Valorizem-se com a plenitude de cada momento

Antes da reunião, tocamos e cantamos por 45 minutos, com o violão, as canções que temos composto juntos.

“Olívia e Robert”

Juliana: Robert já é da Egrégora?
Juliano: Padre Robert

Música cantada: “Senta e puxa conversa e fala de amor….”

“Falo todos os dias, em todas as horas e em cada minuto, porque eu amo o Amor. Eu amo poder amar. Amar me faz livre para crer, conhecer, esperar e realizar. Eu amo o Amor. Sou apaixonada por ele. Vivo dele, por ele e para ele todos os dias. Beijos, sempre. Adorei a canção, será a minha. Olívia”

“Love is all that really matters at all. Love is the only way. The one you have to carry on. Source of healing and freedom. Source of everything. The Father of all is love. The love is His nature, is who He is. And we are loved creatures, sons and daughters. We are all loved by Him. The work of Circle has to be a work of love. Human history has showed what happens when knowledge comes with no love. Blood and war and violence, trauma and fear. Desperate people hunger of love. Is not only knowledge but a experience in the Truth. And the Truth is God, and God is
love. That’s the reason for all work of Circle needs to be signed by love. Always around, Robert”

Juliana: “Queria saber sobre minha baixa de energia durante o dia, tenho sentido muito sono, se tem alguma coisa que eu possa fazer para melhorar, inclusive alguma questão de alimentação, não sei.. queria lançar essa pergunta”

“Talvez seja bom fazer um exame de sangue, pois, pelo o que percebemos, pode ser uma baixa no ferro. Mas acreditamos que uma abordagem homeopática, com leve correção nas refeições e a constância nos exercícios deve bastar”

Juliano: Eu nunca os vi fazer isso não. Ela é hipocondríaca, gosta de um remédio, uma coisa…

“Julianos, eu estou muito feliz que hoje posso, aqui, lhes falar. O desafio é
transmutar a culpa em empatia e, então, viver a compaixão e a fraternidade. Não existe fuga. Não tem jeito. É a encarnação como ela é. Não tenham medo, valorizem-se com a plenitude de cada momento. Vivam o amor de vocês sem constrangimento, pois ele será sempre fonte de
força, riso e disposição para realizar e viver com inspiração.
Meu beijo a vocês,
Joseph Lindenberg”

Juliano: Obrigado Joseph
Juliana: Ele já veio outras vezes?
Juliano: humrum
Juliano: Eu não lembrava da letrinha ler ser tão boa.
Juliana: Ele escreve bem direitinho né?
Juliano: É, ele escreve bem redondinho, certinho. Ele é o espírito que nos escreveu, nos desenhou vários símbolos..
Juliana: Ah, sei sim.
Juliano: Eu mal tava tocando a prancheta, ele tem mais força…
Juliana: Eu também tava com o dedinho bem assim..
Juliano: É, bem leve.. porque você vê, segunda semana já é completamente diferente, não tem aquele enrosco inicial.
Juliana: Eu queria perguntar se além daquele livro lá do Scole, se eles indicam mais alguma coisa para estudar. Alguma coisa que eles acham interessante para a gente…

“Mais?”

(Risos_
Juliano: Tomou um dedo no rabo numa palavra só. Rs.
Juliana: Só queria saber, se tá suficiente, tá ótimo. Rs.
Juliano: Primeiro fora na mesa, a gente nunca esquece. Rs.
Juliana: Não foi fora, só pedi uma confirmação que não tem mais nada. Rs.

“Terminamos. Olívia e Robert”

Símbolos do círculo e infinito.
Juliano: Foi mais rápido hoje, não foi?
Juliana: Sim, foi meia hora.
Juliano: Nossa, cravado meia hora.

Recusa do retorno

Terminada a busca do herói, por meio da penetração da ponte, ou por intermédio da graça de alguma personificação masculina ou feminina, humana ou animal, o aventureiro deve ainda retornar com o seu troféu transmutador da vida. O círculo completo, a norma do monomito, Requer que o herói iniciar agora o trabalho de trazer o símbolos da sabedoria, o Velocino de Ouro, ou a princesa adormecida, de volta o Reino humano, onde a benção alcançada pode servir a renovação da comunidade, da nação, do planeta ou dos 10.000 mundos.

Mas essa responsabilidade tem sido objeto de frequente recusa.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 195.

Árvore e Transmutação

Se você alguma vez se sentir completamente esgotado, se estiver zangado ou tenso, saia ao ar livre e sente-se junto a uma árvore. Escolha uma árvore frondosa, sólida (carvalho e o pinheiro são boas opções), sente-se no chão, com as costas eretas, e se encoste no tronco. Feche os olhos e relaxe. Você sentirá uma mudança gradual em seu corpo. Sua tensão, sua raiva e seu cansaço vão desaparecer. É como se a árvore drenasse tudo isso de você e substituísse esse mal-estar por uma sensação crescente de calor, amor e conforto. Esses sentimentos vem da árvore. Aceite-os e regozije-se. Fique sentado ali até se sentir renovado. Então, antes de ir embora, fique de pé com os braços ao redor da árvore e a agradeça.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 46.

Dissolução, transcendência ou transmutação

É assim que se alguém – em qualquer sociedade – assumir por si mesmo a tarefa de fazer a perigosa jornada na escuridão, por meio da descida, intencional ou involuntária, aos tortuosos caminhos do seu próprio labirinto espiritual, logo se verá numa paisagem de figuras simbólicas (podendo qualquer delas devorá-lo), o que não é menos maravilhoso que o selvagem mundo siberiano do pudak e das montanhas sagradas. No vocabulário dos místicos, esse é o segundo estágio do Caminho, o estágio da “purificação do eu”, em que os sentidos são “purificados e tornados humildes” e as energias e interesses, “concentrados em coisas transcendentais”; ou, num vocabulário mais moderno: trata-se do processo de dissolução, transcendência ou transmutação das imagens infantis do nosso passado pessoal. Em nossos sonhos, os perigos, gárgulas, provações, auxiliares secretos e guias ainda são encontrados à noite; e podemos ver refletidos, em suas formas, não apenas todo o quadro da nossa presente situação, como também a indicação daquilo que devemos fazer para ser salvos.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 105.