Estar no Presente

“Nunca pense no amanhã. Cuide do dia de hoje e todos os amanhãs cuidarão de si mesmos. Não espere até amanhã para meditar. Não espere até amanhã para ser bom. Seja bom agora. Seja calmo agora. Isso dará outro rumo à sua vida.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 800.

Tente Outra Vez!

“Você é hoje aquilo que fez no passado.”

(…)

“(…) recuse-se a alimentar a consciência de derrota. Sempre tente mais uma vez, não importa quantas vezes já tenha fracassado.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 75-83.

De Volta para o Futuro

“A pergunta sobre o passado ajuda a entender o que está acontecendo no presente, mas a conversa de coaching é voltada para o futuro. O passado revela utilidade para o futuro quando invoca o aprendizado. Não há como modificar o passado, mas aprender com ele para agir no presente e criar um futuro, sim!”

(…)

“(…) a conversa de coaching é mais orientada pelo feedfoward: o que pode ser diferente?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 326 -333.

Relatório aos Alto Sacerdotes e Supremos Oficiais da Fraternidade

Os Magos, após terem feito a visita oficial à criança, terem entregue seus presentes e transmitido suas saudações, viajaram para o Monte Carmelo e ali relataram o nascimento, deixando instruções com os encarregados do mosteiro e da escola quanto à educação e aos cuidados a serem dispensados à criança durante sua infância. Então esses Magos foram para o Egito e ali fizeram seu relatório nos Altos Sacerdotes e aos Supremos oficias da Fraternidade.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 113.

Presentes ao Filho de Deus

Eles não trouxeram somente as coisas descritas na narrativa cristã, mas, também a saudação dos mais altos oficiais da Grande Fraternidade Branca, joias de natureza simbólica para a mãe e o pai, e um rosário contendo um raro emblema para a criança usar no pescoço, a fim de que sempre pudesse ser identificada como o esperado Filho de Deus.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 112.

O Espaço Não Faz – Ele Permite

O espaço, por natureza, permite que os objetos venham a ser, a funcionar, a expandir, a contrair, a se mover e a desaparecer sem interferência. O espaço não faz – ele permite! Ele nunca cria objetos e nunca os destrói, que é outra forma de dizer o espaço não elabora sobre ou rejeita aquilo que se move através dele. O espaço não depende de nada, ainda que tudo dependa da complacente natureza do espaço. Por esta razão, o mais prolífico escritor e mestre de meditação da linhagem Nyingma, Kunchyen Longchenpa’, falou sobre o espaço como uma metáfora universal para a mente que encontra o estado do Caminho do Meio.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 74.

Experimentar a Interdependência

Quando experimentamos a interdependência e a natureza sem fronteira das coisas, não sentimos o peso do mundo sobre nós – o mundo em oposição a mim. Em vez disso, sentimos a abundância do mundo, e nós somos parte dessa abundância. Quando paramos de objetificar as coisas, a verdade é que não temos nada mais a que reagir.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p.72.

A Prática Aquieta a Mente

Mas logo a prática aquieta nossa mente, e começamos a diferença entre estar presente e se deixar levar pela fantasia. A prática da meditação nos oferece um contexto para nos questionarmos se sequer temos escolha entre relaxar com a farta energia da nossa experiência ou nos distrairmos em ocupações.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 64.

O Exagero Desengaja

Exageros nos desengajam do presente em uma medida ou outra, o que significa que perdemos nossa conexão com o mundo ao nosso redor. No caso da economia, quando a bolha da prosperidade estoura, ela nos força a voltar para as coisas básicas da vida: comida e aluguel. Começamos a nos fazer perguntas básicas: “Como eu poderia simplificar minha vida? Como posso me adaptar às mudanças que vejo ao meu redor? Talvez devesse começar uma horta, talvez adquirir algumas galinhas para poder ter ovos”.

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 63.