Desalojar Demônios Imputros

“Um corpo humano comumente não pode alojar um outro ser junto com o seu (exceto no caso de uma gestante); mas pessoas espiritualmente habilitadas são capazes de discernir casos autênticos de possessão espiritual, porque dentro do indivíduo possuído podem contemplar, por meio de seus poderes psíquicos, o corpo astral do visitante invisível lado a lado com o corpo astral do hospedeiro. O único modo pelo qual um leigo pode identificar um caso de possessão por espíritos é pela análise dos diferentes estados de paroxismo e de comportamento violento a que está sujeito o possesso. Quem está possuído por maus espíritos demonstra usualmente uma força física incomum, olhos avermelhados, uma expressão inexplicavelmente estranha e ausência de conduta normal.

(…)

Se a possessão por demônios impuros ou espíritos desencarnados prossegue por muito tempo, grande dano ocorre no cérebro, na mente e nos órgãos sensoriais do indivíduo possuído, trazendo a ameaça de uma insanidade permanente.

(…)

É necessário ter uma forte concentração e divino poder de vontade para desalojar um mau espírito. Quem tem força espiritual dinâ mica pode expulsar a entidade olhando-a de maneira constante nos olhos do indivíduo acometido, utilizando um firme e silencioso poder de vontade de forma contínua, enquanto ordena internamente ao mau espírito que se vá.

Ao sussurrar “Om” repetidas vezes no ouvido direito de um indivíduo possesso, o espírito maligno terá que partir. As almas perdidas, vindas das obscuras regiões astrais inferiores, não podem suportar a vibração elevada da consciência e pensamentos espirituais. A pronúncia de nomes e palavras sagradas, especialmente Om, Om, Om, no ouvido de indivíduos possessos geralmente traz uma resposta rápida e amedrontada (…)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 444-445.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Obsessão Mental

“(…) os psiquiatras podem descrever muitos casos de obsessão mental causada por ideias fixas sem suspeitar que alguns pacientes estejam efetivamente padecendo de uma verdadeira possessão por espíritos impuros. (…) Casos autênticos de possessão por espíritos, embora verdadeiros, são relativamente raros; mais comum é a obsessão mental causada pelas forças maléficas da ilusão.”*

*Nota:  Um dos pais da psicologia moderna, Professor William James, de Harvard, escre veu: “A recusa do moderno ‘iluminismo’ em tratar a ‘possessão’ pelo menos como uma hipótese possível, apesar da abundante tradição humana baseada em concreta evidência a seu favor, sempre me pareceu um curioso exemplo do poder do modismo em assuntos científicos. Que a teoria dos demônios voltará a ter sua vez é algo que me parece absolutamente certo. Um indivíduo tem de ser de fato ‘científico’ para ser cego e ignorante o suficiente a ponto de não suspeitar que exista tal possibilidade.”

O padre Bede Griffiths do Ashram Shantivanam (localizado no sul da India), respeitável monge beneditino e escritor, comparou os asuras mencionados nas escrituras hindus com os demônios e maus espíritos citados na Bíblia cristã. Ele escreveu em The Marriage of East and West (Londres: Collins, 1982) [Hinduismo e Cristianismo

(…)

“(…) a cura física, mental e espiritual é possível quando alguém, assim como Jesus, é capaz de utilizar o poder divino para expulsar da tríplice natureza do homem os demônios e as forças do mal.”

(…)

Nota: Casamento do Oriente com o Ocidente (Ed. Paullus)]: “Nunca será demais enfatizar da consciência, levando o homem à sujeição aos poderes da natureza. O fato de que que esses são poderes reais que atuam no inconsciente (…), isto é, nos planos inferiores o homem moderno não os reconheça é um dos muitos sinais de que ele se encontra sob o jugo de tais poderes; somente quando são reconhecidos é que eles podem ser vencidos.” (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 438-439.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Frutos do Despertar Espiritual

“Os frutos do despertar espiritual são uma bênção não apenas para a nossa própria vida, mas para o mundo em geral. Este é o segundo significado de “um é o que semeia, e outro o que ceifa“: uma referência ao karma coletivo. Cada pessoa semeia boas ou más ações no solo de sua vida, e não é apeanas ela quem ceifa a colheira cármica dessas ações; ela faz com que também os outros colham os frutos.

As ações de cada indivíduo deixam marcas eletromagnéticas em seu cérebro, influenciando suas ações futuras; e elas também deixam marcas vibratórias no éter, que são registradas e exercem sua influência na mente dos outros.

(…)

Aquele que se torna um ser divino eleva automaticamente incontáveis pessoas no caminho espiritual. Quem se torna mau degrada os outros e os faz decair do plano espiritual ao ocasionar um efeito nocivo sobre suas fraquezas potenciais. Aquele que reforma a si mesmo reforma milhares; pois o que alguém semeia no éter, por meio das vibrações de seus pensamentos e de seu caráter, outros certamente colherão.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 357-359.

Capítulo 19: “Meu alimenteo é fazer a vontade Daquele que me enviou”, A Mulher de Samaria, parte III.

Poder Mental

“Como Jesus conhecia os detalhes íntimos da vida da mulher de Samaria? (…) Se uma pessoa mantém a mente em absoluta quietude, livre das oscilações dos pensamentos agitados, ela pode refletir em seu interior os pensamentos que passam pela consciência de outra pessoa. Isso é possível somente quando se domina a arte de subjugar os próprios pensamentos pelo tempo que se deseje; então, no filme virgem da mente, é possível “fotografar” qualquer pensamento que esteja na mente consciente de outro indivíduo.

É necessário maior poder mental para conhecer as experiências registradas em pensamentos que se ocultam na subconsciência de outras pessoas. Pensamentos subconscientes são aqueles que permanecem debaixo da mente consciente, ocultos por trás de suas portas fechadas. Projetando-se conscientemente a própria mente subconsciente na mente subconsciente de outra pessoa, podem-se conhecer os tabloides de experiências ali confinadas como pensamentos. Isto é possível quando, por meio do método correto de concentração, somos capazes de nos aprofundar em nossa própria  subconsciência e sentir as experiências ali armazenadas sem a intrusão ou influência de pensamentos da mente consciente.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 330.

Capítulo 17: A Mulher de Samaria, Parte I.

Poder na Força Vital e da Sensibilidade

Há um tremendo poder na força vital que flui através das mãos, desde que esta seja potencializada por uma vontade pura e indômita. Uma vontade que recuse a se desencorajar diante de qual quer coisa e que flua continua e energeticamente para a realização de seu objetivo torna-se divinamente carregada. A poderosa vontade do homem, guiada pela sabedoria, é Vontade Divina.

(…)

Almas espiritualmente sensíveis, livres de preconceitos, podem conhecer as pessoas simplesmente olhando em seus olhos, ou aproximando-se e sentindo as vibrações que emanam. 

Pessoas com percepção ordinária são usualmente sensitivas em relação aos outros somente quando estão dentro do alcance imediato do seu magnetismo. Entretanto, grandes mentes podem sentir outra pessoa à distância, embora a receptividade seja maior no caso de uma convivência próxima durante algum tempo.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 207.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

Força Mental

“Os ocidentais precisam entender que a mente é maior que suas invenções.”

(…)

“A mente é a fonte de todas as suas tribulações e de toda a sua felicidade. Você é mais forte do que tudo aquilo que enfrenta.”

(…)

“A mente é o poder que cria seu corpo; se ela for fraca, seu corpo se enfraquecerá.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 500-508.

Hábitos São Imãs Mentais

“O que controla sua vida não são os pensamentos passageiros nem as ideias brilhantes, mas os hábitos cotidianos. Os hábitos de pensamento são ímãs mentais: eles atraem objetos específicos, dependentes da qualidade de sua
atração.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 387.

Caminho da Autoconfiança e o Hábito da Meditação

“Faça longas jornadas mentais no caminho da autoconfiança. Exercite-se com as ferramentas do tirocínio, da introspecção, da iniciativa.”

(…)

“Acima de tudo, cultive o hábito da meditação. Essa é a chave interior que você gira para se conectar com o Infinito. Concentre-se ao máximo nos efeitos posteriores da meditação. Você descobrirá então que há um reservatório de poder em seu corpo, mente e alma.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 55.

Iniciação e Batismo

A palavra “iniciação” (em sânscrito, diksha), segundo se utiliza na Índia, tem o mesmo significado do termo “batismo” adotado no Ocidente. A iniciação por um guru corresponde à consagração interior do discípulo ao caminho espiritual que leva do domínio da consciência material ao reino do Espírito. A verdadeira iniciação, como demonstrado, é o batismo pelo Espírito. (…) Todo aquele que possa ver a corrente vital do olho espiritual transformando e espiritualizando as células cerebrais e a própria composição da mente do iniciado é alguém que batiza com o Espírito Santo. (…) uma alma de elevada estatura espiritual pode transfe parte da experiência de sua própria consciência divina àqueles que sejam receptivos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 126.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.