A existência só se realiza na vita composita

“Catão: numquam se plus agere quam nihil cum ageret, numquam minus solum esse quam cum solus esset – ‘Nunca ele está mais ativo do que quando nada faz, nunca está menos solitário do que quando a sós consigo mesmo”

(…)

A existência humana só se realiza na vita composita, a saber, na atuação conjunta da vita activa e da vita contemplativa. Assim ensina Santo Gregório: Quando um bom programa de vida exige que se passe da vida ativa à contemplativa, é frequentemente útil que a alma retorne da vida contemplativa à ativa, de tal modo que a chama da contemplação desperta no coração entregue toda sua plenitude à atividade. Assim, a vida ativa deve nos levar à contemplação, mas a contemplação nos convoca de volta à atividade.”

HAN, Byung-Chul. Vita Contemplativa, ou sobre a inatividade. Ed. Vozes, 2023, Local 1444-1449.

O Pathos da ação

Vida ativa, vida contemplativa

“Provérbio de Cato […]: ‘Jamais se é tão ativo como quando, visto do exterior, aparentemente nada se faz, jamais se está menos só do que quando se está só na solidão consigo mesmo.

Não a vida ativa, mas só a vida contemplativa é que torna o homem naquilo que ele deve ser.”

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Ed. Vozes, 2022, Local 378-385.

4| Vida Activa