Humildade Não Significa Pretensa Mansidão

“A onda não pode dizer: “Eu sou o oceano”, porque o oceano pode existir sem a onda, mas a onda não pode existir sem o oceano.

(…)

Humildade não significa pretensa mansidão; aparentar humildade não nos torna humildes. Aquele que se ocupa de aperfeiçoar-se interiormente aos olhos de Deus fica tão absorto nesse objetivo, para satisfação de sua própria alma, que não lhe resta oportunidade para qualquer desejo de impressionar os outros com suas realizações.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 384-385.

Capítulo 47: O humilde servidor de todos é “o maior no Reino dos Céus”.

A Falta Será Ganho

“Após o nascimento do corpo, chega a velhice e você existe em corrupção. Mas o que faltar a você será um ganho. Você não vai desistir da melhor parte quando sair. A parte inferior sofre, mas encontra graça. Nada nos redime deste mundo, mas somos membros do reino de todos e somos salvos. Recebemos a salvação do começo ao fim.”

Nascimento, Peterson do. O Tratado Sobre a Ressureição (Coleção Apócrifos do
Cristianismo Livro XVII) – Versão Kindle, Posição 155.

O Modo de Conhecimento Depende da Mente

O modo como conhecemos as coisas depende da mente, nada além disso. Muitos de nós temos momentos de profundo contentamento quando não sentimos a necessidade de alterar, expressar, fugir ou agregar, de qualquer modo, algum significa do especial à nossa experiência. O contentamento profundo mostra-nos que, ao menos momentaneamente, nosso hábito de valorizar e proteger a nós mesmos daquilo que chamamos de “outro” desapareceu. Em momentos como esse, paramos de objetificar as coisas. Podemos deixar as coisas serem. E, quando a mente descansa tranquila desse modo, ela acomoda tudo, como o espaço.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 73

O Caminho do Meio Como Investigação

A experiência do Caminho do Meio leva nos por completo para além do pensamento limitado aos extremos para além dos nossos pressupostos sobre o mundo. Não propõe que rejeitemos o sofrimento e busquemos o nirvana em outro lugar. Não nos aconselha a abandonar nossas vidas funcionais para começar, em vez disso, uma “vida espiritual”. Não afirma a existência das coisas, tampouco nega a que temos delas. Em vez disso, a experiência do Caminho do Meio nos conduz por um processo de investigação que questiona a natureza da existência, não existência, eu, outro, felicidade, sofrimento, espiritualidade e o mundo da experiência. Se nós seguirmos esse processo de investigação, ele nos levará a um lugar de certeza além das conclusões. Foi exatamente o que aconteceu com o Buda.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 46.

O Estado de Não Saber

O estado de não saber é um lugar fascinante de se estar. E não precisamos escalar montanhas de pedra para experimentá-lo. Deparamo-nos com o não saber, por exemplo, quando somos apresentados a alguém ou quando a vida nos prepara uma surpresa. Essas experiências nos lembram que mudança e imprevisibilidade são a pulsação inerente à nossa existência. Ninguém realmente sabe o que acontecerá de um momento para o outro: quem seremos, o que iremos encontrar e como reagiremos aquilo que encontrarmos? Não sabemos, mas há boa chance de que nos deparemos com algumas experiências duras e indesejáveis, com algumas surpresas que superam nossas expectativas e algumas coisas já esperadas também. E podemos tomar a decisão de estarmos presentes para todas elas.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 28-29.

Visão de Vida Elevada

“Ora, nessa ordem de raciocínio que, como visto, se exerce sobre bases cientificas, resultaria que esses éteres espacial e hiperespacial coexistiriam em qualquer ponto do universo em que nos contemos.

Ainda mais! Se o ser consciente e operante, o próprio homem ou qualquer humanoide ou não, que seja realizado ou super-realizado de uma evolução maior, dominar esse ambiente hiperespacial, quem ou qual de nós poderia marcar limites para o que possa ocorrer no sentido da manifestação da vida ou das alturas do psiquismo, do espírito e do poder, agora em tão elevado nível dessa possível existência do ser?!…”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 77.

Deuses

“(…) Os Deuses, tão elevados na escada da existência estão eles, pois que a sua existência, inteligência e poder são semelhantes aos atribuídos pelas raças de homens às suas concepções da Divindade. Estes Entes estão ainda além dos mais elevados voos da imaginação humana, e o epiteto Divino é o único que lhes é aplicável. Muitos destes Entes como também as Hostes Angélicas toma muito interesse nos negócios do Universo e têm uma parte importante neles. Estas Invisíveis Divindades e Anjos Protetores estendem a sua influência livre e poderosamente no processo da Evolução e do Progresso Cósmico. A sua ocasional intervenção e assistência nos negócios humanos criou as muitas conhecimentos lendas, crenças, religiões e tradições da raça passada e presente Eles muitas vezes impuseram ao mundo os seus conhecimentos e poderes conforme a Lei do TODO.”

Três Iniciados. O Caibalion: Estudo da Filosofia Hermética do Antigo Egito e da Grécia. Editora Pensamento: São Paulo, 2018, pág. 76.

Harmonia nos Planos de Existência

“O Segundo Grande Principio hermético explica a verdade que há uma harmonia, uma correlação e correspondência entre os diferentes planos de Manifestação, Vida e Existência. Esta afirmação é uma verdade porque tudo o que está incluído no Universo emana da mesma fonte, e as mesmas leis, princípios e característicos se aplicam a cada unidade, ou combinação de unidades de atividade, assim como cada uma manifesta seus fenômenos no seu próprio plano.

Três Iniciados. O Caibalion: Estudo da Filosofia Hermética do Antigo Egito e da Grécia. Editora Pensamento: São Paulo, 2018, pág. 67.

O Todo, O Princípio e a Existência

“O lado oposto deste aspecto é o aspecto de EXISTÊNCIA, no qual todas as Leis perdem-se na LEI, todos os Princípios imergem no PRINCÍPIO; e o TODO, O PRINCÍPIO, a EXISTÊNCIA, SÃO IDENTICOS ENTRE SI (uns aos outros). Por isso, as especulações metafísicas sobre este ponto são fúteis. Entramos aqui no assunto, simplesmente para mostrar que conhecemos a pergunta e também o absurdo das respostas ordinárias das metafísicas e teologias.”

Três Iniciados. O Caibalion: Estudo da Filosofia Hermética do Antigo Egito e da Grécia. Editora Pensamento: São Paulo, 2018, pág. 65.