Sustentação Para a Autenticidade – Pólen

“Chegou a hora em que a verdade científica deve deixar de ser a propriedade de alguns poucos, e deve entrelaçar-se à vida cotidiana do mundo. (Jean Louise Rodolphe Agassiz)

Estudos recentes do pólen encontrado no Sudário e comentários arqueológicos acerca do padrão do tecido contribuíram para que a idade do Sudário fosse estimada. Os estudos do pólen foram feitos pelo dr. Max Frei, um criminalista internacionalmente famoso-que, além de ser professor de Criminologia na Universidade de Zurique, fundador e ex-diretor do Laboratório Cientifico da Polícia de Zurique, possui um doutorado em botânica e é um renomado perito botânico a respeito da flora mediterrânea.

Em 1973, Frei ou fitas adesivas para coletar amostras de poeira de várias áreas do Sudário e analisou esta poeira usando um microscópio luminoso e um microscópio de escaneamento de elétrons. Identificou com sucesso 49 espécies de pólen. Em 1978, ele coletou amostras adicionais do Sudário e recebeu amostras do receptáculo de prata que o Sudário tinha sido guardado. Identificou com sucesso outras oito, perfazendo o total de 57 espécies de pólen (tabela 5) provenientes da região do mar Morto, do Negev, de Constantinopla, das estepes da Anatólia, na Turquia, e de regiões da Europa.

Tabela : 5

(…)

O geólogo alemão Lennart von Post (1884-1951) foi quem primeiro estabeleceu os princípios básicos da análise do pólen em seus estudos sobre ambientes primitivos. Ele determinou as seguintes características básicas: a) várias plantas produzem grandes quantidades de pólen (um pinheiro pode produzir 100 bilhões de grãos de pólen); b) o revestimento exterior dos grãos de pólen (esina) é extremamente durável, sobrevivendo por centenas de milhões de anos; e, c) todas as plantas da mesma espécie produzem grãos de pólen com a mesma forma geral, mas esta conformação mostra-se diferente de acordo com as espécies. Cerca de 5% (4,95%, exatamente) dos grãos de pólen carregados pelo vento voltam a cair sobre a terra num raio de 1.600 metros das plantas que os geraram-exceto alguns que chegam a viajar por até 48 quilómetros. O tamanho dos grãos de pólen varia entre dez e duzentos milésimos de milímetro, suas formas vão desde a esférica até a espiralada, e sua superfície pode ser áspera e irregular ou completamente lisa e uniforme. Uma membrana protetora chamada esina reveste os grãos de pólen, e é muito resistente à ação de substâncias químicas, sendo responsável pela excelente preservação do pólen sob circunstâncias adversas. O pólen mistura-se à atmosfera, é carregado por massas de ar, e cai sobre a terra; quando os grãos caem sobre lagos, depositam-se em camadas. O pólen tem sido utilizado pelas ciências forenses para identificar suspeitos em vários crimes e reconstituir as ações de vários indivíduos, vivos ou mortos.

Frei descobriu que somente 17 das 58 espécies presentes no Sudário eram comuns na França ou Itália. Praticamente todas as outras eram de origem não-europeia e comumente encontráveis na região de Jerusalém.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 366-372.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.