Obsessão e simbiose

Três guardas espirituais entraram na sala, conduzindo infeliz irmão ao socorro do grupo. Era infortunado solteirão desencarnado que não guardava consciência da própria situação. Incapaz de enxergar os vigilantes que o traziam, caminhava a maneira de um surdo-cego, impelido por forças que não conseguia identificar…

A perda do veículo físico, na deficiência espiritual em que se achava, deixou integralmente desarvorado, como náufrago dentro da noite. Entretanto, adaptando-se ao organismo da mulher amada que passou a obsidiar, nela encontrou um novo instrumento de sensação….

(…) Nessa simbiose vivem ambos há quase cinco anos sucessivos; contudo, agora, a moça subnutrida e perturbada acusa desequilíbrios orgânicos de vulto.

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 51-58.