A Páscoa do Senhor

“Por apenas três dias foi permitido a nós, que ressuscitamos dentre os mortos, celebrar a Páscoa do Senhor em Jerusalém com nossos parentes que vivem como testemunho da ressurreição de Cristo, o Senhor; e fomos batizados no santo rio Jordão e recebemos vestes brancas, cada um de nós. E depois dos três dias, quando celebramos a Páscoa do Senhor, todos eles que se levantaram novamente conosco foram arrebatados pelas nuvens, e foram levados sobre o Jordão e não foram mais vistos por ninguém.”

Nascimento, Peterson do. O Evangelho Segundo Nicodemos (Coleção Apócrifos do Cristianismo Livro XI) – Versão Kindle, Posição 845.

Razão dos Nascimentos no Solstício de Inverno

“Do que foi dito, depreende-se que, quando a Grande Fraternidade Branca do Egito escreveu em seus registros que o dia e a hora do solstício de inverno era o período Cósmico correto para o nascimento dos Avatares, como estava escrito em todas as anotações antigas, ela não estava ordenando uma data ou estabelecendo arbitrariamente, por decreto, um período para a celebração de aniversários, mas simplesmente proclamando o que havia observado e declarando de que forma a lei Cósmica se manifestava. A razão pela qual os Avatares deveriam nascer no solstício de inverno, e a razão pela qual tantos grandes condutores de homens realmente nasceram nessa época, é uma questão que está envolvida com os princípios da reencarnação, ciclos Cósmicos de existência e leis Cósmicas relativas à periodicidade dos estágios da civilização em progresso.

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 125-126.

Celebração do dia 25 de Dezembro

“O fato de ser o dia 25 de dezembro festejado em muitas partes como uma data associada ao nascimento do Sol, ao aniversário Cósmico de certas leis e princípios manifestados pelo Sol, é indicado em muitos registros antigos referentes a celebrações primitivas dos cristãos em Roma. (…)”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 123.

O Consenso Sobre o Nascimento de Jesus

“Algumas tradições mais antigas da Igreja Cristã definiram o dia 20 de maio como a data correta, enquanto alguns dos Santos Padres insistiam em que a data real era 19 ou 20 de abril. No quinto século depois de Cristo, o assunto ainda estava sendo discutido e foi nesse mesmo século que a comunidade de Roma convocou um de seus famosos Concílios e tomou uma decisão definitiva, escolhendo a data de 25 de dezembro, ou meia-noite de 24 de dezembro, como a hora verdadeira. Nesta decisão está envolvida uma história mística importante e muito bela.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 118.