Despertar da Kundalini

Instrutores ignorantes frequentemente associam kundalini com a força sexual e a envolvem em mistério, a fim de assustar neófitos quanto ao perigo de despertar essa sagrada força serpentina. Confundir o despertar de kundalini com o estímulo da consciência sexual é uma concepção interiramente corrompida e extremamente ridícula. Ao contrário, no despertar de kundalini a força vital do iogue se retira dos nervos sensoriais, particularmente aqueles relacionados ao sexo, conferindo-lhe absoluto controle sobre as tentações sensoriais e sexuais.

(…)

Os sentidos da visão, audição, paladar, tato e olfato são como Cinco holofotes que revelam a matéria. À medida que a energia vital flui ao exterior através desses raios sensoriais, o homem é atraído por belas faces, sons cativantes ou sedutores perfumes, sabores e sensações táteis. Esse é um processo natural; mas aquilo que é natural para a consciência limitada ao corpo não é natural para a alma. Entretanto, quando essa energia vital divina é retirada dos sentidos autocráticos através da via espinal, chegando ao centro espiritual de percepção infinita no cérebro, então o holofote de energia astral lança-se à imensidão da eternidade para revelar o Espírito universal. O devoto sente-se atraído ao Sublime Sobrenatural – a Beleza de todas as belezas, a Música de todas as músicas, a Alegria de todas as alegrias. Ele pode tocar o Espírito em todo o universo e ouvir a voz de Deus reverberando em todas as esferas. A forma se dissolve no Sem-Forma. A consciência do corpo, confinada a uma pequena forma temporária, expande-se ilimitadamente no Espírito eternamente existente e sem forma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 293-294.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Espiral

“Conforme explicado anteriormente, os corpos físico, astral e causal do homem estão interligados e atuam como um só, por meio de nós de força vital e consciência nos sete centros cerebrospinais.

A energia em geral se move pelo espaço em forma espiral – um padrão presente em toda parte na arquitetura macrocósmica e microcósmica do universo. Iniciando com as nebulosas galácticas – o berço cósmico de toda a matéria – a energia flui em modelos espiralados, ou circulares, ou como vórtices.

(…)

Quando a alma, em seus sutis revestimentos dos corpos causal e astral, inicia a encarnação física no momento da concepção, o corpo inteiro se desenvolve a partir de uma célula primordial formada com a união de espermatozoide e óvulo, principiando com os primeiros rudimentos do bulbo raquiano, do cérebro e da medula espinal.

De sua sede original no bulbo raquiano, a energia vital inteligente do corpo astral flui em sentido descendente ativando os especializados nos chakras astrais cerebrospinais que criam e vivificam a coluna vertebral física, o sistema nervoso e todos os demais órgãos corporais. Ao concluir-se o trabalho da força vital primordial na criação do corpo, ela vem a descansar em uma passagem espiralada no centro mais inferior ou coccígeo. A configuração espiralada desse centro astral dá à energia vital ali localizada a denominação de kundalini, ou força serpentina (do sânscrito, kundala, “espiralada”). Uma vez finalizado seu trabalho criador, a concentração da força vital nesse centro é dita kundalini “adormecida”, pois quando flui ao exterior, para o corpo, avivando continuamente a região física dos sentidos visão, audição, olfato, paladar, tato, bem como a força criadora física, presa à Terra, do sexo-, ela faz com que a consciência se torne fortemente identificada com os sonhos ilusórios dos sentidos e seu domínio de atividades e desejos.

Moisés, Jesus e os iogues hindus conheciam o segredo da vida espiritual científica. Eles demonstraram unanimemente que todo aquele que tenha ainda tendências materiais precisa adquirir maestria sobre a arte de elevar a força serpentina a partir da consciência corporal sensória, dessa forma começando a retraçar os passos interiores em direção ao Espírito.”

Nota:  Em 1953, cientistas descobriram que o DNA, a molécula básica da vida, também é construída em forma helicoidal. Leonardo Fibonacci (1170-1250), matemático italiano de profunda visão, percebeu que incontáveis padrões na natureza correspondem a uma forma espiral, matematicamente expressa como um logaritmo derivado dos assim chamados números de Fibonacci (1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, etc.), onde cada número é a soma dos dois precedentes na série. Esta espiral exata surge em ma nifestações aparentemente tão dispares quanto o padrão das pétalas num girassol e das folhas nos abacaxis, nas alcachofras e em muitas árvores; o volume progressivo das câmaras na concha de um molusco marinho; o arco, em anos-luz, das galáxias espirais.

A proporção áurea é considerada como a base da harmonia e beleza de forma na arte, na arquitetura e no desenho clássicos – conforme reconhecido por (entre muitos outros) Pitágoras, Platão, Leonardo da Vinci e os construtores das grandes pirâmides em Gizé. (Nota da Editora)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 288-290.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Almas no Seio de Deus

“Como almas, todos estávamos originalmente no seio de Deus. O Espírito projeta o desejo de criar uma expressão individualizada de Si Próprio. A alma se torna manifesta e projeta a ideia do corpo em uma forma causal. A ideia se torna energia, o corpo astral vitatrônico. O corpo astral se torna condensado no corpo físico. Através do corredor espinal integrado desses três instrumentos, a alma desce para a identificação com o corpo e a matéria densa.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 283-284.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Substância Infinita

É a ilusão cósmica que transmite a ideia de substâncias e objetos fixos e diferenciados, com propriedades definidas e imutáveis. A força criadora universal, ou maya, evoca aparentes limitações no Ilimitado; ela faz com que a Substância Infinita, desprovida de vibrações, se apresente como coisa finita por meio da vibração, movimento e pro cesso de mudança. Em última análise, nada neste universo é finito, exceto os vários estágios de mudança por que passa a materialidade.

As ondas no oceano são finitas porque surgem temporariamente e então se dissipam – de novo temporariamente, até que surjam outra vez. Quando o oceano forma ondas, e as ondas desaparecem no seio do oceano, alguém consideraria que a água das ondas se perdeu? Não. Ela retornou à sua origem. O que desapareceu foi somente aquela específica forma ondulada que a água havia assumido.

(…)

O mesmo acontece com toda a matéria: vórtices de partículas e energias em metamorfose se unem e separam numa incessante dança vibratória de transformações, produzindo por algum tempo substân cias e objetos que têm a aparência de ser finitos, de estar separados de outros objetos, de ter princípio e fim. Entretanto, toda a matéria em sua essência subjacente é ilimitada e imutável: suas fases mutáveis são transitórias, mas o Poder que vibra em tais mudanças é permanente.

O pensamento é consciência humana em vibração. A consciência humana é uma porção delimitada da Consciência Divina em estado de vibração. No processo do pensamento, a consciência humana vibra.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 245-246.

Capítulo 11: Água em vinho: “Jesus principiou assim os seus sinais (…)”

Matéria, Energia, Pensamento

O Espírito é o poder que confere vida e inteligência à matéria. Não existe diferença fundamental entre a matéria e o Espírito. Tanto o pensamento quanto a matéria têm origem no poder vibratório criador de Deus. Pensamento, energia e matéria diferem apenas em termos da relatividade da vibração – o pensamento sendo vibração mais sutil, que se condensa na luz da energia vital (prana) e, por fim, nas vibrações mais densas da matéria. Quando energizados, os pensamentos se tornam imagens visíveis, assim como nos sonhos; a matéria é o pensamento cristalizado de Deus, os sonhos cristalizados de Deus.

(…)

Os pensamentos são vibrações subjetivas da consciência.

(…)

A matéria é uma vibração que transmite a ideia de ausência de inter-relação. A matéria pode ser dividida ou classificada de diferentes modos, sem inter-relação; isto é, cada objeto tem sua própria fixidez peculiar. Você pode dividir um pedaço de bolo e colocar as duas partes em salas diferentes, sem que elas se inter-relacionem, mas nossos pen samentos de hoje e de amanhã estão inter-relacionados e conscientes um do outro.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 243-244.

Capítulo 11: Água em vinho: “Jesus principiou assim os seus sinais (…)”

Comunicação por Vibrações

“Depois de estar com Jesus por um dia juntamente com seu companheiro, André estava tão impregnado do magnetismo espiritual que emanava de Jesus que compreendeu quem Jesus era, reconhecendo-o como o Cristo. A Consciência Crística não pode ser inferida intelectualmente, mas tem de vir por meio da percepção intuitiva. Gurus enviados por Deus não têm de converter seu círculo interno de discípulos com sermões em praça pública; eles se comunicam sobretudo pela silenciosa emanação das vibrações de sua realização divina.

(…)

A totalidade de uma pessoa se expressa em seu magnetismo. Seu próprio ser, na verdade, tem origem no magnetismo – nos poderes ideativos criadores do corpo causal do homem, as ideias de Deus que compõem os corpos astral e físico e que conferem sustento à encarnação daquela alma. A Consciência Cósmica e a Energia Cósmica, penetrando pelo bulbo raquiano, dirigem-se aos centros sutis cerebrospinais de vida e consciência, e daí ao corpo físico, como correntes positivas e negativas, formando uma série de magnetos. Cada individuo se constitui de um feixe de tais magnetos, capaz de exercer atração conforme sua força magnética.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 206.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

O Sentido do Paladar

“A mente estabelece um padrão para todas as atividades do corpo. Desse modo, as afirmações são úteis: “Eu vivo pelo poder de Deus, e não apenas por meios materiais”.

(…)

A maioria das carnes (especialmente a bovina e a suína) e outros alimentos de vibração grosseira exigem demais da força vital, dificultando o processo de desvinculá-la dos sentidos e dos órgãos vitais sobrecarregados e de reverter a corrente de vida e a consciência na direção de Deus quando nos sentamos para a comunhão devocional.

Devemos eleger uma dieta saudável e equilibrada, com alimentos naturais ricos em força vital que sejam facilmente processados pelo corpo – frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, produtos lácteos -, evitando alimentos em que a força vital tenha sido sido desnaturada ou destruída em razão de um processamento inadequado ou que de algum outro modo sejam impróprios para o sistema humano.* Em acréscimo, temos que evitar o fanatismo. Um fanático por alimentação, constantemente obcecado pela observância minuciosa de leis dietéticas e de saúde em geral, descobrirá que seu apego ao corpo torna-se um verdadeiro empecilho à realização espiritual.

(…)

O sentido do paladar não deve ser corrompido com a gula, nem com a indigestão resultante de uma alimentação errônea e do excesso ao comer; seu propósito é o de selecionar e desfrutar o alimento correto de modo a manter o corpo saudável e vibrante para que seja, então, utilizado pela alma. Alimentar-se apenas para satisfazer o paladar leva à gula, à escravidão, à indigestão, à doença e à morte prematura. Alimentar-se para o sustento do templo corporal produz autocontrole, longevidade, saúde e felicidade.

(…)

Nota: Meu guru, Swami Sri Yukteswar, apresentou concisamente os princípios da dieta natural apropriada para o homem como sendo vegetariana, fundamentando-se em uma análise da “formação dos órgãos que auxiliam na digestão e na nutrição – os dentes e o tubo digestivo” e na “observação da inclinação natural dos órgãos dos sentidos – os indicadores do que é nutritivo – por meio dos quais todos os animais são dirigidos a seu alimento” (A Ciência Sagrada, Capítulo 3; publicado pela Self-Reali zation Fellowship).

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 192-193.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Experiência do Poder Divino

“Exemplos extremos são citados não como um objetivo a ser almejado pelo homem comum ou mesmo pelo buscador de Deus, mas para demonstrar que, se tal controle notável do ser físico é possível, é também possível para uma pessoa com uma vida comum espiritualizar a tal ponto seu corpo que tenha a experiência do Poder Divino como a verdadeira fonte de sua vida e possa utilizar conscientemente esse Poder para ajudar a libertar-se do sofrimento físico e de outras aflitivas limitações mortais.

Por meio da meditação de Kriya Yoga, a consciência gradualmente passa da identificação com o corpo físico inapto e muitas vezes traiçoeiro, com seu apego ao alento e ao alimento, à percepção do corpo astral interior de vibrante energia vital em constante autorrenovação; e então, à nossa derradeira natureza como alma, imagem de Deus – a Bem-aventurança sempre-existente, sempre-consciente e sempre-nova.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 190.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Energia na Consciência Cósmica de Deus

“A ciência postula que cada grama de carne no corpo humano possui suficiente energia em seus componentes eletroprotônicos para manter o suprimento de energia da cidade de Chicago durante dois dias.

(…)

Toda a consciência, a energia e as formas existem na imanente e transcendente Consciência Cósmica de Deus e se desenvolvem a partir dela.”

(…)

Nota: A consciência como um fator no sustento do homem é demonstrável no fenômeno do sono. O mecanismo humano precisa periodicamente ser recarregado, retirando-se para a subconsciência no estado de sono, no qual a consciência e as células corporais são revitalizadas por meio do contato com a superconsciência da alma. Os efeitos rejuvenescedores do sono devem-se à perda temporária, no ser humano, da consciência do corpo e da respiração. Dormindo, a pessoa torna-se um iogue: todas as noites executa inconscientemente o rito iogue de libertar-se da identificação com o corpo e de fundir sua força vital nas correntes curativas na área central do cérebro e nos seis subdínamos dos centros espinais. Sem ter conhecimento, o homem, ao dormir, é recarregado pela Energia Cósmica que sustenta toda a vida.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 187-188.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Os Santos Que Vivem Sem Alimentos

“Num livro intitulado Amanzil, sobre Teresa Neumann, a camponesa de Konnersreuth na Baviera, escrito com base em palestra do Reverendo Joseph Schrembs, D.T., Bispo de Cleveland, proferida em 12 de fevereiro de 1928, encontram-se fatos notáveis sobre a vida dela, concernentes à sua subsistência pela energia divina.

1. “Ela possui os estigmas do Salvador crucificado. As chagas permanecem inalteradas. Elas não se inflamam nem cicatrizam.”

2. “Ela revive a Paixão de Nosso Senhor todas as sextas-feiras.”

3. “Ela repete em aramaico as palavras pronunciadas por Cristo.”

4. “Ela adivinha os segredos mais íntimos do coração.”

5. “Ela não toma nenhum alimento ou bebida. Não ingere alimentos sólidos desde 1923; apenas água ou um pouco de suco de fruta.”

“Mas no dia de Natal de 1926, ela parou inteiramente de tomar qualquer alimento, seja sólido ou líquido, de modo que agora, por quase dois anos, essa jovem não comeu ou bebeu coisa alguma, somente recebendo a Sagrada Comunhão todas as manhãs. (…) O veredicto de todos os médicos da Universidade de Berlim, de Praga, de Frankfurt, de Munique – doutores sem nenhum credo religioso – é este: ‘Falsidade ou fraude estão absolutamente fora de questão no caso de Teresa Neumann’. Ela não está desnutrida apesar da falta de alimentação desde o Natal de 1926 e tem uma aparência tão saudável quanto qualquer um à sua volta. Nas sextas-feiras ela perde cerca de quatro quilos e meio. Seis horas após o término das visões da Paixão, ela já readquiriu seu peso normal de 55 quilos.”

Quando encontrei Teresa Neumann na Baviera, em 1935, ela já vivia sem alimento por 12 anos, mas parecia tão jovial quanto uma flor.”

(…)

Nota: Em Autobiografia de um logue, Capítulo 39, “Teresa Neumann, a Estigmatizada Católica”, Paramahansa Yogananda relata detalhadamente seu encontro com esta mística dos tempos modernos e sua experiência pessoal durante a visão extática que Teresa teve da Paixão de Cristo. Teresa Neumann faleceu em 1962. (Nota da Editora)

(…)

“A santa bengali Giri Bala já vivia sem comer por mais de 56 anos quando a visitei em 1936. Segundo me contou, desde que seu guru a iniciou numa técnica que liberta o corpo da dependência do alimento material, ela consegue viver inteiramente da Energia Cósmica. Durante todos esses anos sem comer, ela jamais adoeceu ou experimentou desconforto. Sua nutrição deriva das energias mais sutis do ar e da luz do sol, bem como do poder cósmico que recarrega o corpo através do bulbo raquiano.

Perguntei-lhe o propósito de ter sido ensinada a viver sem alimento. “Provar que o homem é Espírito”, ela respondeu. “Demonstrar que, pelo progresso divino, o homem pode gradualmente aprender a viver da Luz Eterna, e não da comida.

(…)

“Em eras evolutivas superiores, a regra será que o alimento consista principalmente de oxigênio, luz solar e energia etérea. Extrair nutrientes de material alimentar grosseiro é um meio um tanto indireto de obter a energia ali contida a fim de reparar o desgaste dos tecidos corporais. Retirar energia do oxigênio e da luz solar é muito mais efetivo.”

Nota: Entre outros santos cristãos que viveram sem comer (apresentavam também os estigmas), pode-se mencionar Santa Liduína de Schiedam, Beata Isabel Renzi, Santa Catarina de Siena, Domênica Lazarri, Beata Angela de Foligno e Luísa Lateau, santa do século 19. São Nicolau de Flüe (Irmão Klaus, eremita do século 15 cuja súplica apaixonada em favor da união salvou a Confederação Suíça) absteve-se de alimento durante 20 anos.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 185-186.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.