Viagem de Jesus à Índia

Roerich escreve: “Sempre há os que adoram negar desdenhosamente quando algo difícil entra na sua consciência (…) [Mas de que modo poderia uma invenção recente penetrar consciência de todo o Oriente?”

Roerich observa: “As pessoas dessas localidades nada sabem da publicação de um livro (isto é, o livro de Notovitch), mas conhecem a história e falam de Issa com profunda reverência”.

(…)Conforme os manuscritos tibetanos, não foi muito depois disso que Jesus deixou sua casa a fim de evitar os planos para seu noivado, à medida que alcançava a maturidade – o que correspondia aos 13 anos de idade para um menino israelita daquela época. 

“Issa ausentou-se secretamente da casa de seu pai; deixou Jerusalém e, numa caravana de mercadores, viajou para o Sindh, com o objetivo de aperfeiçoar-se no conhecimento da Palavra de Deus e no estudo das leis dos grandes budas.”

Nota: “Com base na arqueologia, na fotografia por satélite, na metalurgia e na matemática antiga, fica agora claro que existiu uma grande civilização – talvez uma eminente civilização espiritual – antes do surgimento do Egito, da Suméria e do Vale do Indo. A sede desse mundo antigo era a região localizada entre o Indo e o Ganges – a terra dos arianos védicos.”

(…) citando o ilustre cientista e explorador Barão Alexander Von Humboldt, fundador do estudo sistemático das antigas culturas da América, que estava convicto da origem asiática das avançadas civilizações pré-colombianas do Novo Mundo: “Se os idiomas fornecem apenas frágil evidência de uma antiga comunicação entre os dois mundos, sua comunicação é plenamente comprovada pelas cosmogonias, os monumentos, os caracteres hieroglíficos e as instituições dos povos da América e da Asia.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 92-94.

Capítulo 5: Os anos desconhecidos da vida de Jesus – estadia na Índia.

Arqueologia Têxtil

“Mechthild Flury-Lemberg, uma autoridade mundial em têxteis e ex-curadora do Museu Têxtil da Fundação Abegg. Flury Lemberg descobriu que o Sudário era muito semelhante aos tecidos encontrados nos túmulos de Masada – a fortaleza judaica, no sudeste de Israel, que foi destruída pelos romanos em 73 dC. (…)  A respeito disto, ela disse ao jornal Sunday Times que, em sua opinião, o Sudário não seria uma farsa medieval e poderia ser um produto contemporâneo de Jesus Cristo. Ela também afirmou que o tecido do Sudário era de alta qualidade e que teria sido confeccionado num tear profissional do tipo usado na Antiguidade (…) Todavia, seu bom estado de conservação é suficiente para convencer muita gente de que o Sudário não poderia ter sobrevivido ao primeiro século. Uma visita a um museu egípcio, no entanto, eliminaria rapidamente todas as dúvidas. Muitas peças de linho, incluindo as vestimentas das múmias, tem muito mais de dois mil anos de antiguidade. Há até mesmo um exemplar que supõe-se ter quase cinco mil anos.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 375.

Sustentação Para a Autenticidade – Pólen

“Chegou a hora em que a verdade científica deve deixar de ser a propriedade de alguns poucos, e deve entrelaçar-se à vida cotidiana do mundo. (Jean Louise Rodolphe Agassiz)

Estudos recentes do pólen encontrado no Sudário e comentários arqueológicos acerca do padrão do tecido contribuíram para que a idade do Sudário fosse estimada. Os estudos do pólen foram feitos pelo dr. Max Frei, um criminalista internacionalmente famoso-que, além de ser professor de Criminologia na Universidade de Zurique, fundador e ex-diretor do Laboratório Cientifico da Polícia de Zurique, possui um doutorado em botânica e é um renomado perito botânico a respeito da flora mediterrânea.

Em 1973, Frei ou fitas adesivas para coletar amostras de poeira de várias áreas do Sudário e analisou esta poeira usando um microscópio luminoso e um microscópio de escaneamento de elétrons. Identificou com sucesso 49 espécies de pólen. Em 1978, ele coletou amostras adicionais do Sudário e recebeu amostras do receptáculo de prata que o Sudário tinha sido guardado. Identificou com sucesso outras oito, perfazendo o total de 57 espécies de pólen (tabela 5) provenientes da região do mar Morto, do Negev, de Constantinopla, das estepes da Anatólia, na Turquia, e de regiões da Europa.

Tabela : 5

(…)

O geólogo alemão Lennart von Post (1884-1951) foi quem primeiro estabeleceu os princípios básicos da análise do pólen em seus estudos sobre ambientes primitivos. Ele determinou as seguintes características básicas: a) várias plantas produzem grandes quantidades de pólen (um pinheiro pode produzir 100 bilhões de grãos de pólen); b) o revestimento exterior dos grãos de pólen (esina) é extremamente durável, sobrevivendo por centenas de milhões de anos; e, c) todas as plantas da mesma espécie produzem grãos de pólen com a mesma forma geral, mas esta conformação mostra-se diferente de acordo com as espécies. Cerca de 5% (4,95%, exatamente) dos grãos de pólen carregados pelo vento voltam a cair sobre a terra num raio de 1.600 metros das plantas que os geraram-exceto alguns que chegam a viajar por até 48 quilómetros. O tamanho dos grãos de pólen varia entre dez e duzentos milésimos de milímetro, suas formas vão desde a esférica até a espiralada, e sua superfície pode ser áspera e irregular ou completamente lisa e uniforme. Uma membrana protetora chamada esina reveste os grãos de pólen, e é muito resistente à ação de substâncias químicas, sendo responsável pela excelente preservação do pólen sob circunstâncias adversas. O pólen mistura-se à atmosfera, é carregado por massas de ar, e cai sobre a terra; quando os grãos caem sobre lagos, depositam-se em camadas. O pólen tem sido utilizado pelas ciências forenses para identificar suspeitos em vários crimes e reconstituir as ações de vários indivíduos, vivos ou mortos.

Frei descobriu que somente 17 das 58 espécies presentes no Sudário eram comuns na França ou Itália. Praticamente todas as outras eram de origem não-europeia e comumente encontráveis na região de Jerusalém.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 366-372.

Explicação dos Evangelhos Pela Arqueologia

“1°) A condenação- Para tal era necessário um motivo que caísse sob a legislação romana. Em Jerusalém, só Pilatos possuía o “jus gladii”, isto é, o direito de vida e de morte (…) Os motivos de ódio dos sinedritas não podiam, é claro, ser apresentados perante um funcionário romano. É por isso que, logo de início, acusam Jesus de levar o povo à revolta. (…) Três vezes repete Pilatos: “Nada encontrei nele que o faça merecer a morte”. Alegaram então os judeus que se fazia ele Filho de Deus, o que segundo sua própria lei implicava a pena de morte. Isso, porém, não comoveu o procurador; pelo contrário, o inquietou vagamente em sua alma supersticiosa. Para um pagão, “Filho de Deus é sinônimo de “herói”. (…) Não foi senão após numerosos giros e tentativas que os judeus acabaram finalmente por encontrar o motivo que forçaria Pilatos a condená-lo: “Ele se fez rei, e se tu o libertares não és ami go de César”. Astúcia verdadeiramente satânica, porque, além de incluir um capítulo de acusação regular de bastante gravidade, a “rebelião contra César“, veio perturbar profundamente a inquietude egoísta de um pobre funcionário colonial, de não vir a desgostar o governo central, e ainda o temor de vir a ser incluído em tentativa subversiva contra o imperador. (…)

O procurador vingar-se-á dos judeus escrevendo sobre o “titulus: “Jesus de Nazaré, rei dos judeus” (…) o que escrevi, escrevi).

2º) A flagelação- (…) em São Lucas, Pilatos repete duas vezes aos judeus Fá-lo-ei, pois, castigar e o soltarei”, de onde vemos sua intenção de infligir a flagelação, como pena em si; (…) São João, sempre mais explícito quando julga conveniente completar, sem contradizer os Sinóticos, na qualidade de testemunha ocular, nos apresenta as minúcias do processo. (…) “Então Pilatos tomou Jesus e o fez flagelar (Jo 19,1). Segue-se a flagelação, a coroação de espinhos, a saída do “Ecoe homo”, a acusação de se ter feito Filho de Deus. (…)

Como se vê, a flagelação precedeu a sentença de morte e até a maior parte cio “actio” do processo (…)

4°) Transporte da cruz- (…) só carregou segundo esse mesmo costume o patíbulo, e não a cruz inteira, como o representa a maior parte dos artistas. Já vimos como a expressão “carregar a cruz”, que só se nos gregos ou latinos traduzidos do grego, era exatamente equivalente à expressão romana “carregar o patíbulo”

(…)

Depois, os soldados, percebendo que ele não conseguiria, dessa forma, chegar ao Calvário, forçaram, segundo os três Sinóticos, um o homem de Cirene a carregar a haste horizontal, ou patíbulo. (…) Somente Lucas é quem acrescenta que a levava atrás de (“opisthen) Jesus, o que quer dizer que Jesus caminhava na frente, conduzido pelos soldados, e Simão o seguia carregando sozinho o patíbulo.

(…)

Notaremos que atestam os Evangelhos não ter sido Jesus submetido ao costume romano, segundo o qual os condenados caminhavam para o suplício completamente nus. “Despiram-no da clâmide de púrpura e lhe devolveram suas vestes para o conduzir à crucifixão. Explica-se facilmente a exceção pelo hábito que tinham os romanos de respeitar os costumes locais. Flávio José escreve (Contra Appionem “Romani subjectos non cogunt patria jura transcendere -Os romanos não forçam (os povos) submetidos a transgredir as leis pátrias”.

(…)

Imagino pelourinhos de quase dois metros, o que permitia neles enganchar facilmente o patíbulo. Os pés, com facilidade, podiam ser pregados sobre o mourão (dada a flexão das coxas e pernas, que calcularemos com exatidão), a cerca de 50 cm do solo.

(…)

Convém recordar que quando apareceram os primeira crucifixos, ainda muito raros, em fins do século V (marfim do “British Museum”), século VI (Porta de Sta. Sabina, Evangeliário de Rábula já havia quase dois séculos que a crucifixão havia sido abolida por Constantino (315, o mais tardar 330), de modo que os artistas dessa época não haviam jamais visto um crucificado.

(…)

Seria realmente interessante saber como cristãos dos primeiros séculos imaginavam a cruz. Infelizmente, era esta em o mundo romano um objeto que inspirava horror acarretava tanta infâmia que ninguém ousava exibi-la, ainda olhos fiéis. Toda a catequese apostólica antes tudo uma pregação triunfante da Ressurreição. Os primeiros crucifixos (V e VI séculos) serão imagens triunfantes de Jesus Cristo vivo, colocadas diante da cruz. Somente na Idade Média é que se desenvolveria a imagem e o culto da Paixão, a ideia mística da Compaixão.

(…)

Coisa curiosa: encontra-se a mesma disposição, com a letra M, com um traço por cima: M, que todos os arqueólogos admitem como abreviação de Mártir.

7°) Estava Jesus nu sobre a cruz? -Antes de tudo, é bem evidente que, antes de o crucificarem, lhe tiraram as vestimentas, uma vez que os soldados as dividiram entre si e tiraram a sorte de sua túnica (Jo 19,23). Trata-se, pois, de saber se conservou algum pano em volta dos rins. De acordo com o citado estudo de Pe. Holzmeister, foram os Padres unânimes em afirmar essa nudez.

A esta opinião pode-se opor um texto apócrifo tirado dos “Atos  de Pilatos, segundo o qual, depois de lhe terem tirado as vestimentas, lhe teriam restituído um “lention”, palavra grega que quer dizer “pano”, uma espécie de tanga.

Seria de admirar que os romanos, que o haviam tornado a vestir, após a flagelação, para que carregasse a cruz, contrariando seus próprios costumes, a fim de condescender com as ideias judaicas de decência e respeitar as tradições nacionais, não lhe tenham deixado sobre a cruz pelo menos este último resto de indumentária.

(…)

Em todo o caso, repito: jamais artista algum quis fazer um crucificado inteiramente nu.

Ora, é justamente isto que encontramos no Sudário. Será possível que um falsário tivesse tido ideia tão fora do comum, que iria chocar violentamente todas as nossas tradições artísticas de decência e de respeito?

8°) Fixação – (…) Jesus é pregado ao patíbulo estando este deitado ao solo. Depois é erguido juntamente com este, é encostado ao “stipes”, e todo o conjunto é erguido para ser enganchado o patíbulo no alto do “stipes”.

(…)

Ora, acabam precisamente de verificar que Jesus estava visivelmente morto e, por isso, lhe poupam o “crurifragium”, que rapidamente vai acabar com os dois ladrões, precipitando-os na tetania e asfixia, como veremos mais tarde. É sobre um cadáver, já averiguado como tal, que um dos soldados vai desferir um lançaço no coração?!

A razão está em que, se é que interpretamos bem os textos legais, este ferimento do coração era o gesto regulamentar que devia o soldado fazer para entregar o corpo à sepultura.

Segundo São João, foi depois do golpe de lança que José de Arimateia foi à fortaleza Antônia pedir a Pilatos o corpo de Jesus. Mas, desde que chegaram ao Calvário, todo o pelotão via muito bem aquele grupo de certa importância, além de “numerosas mulheres”, conforme acrescenta Marcos depois de sua enumeração nominal, que cercava Maria e João, sendo estes visivelmente os membros da família. Se todas estas pessoas se mantiveram inicialmente ao longe (“apo makrothen”), por fora do círculo das sentinelas, devem ter se aproximado após a partida dos judeus insolentes. A prova disto está nas palavras de Jesus a sua Mãe e ao discípulo amado. Talvez, até, os soldados os tivessem ouvido manifestar a intenção de pedir o corpo. Em todo o caso, era evidente que o fariam. Uma vez verificada a morte, o golpe de lança se tornava um gesto natural e favorável para preparara entrega do corpo de acordo com o regulamento. Confesso, com franqueza, que esta ideia me conforta e me faz compreender melhor.”

BARBET, Pierre. A Paixão de Cristo, segundo o cirurgião. São Paulo: Edições Loyola, 2014, pág. 65-80.

 

Arqueologia e Crucifixão

“A) USO DA CRUCIFIXÃO

É necessário, com efeito, chegarmos às conquistas de Alexandre, que a recebeu dos persas, para vê-la entrar na história helênica. Continuou aí a ser empregada sob os diádocos, na Síria sob os selêucidas, como Antíoco Epifânio, e no Egito sob os ptolomeus. Em Siracusa, cidade grega, Dionísio, o tirano, tê-la-ia talvez recebido dos cartagineses.

(…)

Em Roma, começou se a aplicar o verdadeiro suplício da cruz, durante as guerras, aos desertores, ladrões e, sobretudo, aos revoltosos vencidos. Em parte alguma foi este motivo mais abundantemente explorado que no país israelita: desde os 2.000 judeus sediciosos de Herodes, o Grande, até as hecatombes do cerco de Jerusalém, em que os romanos chegaram a crucificar 500 judeus por dia, segundo o testemunho de Flávio José, historiador de raça judaica (…)

Em tempo de paz, era primordialmente o suplicio dos escravos. (…)

No começo, a cruz estava reservada às revoltas coletivas, como a de Spartacus, da qual sabemos que, após sua repressão, 6,000 cruzes balizaram a estrada de Cápua a Roma. Mais tarde, porém, os proprietários receberam o direito de vida e morte, sem apelação, sobre seus escravos, considerados animais. A costumeira ordem de morte era “fone crucem servo-Impõe a cruz ao escravo”.

B) INSTRUMENTOS DA CRUCIFIXÃO

Geralmente a cruz regulamentar, se é que assim se pode falar, era formada por duas peças distintas.(…) Uma das peças, a vertical, enterrada permanentemente como um poste fixo, era o “stipes crucis -tronco da cruz”; a outra, móvel e que se fixava horizontalmente sobre a primeira, se chamava o “patibulum”.

1°) Stipes crucis- Digamo-lo em português: o tronco da cruz, porque “stipes” quer dizer tronco de árvore, estaca e ainda estaca pontiaguda. (…) “Crux (cruz) em latim, como “stauros” em grego, não é outra coisa senão uma estaca fixada verticalmente no chão. (…)

O significado da palavra “crux” estendeu-se, em seguida, ao conjunto dos dois paus ajustados um ao outro, tal como o concebemos hoje em dia, com a forma +.

(…)

Não devemos, nestas pesquisas sobre um suplício que era quotidiano, esquecer a noção de comodidade, já aperfeiçoada por não pequeno uso. E, por tanto, conveniente que nos coloquemos sempre na situação de um carrasco da época.

2°) Patibulum-Furca – (…) Mas, como nem sempre se tinha à mão uma “furca”, passou-se usar um pedaço de pau comprido que servia para trancar as portas e que se chamava “patibulum”  (…) Carregava-a, geralmente, sobre a nuca, tendo os dois membros superiores estendidos e amarrados sobre ela de modo que ficasse, desta forma, também impedido de atacar a quem quer que fosse.

(…)

3°) Conjunção dos dois pausFicavam, ordinariamente, os dois paus separados; (…) A priori, podia-se fazer de duas maneiras: ou inserindo-o em uma das faces da estaca ou apoiando-o sobre a extremidade dessa mesma estaca; fazia-se uma cruz (†) ou um T, o Tau maiúsculo do alfabeto grego.

(…) Quase todos os arqueólogos modernos pensam que a cruz romana era em T.

(…)

4°) Sedile – E possível que, em certos casos, se fixasse à parte anterior do “stipes”, em sua parte média, uma espécie de tolete horizontal, de madeira que passasse entre as coxas e sustentasse o períneo.

(…)

Ao estudar as causas da morte na crucifixão, veremos que este apoio era destinado a prolongar consideravelmente a agonia por diminuir a tração sobre as mãos, causa de tetania e asfixia.

(…)

5°)  Suppedanaeum – (…) fazendo os pés de Jesus repousar sobre um consolo horizontal ou oblíquo, sobre o qual estão pregados.”

BARBET, Pierre. A Paixão de Cristo, segundo o cirurgião. São Paulo: Edições Loyola, 2014, pág. 52-55.

 

Prefácio

“(…) reunisse em um livro o resultado de minhas experiências anatômicas, pesquisas arqueológicas e escriturísticas, bem como de minhas meditações e reflexões sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

E este, com efeito, um assunto que há mais de vinte anos não me tem deixado o pensamento, indo às vezes até a obsessão.”

BARBET, Pierre. A Paixão de Cristo, segundo o cirurgião. São Paulo: Edições Loyola, 2014, pág. 11.

 

Peça Arqueológica

“Uma análise de alguns fios retirados do tecido, efetuada pelo professor Gilbert Raes, do Instituto Ghent de Tecnologia Têxtil, levou à conclusão, em 1973, de que o pano do Sudário é um tecido de linho, com alguns traços de fibras de algodão do tipo Gossypium herbaceum, que era muito cultivado no Oriente Médio, no primeiro século da nossa era, e que não existe na Europa.

Não se encontra nenhum fio de lã, o que parece sugerir que o tecelão era judeu, já que a Lei proibia que se misturassem produtos de origem animal e de origem vegetal o linho (cl. Dt 22, 11). neste caso, a lã e o linho (cf. Dt 22,11).

(…) Max Frei, dedicou-se a estudar profundamente, a partir de 1973, os pólens do tecido, que podem conservar a sua forma característica durante 3.000 ou 4.000 anos. Baseado no fato de que os pólens raramente vão além de um quilômetro da planta que os originou, pôde dar uma indicação valiosa sobre as regiões em que o Sudário teria estado.

Nessa pesquisa, identificou o pólen de 49 plantas, algumas delas características da Itália e de outros países da Europa, mas 33 que só crescem na Turquia e em Jerusalém ou num deserto próximo desta cidade, que é o único lugar do mundo em que crescem certas espécies vegetais simultaneamente halófilas (que suportam sal) e xerófilas (com preferência por solo seco).

(…)

Nas últimas pesquisas científicas, Jackson e Jumper descobriram as marcas de objetos colocados nos olhos da pessoa envolvida no Sudário (fig. 9), e sugeriram que se tratava de moedas (…) descobriram-se por análise de computador 24 coincidências de dimensões, ângulos, seleção, etc., com o lepto, uma moeda cunhada por Pôncio Pilatos entre 29 c 32 d. C.

ESPINOSA, Jaime. O Santo Sudário. São Paulo: Quadrante, 2017, pág. 23-24.