Jesus, O Impaciente

“JESUS ERA paciente com o néscio e o estúpido, tal como o inverno espera a primavera.

Era paciente como uma montanha ao vento. Respondia com benevolência às desagradáveis perguntas de Seus inimigos.

Podia mesmo silenciar ante cavilações e disputas, pois era forte, e os fortes podem ser tolerantes. Mas Jesus era também impaciente.

Não poupava os hipócritas. Não cedia aos astuciosos nem aos malabaristas de palavras.

E não podia ser governado. Era impaciente com aqueles que não acreditavam na luz porque moravam na sombra; e com aqueles que procuravam sinais no céu mais do que em seus próprios corações. Era impaciente com aqueles que pesavam e mediam o dia e a noite antes de confiar seus sonhos à aurora e ao anoitecer.

Jesus era paciente.

Contudo, era o mais impaciente dos homens. Ele vos faria tecer o pano embora gastásseis anos entre o tear e o linho.

Mas não admitiria que ninguém rasgasse uma polegada da fazenda tecida.”

GIBRAN, Gibran Khalil.  Jesus, o Filho do Homem. Tradução: Mansour Challita. Associação Cultural Internacional Gibran, 1973, pág. 147.

Habilidade de Suportar a Verdade da Incoisitude

“Em tibetano, a palavra zopa é normalmente traduzida como “paciência”, “persistência” ou “tolerância”. Não acredito que tenhamos uma palavra que descreva a profundidade e o sentido dessa palavra pelo menos não a encontrei ainda. Ainda que zopa tenha muitas definições, a mais provocativa que encontrei está descrita por Patrul Rinpoche, iogue andarilho do século XIX, em seu texto As palavras do meu professor perfeito. Ele descreve zopa como “a habilidade de suportar a verdade da incoisitude ou da ausência de fronteiras das coisas“. O que significa tolerar a incoisitude? Boa pergunta.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 72.

Não Fuja da Raia!

“É por esse motivo que de nada vale desertar do campo de duras obrigações em que nos vejamos sitiados, por força dos acontecimentos naturais do caminho, de vez que na intimidade da consciência, ainda mesmo que a apreciação alheia nos liberte desse ou daquele imposto de devotamento e renúncia, ordena a razão estejamos de sentinelas na obra de paciência e de tolerância, de humildade e de amor, que fomos chamados intimamente a atender, sem isso, não obstante a aparência legal de nosso afastamento da luta, somos invencivelmente onerados por ocultas sensações de desgosto ante as nossas próprias fraquezas, que, começando por ligeiras irritações e pequeninos desalentos, acabam matriculando-nos o Espírito nos institutos da enfermidade ou na vala da frustração.”

Xavier, Francisco Cândido/ Emmanuel. Pensamento e Vida. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 89.

Preparação e Ação

“Estamos procurando criar núcleos de interesse entre os terráqueos, para então, mais objetivamente, a forma que sabemos ser necessária, podermos diretamente trazer a nossa presença atuante para a melhoria tão necessária da condição humana atual. Pouco a pouco, vamos consolidando e realizando a sã política de encontrar humanos, que sejam provas do nosso trabalho de amor, sem jamais lhes roubar o mérito que possuam. Sob o nosso influxo, haverão que irradiar concórdia, tolerância, amor, ao mesmo tempo que um cósmico dinamismo no FAZER. Isso há de vir de baixo, da educação da criança e do jovem, senhores do próximo futuro da VIDA terráquea de vocês. Dentro em pouco, alçados à direção das Instituições, dos Governos, dos postos de mando em qualquer parte, saberão mudar o Destino interrogativo de hoje, numa certeza clara e nobre do mundo de amanhã. Por ora, temos de ir agindo assim como vocês criticam, mas como a nossa visão do futuro aconselha. Toda via, é imperativo dizer que operamos muito, muito mais do que vocês supõem. Reconhecemos, entretanto, que vocês não têm obrigação de aceitar essa forma operacional que utilizamos, de vez que imperceptível, silenciosa. Essa, segundo os mesmos processos normalmente utilizados pela Hierarquia dos Adeptos e Mestres Planetários, como também muitos outros seres com os quais uma pequena minuria de vocês já se acha relacionada.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 128.

Provas a que Somos Confiados

“Áulus, porém, cortou-lhe a frase, acrescentando:

– Esquece-se de que seu esposo precisa muito mais agora de seu entendimento e carinho? Nem sempre a mulher poderá ver no companheiro o homem amado com ternura, mas sim um filho espiritual necessitado de compreensão e sacrifício para soerguer-se, como também nem sempre o homem conseguirá contemplar na esposa a flor de seus primeiros sonhos, mas sim uma filha do coração, a requisitar-lhe tolerância e bondade, a fim de que se transfira da sombra para a luz. Anésia, o amor não é tão-somente a ventura rósea e doce do sexo perfeitamente atendido. É uma luz que brilha mais alto, inspirando a coragem da renúncia e do perdão incondicionais, em favor do ser e dos seres que nós amamos. Jovino é uma planta que o Senhor lhe confiou às mãos de jardineira. É compreensível que a planta seja assaltada pelos parasitas ou pelos vermes da morte, todavia, nada há a recear se a jardineira está vigilante…”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 20.

Acalento ao Coração

“A essa altura, Anésia abriu precioso livro de meditações evangélicas, acreditando agir ao acaso, mas o tema, em verdade, foi escolhido por Teonília, que lhe vigiava, bondosa, os movimentos.

Com surpresa, a dona da casa notou que o texto se reportava à necessidade do trabalho e do perdão.

Dócil, correspondendo à influenciação da mentora espiritual, a esposa de Jovino começou a falar sabiamente sobre os impositivos do serviço e da tolerância construtiva, em favor da edificação justa do bem.

A voz dela, fluente e suave, transmitia, sem que ela mesma percebesse, o pensamento de Teonília que, com isso, buscava socorrer-lhe o coração atormentado.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 20.

Diferentes

“Os problemas surgem apenas quando um grupo se sente superior aos outros. É preciso que se reconheça que todos nós somos diferentes. Como afirmei várias vezes, existem muitos caminhos, mas todos levam ao mesmo lugar.”

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 26.