Explicação dos Evangelhos Pela Arqueologia

“1°) A condenação- Para tal era necessário um motivo que caísse sob a legislação romana. Em Jerusalém, só Pilatos possuía o “jus gladii”, isto é, o direito de vida e de morte (…) Os motivos de ódio dos sinedritas não podiam, é claro, ser apresentados perante um funcionário romano. É por isso que, logo de início, acusam Jesus de levar o povo à revolta. (…) Três vezes repete Pilatos: “Nada encontrei nele que o faça merecer a morte”. Alegaram então os judeus que se fazia ele Filho de Deus, o que segundo sua própria lei implicava a pena de morte. Isso, porém, não comoveu o procurador; pelo contrário, o inquietou vagamente em sua alma supersticiosa. Para um pagão, “Filho de Deus é sinônimo de “herói”. (…) Não foi senão após numerosos giros e tentativas que os judeus acabaram finalmente por encontrar o motivo que forçaria Pilatos a condená-lo: “Ele se fez rei, e se tu o libertares não és ami go de César”. Astúcia verdadeiramente satânica, porque, além de incluir um capítulo de acusação regular de bastante gravidade, a “rebelião contra César“, veio perturbar profundamente a inquietude egoísta de um pobre funcionário colonial, de não vir a desgostar o governo central, e ainda o temor de vir a ser incluído em tentativa subversiva contra o imperador. (…)

O procurador vingar-se-á dos judeus escrevendo sobre o “titulus: “Jesus de Nazaré, rei dos judeus” (…) o que escrevi, escrevi).

2º) A flagelação- (…) em São Lucas, Pilatos repete duas vezes aos judeus Fá-lo-ei, pois, castigar e o soltarei”, de onde vemos sua intenção de infligir a flagelação, como pena em si; (…) São João, sempre mais explícito quando julga conveniente completar, sem contradizer os Sinóticos, na qualidade de testemunha ocular, nos apresenta as minúcias do processo. (…) “Então Pilatos tomou Jesus e o fez flagelar (Jo 19,1). Segue-se a flagelação, a coroação de espinhos, a saída do “Ecoe homo”, a acusação de se ter feito Filho de Deus. (…)

Como se vê, a flagelação precedeu a sentença de morte e até a maior parte cio “actio” do processo (…)

4°) Transporte da cruz- (…) só carregou segundo esse mesmo costume o patíbulo, e não a cruz inteira, como o representa a maior parte dos artistas. Já vimos como a expressão “carregar a cruz”, que só se nos gregos ou latinos traduzidos do grego, era exatamente equivalente à expressão romana “carregar o patíbulo”

(…)

Depois, os soldados, percebendo que ele não conseguiria, dessa forma, chegar ao Calvário, forçaram, segundo os três Sinóticos, um o homem de Cirene a carregar a haste horizontal, ou patíbulo. (…) Somente Lucas é quem acrescenta que a levava atrás de (“opisthen) Jesus, o que quer dizer que Jesus caminhava na frente, conduzido pelos soldados, e Simão o seguia carregando sozinho o patíbulo.

(…)

Notaremos que atestam os Evangelhos não ter sido Jesus submetido ao costume romano, segundo o qual os condenados caminhavam para o suplício completamente nus. “Despiram-no da clâmide de púrpura e lhe devolveram suas vestes para o conduzir à crucifixão. Explica-se facilmente a exceção pelo hábito que tinham os romanos de respeitar os costumes locais. Flávio José escreve (Contra Appionem “Romani subjectos non cogunt patria jura transcendere -Os romanos não forçam (os povos) submetidos a transgredir as leis pátrias”.

(…)

Imagino pelourinhos de quase dois metros, o que permitia neles enganchar facilmente o patíbulo. Os pés, com facilidade, podiam ser pregados sobre o mourão (dada a flexão das coxas e pernas, que calcularemos com exatidão), a cerca de 50 cm do solo.

(…)

Convém recordar que quando apareceram os primeira crucifixos, ainda muito raros, em fins do século V (marfim do “British Museum”), século VI (Porta de Sta. Sabina, Evangeliário de Rábula já havia quase dois séculos que a crucifixão havia sido abolida por Constantino (315, o mais tardar 330), de modo que os artistas dessa época não haviam jamais visto um crucificado.

(…)

Seria realmente interessante saber como cristãos dos primeiros séculos imaginavam a cruz. Infelizmente, era esta em o mundo romano um objeto que inspirava horror acarretava tanta infâmia que ninguém ousava exibi-la, ainda olhos fiéis. Toda a catequese apostólica antes tudo uma pregação triunfante da Ressurreição. Os primeiros crucifixos (V e VI séculos) serão imagens triunfantes de Jesus Cristo vivo, colocadas diante da cruz. Somente na Idade Média é que se desenvolveria a imagem e o culto da Paixão, a ideia mística da Compaixão.

(…)

Coisa curiosa: encontra-se a mesma disposição, com a letra M, com um traço por cima: M, que todos os arqueólogos admitem como abreviação de Mártir.

7°) Estava Jesus nu sobre a cruz? -Antes de tudo, é bem evidente que, antes de o crucificarem, lhe tiraram as vestimentas, uma vez que os soldados as dividiram entre si e tiraram a sorte de sua túnica (Jo 19,23). Trata-se, pois, de saber se conservou algum pano em volta dos rins. De acordo com o citado estudo de Pe. Holzmeister, foram os Padres unânimes em afirmar essa nudez.

A esta opinião pode-se opor um texto apócrifo tirado dos “Atos  de Pilatos, segundo o qual, depois de lhe terem tirado as vestimentas, lhe teriam restituído um “lention”, palavra grega que quer dizer “pano”, uma espécie de tanga.

Seria de admirar que os romanos, que o haviam tornado a vestir, após a flagelação, para que carregasse a cruz, contrariando seus próprios costumes, a fim de condescender com as ideias judaicas de decência e respeitar as tradições nacionais, não lhe tenham deixado sobre a cruz pelo menos este último resto de indumentária.

(…)

Em todo o caso, repito: jamais artista algum quis fazer um crucificado inteiramente nu.

Ora, é justamente isto que encontramos no Sudário. Será possível que um falsário tivesse tido ideia tão fora do comum, que iria chocar violentamente todas as nossas tradições artísticas de decência e de respeito?

8°) Fixação – (…) Jesus é pregado ao patíbulo estando este deitado ao solo. Depois é erguido juntamente com este, é encostado ao “stipes”, e todo o conjunto é erguido para ser enganchado o patíbulo no alto do “stipes”.

(…)

Ora, acabam precisamente de verificar que Jesus estava visivelmente morto e, por isso, lhe poupam o “crurifragium”, que rapidamente vai acabar com os dois ladrões, precipitando-os na tetania e asfixia, como veremos mais tarde. É sobre um cadáver, já averiguado como tal, que um dos soldados vai desferir um lançaço no coração?!

A razão está em que, se é que interpretamos bem os textos legais, este ferimento do coração era o gesto regulamentar que devia o soldado fazer para entregar o corpo à sepultura.

Segundo São João, foi depois do golpe de lança que José de Arimateia foi à fortaleza Antônia pedir a Pilatos o corpo de Jesus. Mas, desde que chegaram ao Calvário, todo o pelotão via muito bem aquele grupo de certa importância, além de “numerosas mulheres”, conforme acrescenta Marcos depois de sua enumeração nominal, que cercava Maria e João, sendo estes visivelmente os membros da família. Se todas estas pessoas se mantiveram inicialmente ao longe (“apo makrothen”), por fora do círculo das sentinelas, devem ter se aproximado após a partida dos judeus insolentes. A prova disto está nas palavras de Jesus a sua Mãe e ao discípulo amado. Talvez, até, os soldados os tivessem ouvido manifestar a intenção de pedir o corpo. Em todo o caso, era evidente que o fariam. Uma vez verificada a morte, o golpe de lança se tornava um gesto natural e favorável para preparara entrega do corpo de acordo com o regulamento. Confesso, com franqueza, que esta ideia me conforta e me faz compreender melhor.”

BARBET, Pierre. A Paixão de Cristo, segundo o cirurgião. São Paulo: Edições Loyola, 2014, pág. 65-80.

 

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.