Os Caminhos Que Levam a Mim

“No Bhagavad Gita, o Senhor promete: “Qualquer que seja o modo pelo qual as pessoas sejam devotadas a Mim, nessa medida Eu Me manifesto a elas. Todos os homens, de todas as maneiras (de Me buscar) seguem um caminho que leva a Mim” (IV:11).”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 340.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.

Obstáculos no Caminho Espiritual

“Os caprichos da volubilidade e o entusiasmo mental por tudo que seja novo são reais obstáculos no caminho espiritual. Experimentar uma igreja após outra, um instrutor após outro, coletando uma confusão de ideias incompatíveis – esta é uma fórmula segura de desenvolver indigestão teórica. O caminho para a sabedoria consiste em assimilar verdades por nossa própria percepção pessoal – não em acumular conceitos sem submetê-los à prova para confirmar sua validade.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 210.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

A Busca de Cristo e o Poder Divino

“Quando a multidão armada anunciou a quem buscava, Jesus os confrontou com a simples declaração: “Sou eu” *, ou seja: “Eu sou a Consciência Crística manifestada no corpo de Jesus, a quem vós per seguis”. Apesar de inflamados e dispostos a capturar o mestre com violência, todos da multidão instantaneamente “recuaram, e caíram por terra“, devido ao absoluto poder que emanou de Jesus quando ele assim declarou sua divindade.”

* Nota: “Em grego, simplesmente Eu sou, expressão utilizada com frequência no evangelho no sentido corriqueiro mas muitas vezes com conotação divina também, uma vez que EU SOU’ é uma versão do nome de Deus na Bíblia hebraica (ver Êxodo 3:14-15).” – Robert J. Miller, ed., The Complete Gospels: Annotated Scholars Version (Harper, San Francisco, 1994). (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 369.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Consciência e Yoga

“No Bhagavad Gita, o Senhor diz: “Aquele que está livre de ódio a todas as criaturas, é amigável e benevolente para com todos, é desprovido de possessividade e da consciência do ‘eu’, é equânime no sofrimento e na alegria, tudo perdoa e está sempre contente, que pratica yoga com regularidade, buscando o tempo todo conhecer o Eu e unir-se ao Espírito por meio da yoga, que é dotado de firme determinação, com a mente e o discernimento entregues a Mim, esse é Meu devoto e Me é querido”.*

*Nota: A Yoga do Bhagavad Gita, XII:13-14.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 368.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Disposição para Orar e Meditar

“(…)o buscador de Deus, que mantém sua percepção concentrada no olho espiritual, é guiado pelas sugestões provenientes da consciência e da intuição. Desse modo, seu discernimento e autocontrole estão sempre despertos e alertas, capazes de reconhecer e debelar a incitação de impulsos e hábitos prejudiciais que a ilusão cósmica insinua à sua consciência identificada com o corpo.

(…) Jesus elogiou a disposição interior do devoto que, por amor a Deus e ao bem, realiza um intenso esforço por orar e meditar apesar da desobediência do corpo. Tal estado é muito melhor que a hipocrisia de manter o corpo exteriormente em postura de meditação e oração enquanto interiormente se está rebelde e com má vontade.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 365.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Muitos Chamados, Poucos Escolhidos

Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (Mateus 22:1-14)

Sempre que um profeta está pronto para iniciar sua missão na Terra, Deus envia vibrações que atuam como mensageiros com a finalidade de chamar a todos os que estejam conscientes dessas elevadas vibrações para que sigam essa alma iluminada. De acordo com a lei espiritual, o próprio Deus assim celebra na Terra a União Divina de um devoto liberto que realmente se tenha desposado com a verdade e com os princípios mais elevados. Usualmente o Senhor leva a termo tal celebração com a ajuda de vibrações magnéticas – seus servos – que Ele difunde em diferentes direções, conforme seja determinado pelo propósito da missão do profeta (exceto quando a obra do ser liberto se realize por trás dos cenários externos do homem). Os buscadores são assim atraídos a unir-se às alegres festividades do banquete espiritual em honra do santo liberto que se desposou com o Espírito da Verdade.

(…)

Entretanto, muitos dos convidados se mostraram negligentes por absoluta falta de interesse espiritual, deixando de reconhecer que esse convite era uma resposta de Deus às suas orações anteriores. (…) Outros, com atitude superficial e obstinada ignorância, sufocaram (“mataram“) de imediato os mensageiros das vibrações divinas que haviam transmitido o anúncio a seus corações.

Quando o Pai Celestial percebeu as más vibrações de rejeição emanando daqueles a quem desejava abençoar, Ele não pôde deter os exércitos das leis cósmicas e cármicas que governam todas as ações humanas. Estas leis punem os que são “homicidas” intencionais (que destroem as boas vibrações), incendiando a cidade de sua consciência com o fogo invisível da disciplina purificadora. Naqueles que ignoram o convite de Deus, o senso espiritual é destruído por um longo tempo, até que se arrependam e mereçam nova oportunidade.

Conforme citado na parábola, o Senhor Misericordioso enviou ainda uma terceira vez seus invisíveis servos vibratórios para que falassem ao coração de outros buscadores. Em resposta ao anúncio da cerimônia de erradicação da ignorância, muitos aspirantes a discípulo – tanto de alto como de baixo nível espiritual -, procedentes de todos os caminhos da vida, vieram testemunhar as bodas entre o profeta liberto e a Verdade.

As almas sinceras que seguem a senda da Autorrealização são receptivas e apreciam um profeta e seus ensinamentos. Mas entre a multidão há também pessoas hipócritas que se associam aos grandes mestres – e às organizações que promovem os caminhos da verdade por eles indicados – somente em busca de encanto e festividades, ou para adquirir prestígio pessoal. Portanto, o que se pode inferir da parábola é que o Pai Divino, em Seu papel de Anfitrião, veio examinar os hóspedes que haviam sido atraídos por seu convite. Descobriu que hipócrita se juntara aos devotos; ele não usava o traje nupcial da sinceridade.

Muitos buscadores da verdade, devido a variáveis graus de intensidade de seu anseio espiritual, intermitentemente atraem a atenção de Deus e recebem Seu convite à consciência celestial que se encontra dentro deles; no entanto, somente são escolhidos para entrar no reino divino da Consciência Cósmica aqueles poucos que são meritórios de acordo com seu ardente e perseverante interesse pela verdade e por Deus, demonstrado através de sinceros esforços para espiritualizar sua vida mediante a oração incessante e a meditação profunda.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 185-187.

Capítulo 65 : Jesus ensina pela última vez no templo de Jerusalém.

Busca Revelada

“(…) Nos séculos que precederam à Sua vinda, houve, no Egito, Índia, Pérsia e outros setores do Oriente Próximo, escolas e movimentos secretos dedicados à perpetuação de sabedoria revelada. (…) Havia também, em cada um desses países, uma ou mais organizações secretas formadas de livres pensadores, filósofos, místicos iluminados e religiosos que buscavam a verdade sobre os mistérios da vida e preferiam as revelações espirituais e cósmicas que lhes vinham como uma bênção de Deus e uma dádiva para a Humanidade, e, pouco a pouco, abandonaram as antigas tradições, superstições e crenças mitológicas dos seus ancestrais. Portanto, em todas as terras houve, durante séculos, luta entre os que buscavam a verdade revelada e os protetores das formas mais antigas e falsas de religião.

LEWIS, H. Spencer. As Doutrinas Secretas de Jesus. Rio de Janeiro: Biblioteca Rosacruz, V. II, Ed. Renes, 1983, p. 41-42.

A Montanha: Simbologia

“A verdade é que subir a montanha em busca de iluminação é uma frase simbólica e mística, nada tendo a ver com qualquer montanha física, real, ou com altitudes de caráter físico.(…)”

(…)

Subir a montanha, na terminologia mística da Grande Fraternidade Branca e nos escritos místicos dos Avatares e Mestres do passado, significava a elevação do Eu espiritual interior a uma grande altura onde o contato Cósmico, ou Consciência Cósmica, era definido e completo. (…) Sempre que um grande místico ou Mestre do passado tinha de entrar em contato ou em confronto com as fases terrenas, não espirituais da vida e lutar com um problema puramente mundano, ele ia para o vale ou para o deserto e não para o alto da montanha.

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 210-211.

Não Há Iluminação sem Estudo e Preparo

O buscador da Divina refulgência e da Consciência Cósmica que tenta aguardar a chegada do Mestre e o fulgor da Iluminação sem estudo e preparação, sem associar-se àqueles que estão qualificados para auxiliar e orientar, retarda a chegada do grande dia e muitas vezes fecha a porta no Mestre. E este fato que explica a criação de igrejas e a manutenção de fraternidades e sociedades secretas devotadas à preparação espiritual do homem.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 202.

Inquietação nos Estudos Sobre a Vida de Jesus

“Em meus contatos com buscadores das verdades espirituais durante vinte e cinco anos, descobri que o estudante de misticismo, metafísica, psicologia e ocultismo acaba sendo inevitavelmente atraído para um estudo mais minucioso e analítico da vida e dos ensinamentos de Jesus, o Cristo. Toda a sua missão, suas doutrinas, parábolas, milagres e exortações esclarecedoras vão gradualmente fascinando e se harmonizando com o lado espiritual de todo estudante místico, provocando-lhe uma inquietação que só encontra alívio quando ele se aprofunda nos mistérios de Sua vida.”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 13.