Consciência Crística

Quando me achava no estado de Consciência Crística onipre sente, contemplei a ilusão satânica como uma força cósmica consciente, uma energia criadora semelhante ao relâmpago, que era repe lida da Consciência Cósmica celestial. Eis que vos dou o poder divino mediante o qual podereis derrotar Satanás e seus sequazes; ao superar des a ilusão, nada poderá de modo algum causar-vos dano. Por meio de minha Consciência Cósmica, eu vos darei o poder de vontade que vos permitirá controlar a força serpentina espiralada na base da co luna vertebral. A força vital criadora que flui ao exterior, em direção ao corpo, alimenta os desejos sexuais e os “escorpiões” dos torturantes e venenosos instintos malignos.

(…)

Conforme explicado em versículos anteriores, Satã era originalmente um arcanjo, uma força inteligente da criadora energia cósmica de Deus, dotada com poder para criar, em harmonia com a Inteligência Divina, perfeitas manifestações celestiais na criação material. Essa força emanou de Maha Prakriti, a Grande Natureza, o Espírito Santo, o aspecto criador primordial do Espírito. O poder ativador da Mãe da Criação é maya, a ilusão cósmica, que transforma o Espírito Único em miríades de manifestações. Oculta por trás de um tênue véu de maya, a natureza pura de Prakriti, Para-Prakriti, atua em harmonia com a Inteligência Crística, ou Kutastha, para criar as leis e forças divinas que ativam todas as manifestações dos domínios celestiais astral e causal. Um manto mais denso de ilusão cósmica se fez necessário a fim de originar as vibrações densas indispensáveis para produzir e sustentar uma criação material a partir dessa subjacente matriz astral-causal. Uma vez que essas vibrações densas da ilusão cósmica distorcem e eclipsam a verdadeira natureza da matéria, que é feita da consciência de Deus, esse poder criador que flui em direção ao exterior é identificado como a natureza impura de Prakriti: Apara-Prakriti. Esse é o aspecto que equivale a Satã, o qual é representado como um arcanjo que decaiu da graça divina, uma força criadora que não é dirigida pelas vibrações celestiais – uma força que se rebelou contra a consciência de Deus, obscurecendo a Divindade Inata, com o objetivo de preservar seu próprio reinado sobre a humanidade por meio do autoperpetuado mau uso do livre-arbítrio.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 257-259.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Maligno Perpetuador da Ilusão

“A inquietude, ao dissipar externamente a atenção da alma, torna -se a arma mais incapacitante utilizada pelo Maligno Perpetuador da ilusão sempre cambiante. O corpo e a mente inquietos são o pátio de recreio de Satã, que adora executar ali sua ardilosa dança da distração a fim de desviar a consciência humana do Espírito imutável e de Seu calmo reflexo nas profundezas da alma. Mas aquele que, por meio da meditação devocional, interioriza regular e profundamente sua atenção, recebe a ajuda das inspiradoras vibrações do Espírito Santo e permanece imerso em Deus o tempo todo – na graça redentora da paz, da alegria e do amor divinos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 128-129.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

O Arcanjo Rebelde de Deus

“O Arcanjo de Deus, a força centrífuga cósmica da ilusão instituída para criar o espetáculo onírico do cosmos, tornou-se o rebelde perpetuador da finitude – Satã, ao engendrar a reencarnação regida pela lei de causa e efeito, a qual determina que todo desejo e apego terreno têm o efeito de propiciar a reencarnação na Terra.

(…)

(…) um propósito de tal modo divergente, atuando contra si mesmo, não poderia subsistir.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 125.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Criação de Satã

“Houve um tempo em que eu acreditava ser Satā uma força simbólica, uma ilusão metafísica; mas agora sei – e acrescento meu próprio testemunho ao de Jesus Cristo – que Satã é o responsável pela criação de todo o mal na Terra e na mente dos homens. Muitas vezes já vi conscientemente Sată prejudicando-me por meio de misteriosos infortúnios e assumindo conscientemente formas materializadas enquanto eu recebia a graça de Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 199.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Em Tudo Foi Tentado, Mas Sem Pecado

“O homem Jesus enfrentou tentações, chorou, sofreu como qualquer ser humano; mas exercitou sua vontade de maneira suprema para suplantar o mal e a ilusão de sua natureza material, e finalmente alcançou a vitória.

(…)

Pelo que convinha que em tudo fosse feito semelhante a seus irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a Deus, a fim de fazer propiciação pelos pecados do povo. (…) (Hebreus 2:16-18). Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado (Hebreus 4:15).

(…)

O encontro do homem comum com “o Tentador” se dá principalmente como ideias subjetivas que o seduzem sutilmente através de maus hábitos pré e pós-natais e da provocadora atração de seu ambiente material.

Grandes mestres que se aproximam da libertação final podem distintamente ver distintamente Satã e suas legiões de maus espíritos assumirem formas personificadas para armar uma decisiva resistência contra a libertação desses mestres no Espírito.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 177.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

Tentações de Jesus

O Espírito Divino havia conduzido Jesus ao silêncio do deserto para que fosse testado, a fim de constatar se a sua Consciência Crística poderia ser preservada apesar da influência ilusória de todas as lembranças mortais.

Um super-homem, embora estabelecido num elevado estado de consciência por meio da meditação profunda, ficará sujeito às tentações da Ilusão Cósmica enquanto habitar o reino de maya.

(…)

Um Jesus que fosse um filho de Deus pré-fabricado e importado do céu, já perfeito e completo, não teria tentações a superar. As maquinações de Satã e a vitória de Jesus seriam, então, apenas um teatro divino. Como poderia tal realização tornar-se um ideal humano? Um ser espiritual manufaturado por Deus não teria o mérito de ser aquilo que deveríamos nos tornar por meio de nosso próprio esforço e, com isso, não serviria de exemplo para os seres humanos que ainda se debatem, crivados de tentações.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 175-176.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

A Bondade de Deus e As Tentações de Satã

“Deus, em Sua onisciência, deve certamente ter previsto a origem Deural nos poderes de Seu arcanjo criador, que Dele se afastavam. Mas embora a dualidade ilusória tenha sido o único meio pelo qual Deus poderia organizar um drama cósmico, de modo a deleitar -Se através de suas muitas individualidades, Ele Se assegurou de que nenhuma distorção de Seu desígnio estaria fora do alcance de Sua Bondade refletida na onipresença da Consciência Crística. Esse poder magnético do amor de Deus a seu tempo atrairia todas as criaturas de volta para Ele, através da evolução rumo ao divino despertar.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 167.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

A natureza Dúplice de Satã

” A natureza dúplice de Satã – tanto subjetiva quanto objetiva – explica a totalidade das manifestações do mal. Um Sată objetivo, como uma força adversária independente opondo-se à Divindade, explica a origem do mal que não pode ser atribuído apenas à ignorância subjetiva individual ou coletiva do homem. Satã tem que ser reconhecido conjuntamente como o mal objetivo na natureza e como um poder capaz de também operar no homem em forma de consciência subjetiva errada.

Reconhecer a existência de Satã não nega o conceito de um Deus que é o único Alfa e Ômega do cosmos. Em realidade, não existe essencialmente nada mais que o Espírito, a Substância única (…) . O mal da ilusão existe somente no domínio das formas, não na essência do Espírito. Enquanto houver a criação, uma coalescência de fenômenos finitos na Substância Infinita, a ilusão das formas produzirá a consciência de imperfeição que se acha separada do Absoluto Inigualável.

(…)

É tolice negar o mal subjetivo ou objetivo enquanto ainda se está lutando com a ilusão. (…)  Basta alguém se sentir seguro de sua invulnerabilidade, e o diabo engana seu oponente com alguma artimanha, levando o desafiador à derrota. É melhor não competir com suas tentações.(…). Ao fortalecer-se a consciência do bem, sua luz dissipa as perigosas trevas da influência maléfica de Satã.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 169-171.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

O Esforço por Plenitude Resulta da Ilusão

“A emancipação é acelerada quando se encena o drama vivo de uma perfeita existência de saúde, abundância e sabedoria, com desa pegada transcendência mental. As dualidades da dor e do sofrimento criadas por Satã são em muito atenuadas pela mente forte que não exacerba o sofrimento por meio do medo ou de uma imaginação exal tada; ou seja, se pudermos afastar a consciência de doença e não temer a enfermidade quando ela se apresenta, e se não ansiarmos pela saúde ao sofrermos com alguma doença, isto nos ajudará a recordar nossa própria alma, o Eu transcendente que jamais experimentou as flutuações de saúde e doença, mas é sempre perfeito.

O homem deveria saber que seu esforço por plenitude resulta da ilusão; pois ele já possui tudo que ne cessita em seu poderoso Eu interior. Ele equivocadamente imagina que carece de tais dons divinos ao identificar-se com mortais espiritual mente ignorantes. Tudo o que necessita é conhecer a eterna plenitude do tesouro de sua alma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 165-166.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Espírito Santo e Satã

“Esses dois aspectos de Prakriti correspondem às designações cristãs Espírito Santo e Satã. O Espírito Santo, em harmonia com a Consciência Cristíca, cria o bem e a beleza atrai toda a manifestação para uma simbiótica harmonia e derradeira união com Deus. Sată (do hebraico, literalmente “o adversário”) exerce sua força de repulsão para longe de Deus, para o envolvimento com o mundo ilusório da matéria, empregando a ilusão cósmica de maya para dispersar, confundir, cegar e aprisionar.

(…)

Uma vez que ele encobre a matéria e envolve o homem nas mais enganosas confusões da ilusão de maya, Jesus referiu-se a essa força como um demônio, um assassino e um mentiroso. “O diabo (…) foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44).

Satã surgiu como uma consequência natural do desinteressado de sejo de Deus de dividir Seu Oceano da Unidade nas ondas da criação finita um poder com vontade independente, que viria a controlar as leis da criação material para manifestar e sustentar sua existência. O plano do Espírito era que essa Força Ilusória Cósmica consciente fosse dotada de independência a fim utilizar maya e avidya para criar objetos finitos que refletissem Deus a partir da energia vibratória cósmica do Espírito Santo, em harmoniosa sintonia com a divina Inteligência Crística presente nessa vibração.

Jazidas com pedras preciosas perfeitas, flores perfeitas, animais perfeitos e almas humanas residindo em planetas perfeitos foram en tão criados, trazidos à manifestação material desde os reinos celestiais astral e causal. (…)  Depois de uma existência harmoniosa – uma expressão perfeita de forma, hábitos saudáveis e modos de existência, no palco do tempo, sem sofrimento, doenças, acidentes cruéis ou dolorosa morte prematura-, todas as formas criadas de veriam retornar para Deus. Assim como os arco-íris vêm e vão (…)

Portanto, originalmente toda a Energia Cósmica, vibrada pelo Espírito Santo e pela Inteligência Crística, fluía em direção a Deus, criando imagens perfeitas a partir da luz astral voltada ao interior para revelar Deus. A Força Ilusória Cósmica consciente, com seu poder independente recebido de Deus, percebeu que sua própria existência separada cessaria se as manifestações da energia cósmica da Vibração do Espírito Santo se dissolvessem de volta no Espírito de acordo com o plano divino. Sem a Vibração Sagrada, não haveria razão nenhuma para a existência nem para o sustento da Força Ilusória Cósmica. Esse pensamento assustou Satã; o único propósito de sua existência – manter estas formas no estado de manifestação – estava ameaçado. Então, visando seu próprio intento de autoperpetuação, ele se rebelou contra Deus, tal como um general insubordinado algumas vezes se volta contra seu rei, e começou a utilizar mal seus poderes cósmicos. Ele manipulou as leis e os princípios da criação que estavam sob seu comando a fim de estabelecer padrões de imperfeição que impediriam sua dissolução automática no Espírito. Satã tornou-se como um raio caindo do céu porque afastou a luz da energia cósmica de seu foco em Deus, concentrando-a na matéria densa. A luz astral que revela o céu transformou-se nas opacas luminárias físicas do sol, do fogo e da eletricidade, que mostram somente as substâncias materiais.

(…) a mente das pessoas comuns, confortavelmente enclausurada na visão de causa e efeito dos fenômenos, não se adapta com facilidade a abstrações divinas a menos que também estas sejam metaforicamente revestidas com um aspecto familiar. (…) exceto no sentido absoluto de que tudo é feito da Consciência Cósmica única de Deus, não existe mal no Deus Todo-Perfeito. O mal reside na Força Adversária que man tém seu reino de influência ao obscurecer grosseiramente a verdadeira natureza divina de todos os seres criados. Um sofisma filosófico poderia convincentemente propor que, sendo o dever de Satã, como um arcanjo, manter a existência das formas manifestadas, ao tentar fazer seu serviço ele caiu do céu!”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 156-158.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.