunhão devocional.

Devemos eleger uma dieta saudável e equilibrada, com alimentos naturais ricos em força vital que sejam facilmente processados pelo corpo – frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, produtos lácteos -, evitando alimentos em que a força vital tenha sido sido desnaturada ou destruída em razão de um processamento inadequado ou que de algum outro modo sejam impróprios para o sistema humano.* Em acréscimo, temos que evitar o fanatismo. Um fanático por alimentação, constantemente obcecado pela observância minuciosa de leis dietéticas e de saúde em geral, descobrirá que seu apego ao corpo torna-se um verdadeiro empecilho à realização espiritual.

(…)

O sentido do paladar não deve ser corrompido com a gula, nem com a indigestão resultante de uma alimentação errônea e do excesso ao comer; seu propósito é o de selecionar e desfrutar o alimento correto de modo a manter o corpo saudável e vibrante para que seja, então, utilizado pela alma. Alimentar-se apenas para satisfazer o paladar leva à gula, à escravidão, à indigestão, à doença e à morte prematura. Alimentar-se para o sustento do templo corporal produz autocontrole, longevidade, saúde e felicidade.

(…)

Nota: Meu guru, Swami Sri Yukteswar, apresentou concisamente os princípios da dieta natural apropriada para o homem como sendo vegetariana, fundamentando-se em uma análise da “formação dos órgãos que auxiliam na digestão e na nutrição – os dentes e o tubo digestivo” e na “observação da inclinação natural dos órgãos dos sentidos – os indicadores do que é nutritivo – por meio dos quais todos os animais são dirigidos a seu alimento” (A Ciência Sagrada, Capítulo 3; publicado pela Self-Reali zation Fellowship).

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 192-193.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

A Beleza Mística

“É muito natural que os Essênios tivessem adquirido não só uma personalidade magnética, mas também um corpo sadio, roupas limpas e hábitos salutares, mas também que tivessem desenvolvido auras tão belas que em muitas ocasiões se tornavam visíveis aos profanos, o que confundia principalmente os judeus, que desconheciam o desenvolvimento da natureza mística, muito embora suas tradições e sua religião contivessem muitas leis místicas maravilhosas que eles não aplicavam de maneira prática.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 34.

Corpo e Mente Sãs e a Vida Simples

Todos os essênios do Egito e da Palestina, ou os Therapeuti, como eram chamados em outras terras, tinham de ser descendentes arianos de sangue puro. Este ponto é muito importante com relação aos fatos que serão revelados sobre o nascimento e a vida do Mestre Jesus. Os essênios também estudavam os textos do Avesta e aderiam aos princípios neles contidos, os quais davam grande importância a um corpo saudável e uma mente poderosa. Antes que qualquer ariano apto pudesse se tornar um Adepto da Fraternidade Essênia, tinha de ser preparado, durante a infância, por certos professores e instrutores; crescia com um corpo sadio, e devia ser capaz de exercer certos poderes mentais em condições de teste. Todo candidato adulto a quem se permitia partilhar da refeição diária no prédio da Fraternidade era designado para uma missão definida em sua existência, por ocasião de sua iniciação, e essa missão devia ser cumprida a despeito de quaisquer obstáculos e tentações, ainda que com o sacrifício da própria vida. Alguns decidiam ser médicos ou curadores, outros decidiam ser artesãos, professores, missionários, tradutores, escribas, e assim por diante. Todos os bens materiais que possuíssem ao tempo de sua iniciação tinham de ser doados ao fundo comum, do qual todos podiam retirar apenas o que lhes fosse necessário. A vida simples que levavam, livre de qualquer gratificação nos prazeres comuns à população em geral, só tornava necessário fazer uso desse fundo comum em raras ocasiões.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 25-26.