Valorizar as Próprias Energias

“É importante considerar, porém, que o grande Benfeitor a todos convida para a valorização das próprias energias.

Não salienta a confiança por simples ingrediente de natureza mística, mas sim por recurso de ajustamento dos princípios mentais, na direção da cura.”

Xavier, Francisco Cândido/ André Luiz. Mecanismos da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, Capítulo 26.

Inteligência da Consciência Crística

Nestes versículos, “mão” simboliza poder de operação e autoridade; “mão direita” simboliza o principal poder de operação, a Inteligência refletida de Deus que atua na criação. Portanto, “a mão direita do poder de Deus” refere-se à Consciência Crística que emana de Deus e é a principal inteligência operativa que energiza e ativa toda a criação por meio da Vibração Cósmica criadora.

A resposta de Jesus não significava que no futuro os habitantes do mundo tanto os ignorantes como os sábios – o contemplariam “vindo sobre as nuvens do céu“. Deus, que move os universos no espaço, não necessita impressionar a população da Terra subjugando-a com semelhante demonstração.

(…)

Ao responder desse modo ao sumo sacerdote, Jesus na realidade enviava uma mensagem aos buscadores espirituais de todos os tempos. Qualquer devoto sincero que abra o olho espiritual poderá não apenas ter uma visão de Jesus, mas também conhecer a Consciência Crística nele presente como o poder da “mão direita” de Deus. Assim como o proprietário de uma fábrica conta com uma pessoa que é sua “mão direita”, também o Proprietário do universo a Consciência Cósmica transcendente – tem como Sua “mão direita” a Consciência Crística onipresente na criação. Essa Inteligência Crística é o canal imanente do Deus-Pai da criação, o único meio através do qual o poder da Consciência Cósmica Se materializou na criação, ou seja, Deus refletido como Consciência Crística, como a Essência de tudo o que existe.

(…) assim como as nuvens da atmosfera terrestre que se vê com os olhos abertos escondem as regiões que se encontram além delas, também a escuridão dos olhos fechados e as obscuras profundezas do céu que se vê com os olhos abertos atuam como muros que escondem a luminosa região do céu astral, oculta por trás da muralha vibratória do éter – transparente ainda que opaca. As visões autênticas podem ser contempladas com os olhos abertos ou fechados. Todo devoto espiritual altamente adiantado que possa ver através de seu olho espiritual telescópico comprova que as nuvens da escuridão dos olhos fechados e o firmamento etéreo que obstrui a percepção dos olhos abertos se desvanecem no nada de sua natureza ilusória. Quando o devoto, com o auxílio do olho espiritual, dissipa assim a escuridão interior dos olhos fechados e a opacidade exterior do firmamento, o cosmo astral celestial aparece, revelando os anjos de Deus e muitas maravilhas luminosas.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 378-379.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Materialização

“O que ressuma do registro deste acontecimento é que o eu espiritual que apareceu no meio deles cresceu em substância ou em qualidade visível diante de seus olhos como se uma nuvem mística se tornasse gradualmente mais densa e mais definida e tomasse afinal a forma objetiva de um corpo físico.”

LEWIS, H. Spencer. As Doutrinas Secretas de Jesus. Rio de Janeiro: Biblioteca Rosacruz, V. II, Ed. Renes, 1983, p. 180.

Círculo Universal

“Foi após muitas vi sitas a Jerusalém e a regiões do sul que Ele, finalmente, completou o número místico de cento e vinte, ou doze grupos de dez cada um, para formar o círculo universal de discipulado; e agora depois de muitos anos-Ele iria dar aos líderes desses seguidores fiéis e amigos leais as últimas palavras de instrução, testemunhar sua ordenação e batismo espiritual, com o comando final para partirem!”

LEWIS, H. Spencer. As Doutrinas Secretas de Jesus. Rio de Janeiro: Biblioteca Rosacruz, V. II, Ed. Renes, 1983, p. 103.

Monograma de Cristo

“No misticismo cristão, o símbolo acima é chamado de “Monograma de Cristo” também frequentemente usado como símbolo do cristianismo. O autor deste volume encontrou este monograma na cobertura de vários túmulos da Catacumbas de Roma e em algumas esculturas antigas do Egito. Os primeiros missionários cristãos se enganaram ao encontrarem o símbolo em terras estrangeiras, acreditando que o mesmo indicava a a presença de missionários cristãos anteriores a eles. O símbolo fora usado muito antes que o cristianismo o adotasse. Tratava-se do monograma original de Osíris. A flamula sagrada de Constantino, chamada “Labarum”, continha o signo pelo qual deveria ele empreender conquistas, o sagrado monograma de que falamos. Este símbolo também foi o signo místico de Júpiter Amon. O monograma se originou misticamente dos ensinamentos de mistério da Fraternidade do Egito;  foi encontrada uma gravação do mesmo em uma medalha de Ptolomeu, Rei de Cirene; um monograma idêntico também foi encontrado nas moedas de Herodes o Grande, cunhadas antes da Era Cristã. A Enciclopédia Católica Romana afirma que o X e o P eram as duas primeiras letras da palavra grega “Cristo”. (A letra grega R parece um P;  X é representada por CH em inglês). A mesma autoridade admite que o símbolo foi utilizado em períodos pré-cristãos como emblema místico. O monograma composto por X.P.N. é outro símbolo do título “Nosso Senhor Jesus Cristo”.

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 190.

A Compreensão do Nascimento da Virgem

“Por conseguinte, o Rosacruz de compreensão evoluída, ou o místico de alta espiritualidade, aceita pronta e compreensivamente o nascimento de Jesus de uma virgem e nisto não vê qualquer violação da lei espiritual ou natural, nem qualquer exceção aos princípios verdadeiramente científicos.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 84.

O Nascimento da Virgem

“(…) se eu não conseguir fazer o leitor compreender, ou quem sabe apreender o verdadeiro mistério da concepção de Jesus, será por falta de palavras adequadas que expressem em termos gerais algo que todo místico compreende interiormente, e também por causa da impossibilidade de alguns leitores lerem nas entrelinhas e tomarem ciência daquilo que não posso reduzir a precárias palavras impressas.

Primeiramente, deverá ser compreendido por aqueles que se acercarem deste grande mistério com a mente aberta e destituída de preconceitos que Jesus não foi o primeiro grande Mestre, Avatar ou Filho de Deus a “nascer de uma virgem”. A versão cristã autorizada da concepção e do nascimento de Jesus apresenta a história como se fosse única e exclusivamente uma manifestação cristã. Se em nenhuma outra época da História dos mensageiros de Deus na Terra, ou da realização dos planos de Deus para a redenção do homem em todas as eras e ciclos, tivesse ocorrido um acontecimento semelhante ou uma manifestação semelhante dos grandes poderes místicos do universo, operando na forma de manifestação não usual do Deus onipotente, então o mistério da concepção e do nascimento deste grande homem seria bem mais difícil de explicar e muito mais difícil de compreender.

Para os místicos do Oriente em todas as terras e em todas as épocas, o grande mistério da Virgem e do nascimento espiritual de um Filho de Deus não só é uma possibilidade mas um fato natural na vida de todo grande Avatar.

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 70.

Atraídos misticamente para Jesus

“Em meus contatos com buscadores das verdades espirituais durante vinte e cinco anos, descobri que o estudante de misticismo, metafísica, psicologia e ocultismo acaba sendo inevitavelmente atraído para um estudo mais minucioso e analítico da vida e dos ensinamentos de Jesus, o Cristo. Toda a sua missão, suas doutrinas, parábolas, milagres e exortações esclarecedoras vão gradualmente fascinando e se harmonizando com o lado espiritual de todo estudante místico, provocando-lhe uma inquietação que só encontra alívio quando ele se aprofunda nos mistérios de Sua vida.”

Lewis, H. Spencer. A vida mística de Jesus. Ordem Rosacruz, AMORC, Curitiba, 1929, Página 13.

Nós Estamos te Esperando!

Diário Espiritual de 13 de agosto de 2019

“Nós estamos te esperando!

Embora a passagem ilusória do tempo não nos afete como à você, somos potência latente, aguardando a oportunidade de manifestação, segundo a grande porta para a vida imortal, que é o livre arbítrio de cada um.

Nós estamos esperando por você! Todas as potências celestes esperam sua decisão. A medida da vontade consciente, da coerência e da consistência determinam a qualidade da jornada de cada ser em sua íntima conexão com o TODO. O mergulho em si mesmo deve revelar, dia a dia, este místico e misterioso caminho.

O prejuízo de entupir-se com substâncias assim é que a sua sensibilidade fica afetada com a cortina turva das porcarias que colocou em sua corrente sanguínea, entorpecendo nossa interface de comunicação e expressão. O prejuízo é mais seu do que nosso, pois tal qual bêbado no escuro, você parcamente precisa tatear a intuição para nos encontrar, quando, em verdade, estamos todos constrangedoramente, esperando por ti, diante de ti, em ti.”

Olívia