Livrai-nos do mal, afinal…

Download, no café da manhã, da aula 120 – UMA VISÃO DO NOVO MUNDO. Demandei com Rebecca a possibilidade de gravar uma série de aulas sobre a Civilização Exoconsciente. Na Aula, relacionei os valores da Revolução Francesa com o manifesto do Pai Nosso, de Jesus.

(…)

Muito se fala sobre o novo mundo. Especula-se sobre um novo tempo. Mais quais os seus sintomas? Quais são os seus sinais? Há certas compreensões que são sintomas do novo mundo. Existem diversas réguas que podem medir esses sintomas mas um só é o tamanho da coisa, messa ela em centímetros, milímetros, polegadas ou palmas; as diferentes formas de medir não mudam o tamanho do objeto medido, pois a forma é absoluta em relação ao parâmetro de sua mensuração. Livrai-nos do mal, afinal. O mal é ignorância mas o conhecimento é movimento e transformação!

Willian Walker

Círculo como totalidade e queda do paraíso

A correspondência de um ano no paraíso com cem anos na existência terrena é um motivo mitológico bem conhecido. A duração de cem anos significa a totalidade. Os trezentos e sessenta graus da circunferência tem o mesmo significado; razão por que Puranas hindus representam um ano dos deuses como equivalente a trezentos e sessenta anos dos homens. Do ponto de vista dos olímpicos, era após era da história terrestre transcorre, de modo que, onde os homens vêem apenas a mudança e a morte, os bem-aventurados contemplam a forma imutável, o mundo sem fim. Mas o problema reside em manter esse ponto de vista diante de uma dor ou prazer terrenos imediatos. O sabor dos frutos do conhecimento temporal afasta concentração do espírito do centro da era para a crise periférica do momento. O equilíbrio da perfeição é perdido, o espírito fraqueja e o herói cai.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 218-219.