Saber é o primeiro passo

A pujança de enxertos cotidianos reflete a transição das energias do inverno para o princípio da primavera, onde todos os brutos devem desabrochar, os galhos reflorescer, e as fragrâncias  impregnar de convite à vida todos os ambientes dos sítios naturais. Esta face do orbe ora se realinha com novas porções de energia e os ciclos vão se complementando e se balanceando numa quase eterna compensação.

Ainda assim, nascer requer coragem, força e empenho! Eis o desafio da consistência ao longo do tempo: tendo reconhecido o destino próximo, esquecer-se de rodar os próximos quilômetros até lá, giro à giro, metro por metro.

Saber é o primeiro passo. Mas jornadas não se fazem de um passo só. Avancemos sempre!

General

O ciclo do Movimento

Assim como em um organismo vivo, é o movimento da vida a energia que a tudo vivifica e dá sentido. Todo crescimento, todo fruto, toda interação. O ciclo do movimento é marcado pelo encontro das pessoas consigo mesmas, com a comunidade e com a causa que os uniu. Encontros que dão sentido. Projetos que fazem sentido.

O sentir pertencer e o sentir contribuir, ambos ressignificam o sentir a si mesmos. Eis o sentido dos próximos passos.

Devagar mas firme, se consolidam a partilha responsável do poder, onde cada um, naquilo que pode e naquilo que sabe, contribui para a evolução do outro. A doação final é apenas meio. O processo para se chegar até lá é o que traz o movimento à vida, agrega e verdadeiramente transforma.

Que cada um contribua com o mínimo, e juntos teremos muito à dispor e realizar. Que ninguém abrace o mundo todo por si mesmo, mas que o mundo todo aprenda a dar as mãos e juntos realizar.

Em nome do General,

Dos amigos do Círculo do lado de cá.

O poder do propósito

O propósito também ajuda quando as coisas não estão dando muito certo. Às vezes, a vida fica difícil, e não há como evitar isso. Aponte mais alto, viva por mais tempo, e você vai deparar com momentos complicados. Tudo bem. Todos passamos por isso. Conhecer as razões pelas quais você está fazendo algo oferece a inspiração e a motivação para dar um suor extra, necessário para perseverar quando as coisas não vão bem. Manter-se firme em algum tempo suficiente para que o sucesso apareça é uma demanda fundamental para alcançar resultados extraordinários.

(…) Quando se pergunta: “Qual é a única coisa que posso fazer na minha vida que faria mais sentido para mim e para o mundo, de modo que, ao fazer ela, o restante se torne mais fácil ou desnecessário?” , Você usar o poder da única coisa para trazer propósito a sua vida..

Keller, Gary; Papasan, Jay. A única coisa. Novo Século Editora, Barueri, 2014, p. 130

Fluxo de capital e pensamento

E aqui vai a condição primária para o sucesso, o grande segredo: concentre sua energia, seu pensamento e seu capital exclusivamente no negócio que você está engajado. Tendo escolhido uma linha, descida lutar para reproduzir essa linha, para ser o melhor nela, adote cada melhoramento, tenha o melhor maquinário e saiba o máximo sobre ela. As firmas que falham são as que espalham o seu capital, o que significa espalhar também a sua mente. Investem nisso, naquilo, ou em outro, aqui, lá, em todo lugar. O ditado “não coloque todos os ovos numa única sexta” está errado. Eu digo: “coloque todos os ovos numa única sexta; depois fica de olho nela”. Olha o redor e ficar atento; homens que fazem isso não costumam fracassar. É fácil cuidar de uma cesta e carregá-la. É carregando sextas demais que muitos ovos são quebrados neste país.

Andrew Carnegie citado por Keller, Gary; Papasan, Jay. A única coisa. Novo Século Editora, Barueri, 2014, p. 96.

Força de vontade

(…) A força de vontade não está sempre à nossa disposição.

(…) Todo mundo entende que recursos limitados devem ser manejados. No entanto, em geral falhamos em reconhecer que a força de vontade é um deles. Agimos como se nosso estoque de força de vontade não fosse acabar nunca. Como resultado, não há consideremos o recurso a ser controlado, como alimentação ou o sono. Isso nos coloca repetidamente em situações difíceis, visto que, quando mais precisamos nossa força de vontade, ela pode não estar lá.

(…) Quanto mais usamos a nossa mente, menos atenção temos.(…) O cérebro equivale a 1/50 de nossa massa corporal, mas consome, pasmem, 1/5 das calorias que queimamos para obter energia.

(…) Quando não pensamos na determinação como um recurso que esses vai, quando falamos em reserva-la para as coisas mais importantes, quando não há reabastecemos social está em baixa, estamos, provavelmente, nos coloca no caminho mais complicado em direção ao sucesso.

Então, como colocar a força de vontade para funcionar? Pense nela. Preste atenção a ela. Respeite. Torne prioritário fazer o que é mais importante quando sua força de vontade estiver no máximo. Em outras palavras, de-lhe a hora do dia que ela merece.

(…) Então, se quiser aproveitar o máximo do seu dia, faça o trabalho mais importante mais cedo, antes de gastar sua força de vontade.

Keller, Gary; Papasan, Jay. A única coisa. Novo Século Editora, Barueri, 2014, pp. 59-67

 

Covendom

O Covendom tradicionalmente se estende por uma légua, ou cerca de cinco quilômetros, em todas as direções a partir do covenstead. Oi tradição, esta é a área onde moram os bruxos que formam o coven. Dizia-se que um covendom não podia se misturar com outro, logo nenhum covenstead deveria estar a menos de dez quilômetros do outro. Hoje em dia, essas velhas fronteiras são raramente obedecidas.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p.

O Todo além

(…) tanto o Pai como Filho são aniquilados – como personalidades-máscaras colocadas no inomeado. Pois assim como os produtos em reais de um sonho derivam da energia vital do sonhador, representando apenas fluidas divisões E complexidade de uma única força, assim também todas as formas de todos os mundos, quer terrestres ou divinos, refletem a forma universal de um único mistério inescrutável: a força que constrói o átomo e controla a órbita das estrelas.

Essa fonte de vida constitui o núcleo do endivido, e este a encontrará dentro de si mesmo – se puder retirar as camadas que a recobrem.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 178.

Imortalidade

A busca da imortalidade física procede de uma incompreensão do ensinamento tradicional. (…) Conhecer a eternidade é iluminar-se; não reconhecer a eternidade produz a desordem e o mal. (…) A bênção concedida ao fiel sempre segue a própria estatura deste, assim como a natureza do desejo que o domina: a bênção é tão-somente um símbolo da energia da vida adaptado às exigências de um caso específico.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 175-177

Radiações de tecidos humanos

Na revista Everyday Science and Mechanics, de setembro de 1932, foi publicado o seguinte artigo:

Tecidos Humanos produzem Radiações Mortais

“De acordo com o professor Otto Rabn, da Universidade de Cornell, raios emitidos do sangue humano, da ponta dos dedos, do nariz e dos olhos são capazes de exterminar o fermento e outros micro-organismos. O fermento, o mesmo usado na manufatura do pão, morreu um cinco minutos meramente pela radiação das pontas dos dedos de uma pessoa. Quando uma placa de quartzo, de 12 mm de espessura, foi interposta, foi preciso quinze minutos para que a mesma coisa acontecesse. Em testes com a ponta dos dedos, descobriu-se que a mão direita é mais forte do que a esquerda, mesmo em pessoas canhotas.

O professor Rahn continuou seus experimentos e publicou os resultados na obra Radiações Invisíveis dos Organismos (Berlim, 1936). (…) ele explicou que os “raios” pareciam sair com mais ímpeto da ponta dos dedos, da palma das mãos, da sola dos pés, das axilas, dos órgãos sexuais e – apenas em mulheres – dos seios.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 50.

Princípios da Crença Wiccana / Conselho dos Bruxos Americanos – 1974

  1. Nós praticamos ritos para nos sintonizar com os ritmos naturais das forças vitais, marcados pelas fases da Lua e pelas mudanças e pelos ápices das estações.
  2. Reconhecemos que nossa inteligência nos dá uma responsabilidade única com relação ao nosso meio ambiente. Procuramos viver em harmonia com a natureza, em equilíbrio ecológico, oferecendo condições à vida e a consciência segundo uma visão evolutiva.
  3. Reconhecemos a existência de um poder muito maior do que aquele que se manifesta na pessoa comum. Por sem bem maior que o normal, ele é às vezes chamado de “sobrenatural”, mas o vemos como uma parte natural do potencial de todos.
  4. Compreendemos que o Poder Criativo do Universo se manifesta por meio da polaridade – como masculino e feminino – e que esse mesmo Poder Criativo habita em todas as pessoas e age por meio da interação entre o masculino e o feminino. Não valorizamos um mais do que o outro, porque sabemos que se complementam. Valorizamos o sexo como prazer, como símbolo e corporificação da vida e uma das fontes de energia usada nas práticas mágicas e nos cultos religiosos.
  5. Reconhecemos a existência tanto dos mundos exteriores quanto dos interiores, ou psicológicos – às vezes conhecidos como Mundo Espiritual, Inconsciente Coletivo, Planos Interiores, etc – e vemos na interação dessas duas dimensões a base dos fenômenos paranormais e das práticas de magia. Não negligenciamos nenhuma das dimensões, pois ambas são necessárias para a nossa realização.
  6. Rejeitamos toda hierarquia autoritária, mas honramos aqueles que nos ensinam, respeitamos aqueles que compartilham seu conhecimento e sua sabedoria, e admiramos aqueles que corajosamente deram de si para exercer funções de liderança.
  7. Vemos a religião, a magia e a sabedoria de vida como uma unidade na forma pela qual uma pessoa vê o mundo e vive nele, uma visão do mundo e uma filosofia de vida que identificamos como Bruxaria – O Caminho Wiccano.
  8. Dizer-se Bruxo não faz de ninguém um Bruxo – tampouco a hereditariedade ou uma coleção de títulos, graus ou iniciações. O Bruxo busca controlar as forças de si mesmo que tornam a vida possível, de modo a viver com sabedoria e bem, sem prejudicar outras pessoas e em harmonia com a natureza.
  9. Acreditamos na afirmação e na plenitude da vida, numa contínua evolução e num contínuo desenvolvimento da consciência, dando sentido ao Universo que conhecemos e ao nosso papel dentro dele.
  10. Nossa animosidade com relação ao Cristianismo ou qualquer outra religião ou filosofia de vida só existe na medida em que essas instituições se proclamam “o único caminho”, negando a liberdade a outras entidades e reprimindo outras formas de crença e prática religiosa.
  11. Como Bruxos Americanos, nós não nos sentimos ameaçados por debates sobre a história da Arte, sobre as origens de vários termos, sobre a legitimidade de vários aspectos de diferentes tradições. Nós nos preocupamos com o nosso presente e com o nosso futuro.
  12. Não aceitamos o conceito de mal absoluto, nem adoramos a entidade conhecida como “Satanás” ou “Demônio”, como definido pela tradição cristã. Não buscamos o poder por meio do sofrimento de outros nem aceitamos o conceito segundo o qual benefícios pessoais só podem ser obtidos pela negação do outro.
  13. Acreditamos que devemos buscar na natureza o que pode contribuir para a nossa saúde o nosso bem-estar.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, pp. 47-49.