7 veículos (corpos) de manifestação do homem-espírito

ATMA ou ESPIRITUAL (Eu Sou, Centelha Divina)
Conexão com todas as realidades do Universo (ao Divino e suas leis). Onde estão guardadas as estruturas monádicas que dão sustentação a nossa vida terrena -códigos de DNA e programas originais de cada espírito. Coordena todos os outros corpos.

BUDDHI (Alma consciencial, intuitiva, moral)
Armazena os registros/memórias de todas as nossas vivências/experiências encarnacionais, sejam elas boas ou ruins. Planeja e supervisiona o programa encarnatório. Recebe informações de todo agregado.

MENTAL SUPERIOR
Guarda os pensamentos, conceitos e ideias abstratas (tudo que está em nosso inconsciente).Guarda informações de todas as experiências que necessitam correções.

ASTRAL
Aqui residem as emoções e paixões ligadas ao Ego. Informações/impressões de caráter emocional se fixam neste corpo – relacionamentos familiares/amorosos, descontrole emocional, sentimento negativos, apegos não resolvidos, vícios. Ligado ao nosso estado psico-emocional – afeta nosso sistema imunológico. IMPORTANTE NO PROCESSO DE CURA E LIBERTAÇÃO.

MENTAL INFERIOR
Alberga a manifestação da MENTE – inteligência, raciocínio, consciência – pensamentos “mais corriqueiros”. As percepções e sensações (sentidos) se fixam neste corpo. Apego à riqueza, poder e prazeres mundanos aí permanecerão até que se abra mão deles em benefício próprio.

DUPLO ETÉRICO
Sede dos Chakras. Órgãos têm seus duplos luminosos.

FÍSICO (SOMA)

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 95-103.

Observações Espirituais

“Mas e a luz? A matéria que conhecemos no mundo transfigurou-se. Tudo aqui se converteu em claridade nova!”

    • Um homem encarnado é um gerador de força eletromagnética, com oscilação por segundo, registrada pelo coração.
    • Todas as substâncias vivas da terra emitem energias, enquadradas nos domínios das radiações ultravioletas
    • (…) Em apreciáveis condições vibratórias pela sincera devoção ao bem, com esquecimento do seus próprios desejos. Podem, deste modo projetar raios mentais, em vias de sublimação, assimilando corrente superiores e enriquecendo os raios vitais* de que são dínamos comuns.

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 19-26.

Grupos Espirituais

“cada planeta revoluciona na órbita que ele é assinalada pelas leis do equilíbrio, sem ultrapassar as linhas de gravitação que lhe dizem respeito, e cada consciência envolve no grupo espiritual a cuja movimentação se subordina.

“somos, pois, vastíssimo conjunto de inteligências, sintonizadas no mesmo padrão vibratório de percepção, integrando um todo, constituído de alguns bilhões de seres, que formam por assim dizer a humanidade terrestre.

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 11-18.

Consciências retidas

Quanto mais avança na ascensão evolutiva, mais seguramente percebe o homem a inexistência da morte como cessação da vida.

E agora, mais que nunca, reconhece-se na posição de uma consciência retida entre forças e fluídos, provisoriamente aglutinados para fins educativos.

Prefácio de Emmanuel. Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 7-10.

O futuro pertence ao espírito!

Os laboratórios são templos em que a inteligência é concitada ao serviço de Deus, e, ainda mesmo quando a cerebração se perverte, transitoriamente subornada pela hegemonia política, geradora de guerras, o progresso da ciência, como conquista divina, permanece na exaltação do bem, rumo ao glorioso por vir. 

O futuro pertence ao espírito!

Prefácio de Emmanuel. Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 7-10.

Propósito espiritual versus realidade temporal

(Fernão Dias Paes para Ismael)

“Aqui, na vida espiritual, compreendemos semelhantes realidades; mas, no orbe das sombras, a nossa consciência mergulha nas mais aflitivas perturbações e bem sabeis que a água mais pura, misturando-se com a terra, se reduz quase sempre a um punhado de lama.”

Ismael não se demorou para esclarecer:

“A Terra é a escola abençoada, onde aplicamos todos os elevados conhecimentos adquiridos no Infinito. É nesse vasto campo experimental que devemos aprender a ciência do bem e aliá-la à sua divina prática. Nos nevoeiros da carne, todas as trevas serão desfeitas pelos nossos próprios esforços individuais; dentro delas, o nosso espírito andará esquecido de seu passado obscuro, para que todas as nossas iniciativas se valorizem. Precisamos entender essas brandas disposições das leis divinas, para que o determinismo do amor e da fraternidade constitua a lei da existência de todas as coisas e de todos os seres.”

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, pp. 63-64.

Ação de bem travestida ao patamar evolutivo da época

Importa notar que as cenas dolorosas e lastimáveis, decorrentes da invasão, não foram organizadas pelas abnegadas falanges do mundo invisível. As causas profundas desses fatos residiam no estado evolutivo da época.

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, p. 54.

O momento do Brasil, por Emmanuel

(…) O Brasil terá a sua expressão imortal na vida do espírito, representando a fonte de um pensamento novo, sem as ideologias de separatividade, e inundando todos os campos das atividades humanas com uma nova luz.

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, p. 6.

Deus oculto

“Embora esteja oculto em todas as coisas” dizem os hindus, “o Espírito não se mostra; no entanto, é visto por videntes refinados de mentes superiores e aprimoradas”. “Racha o cajado”, diz um aforismo gnóstico, “e ali está Jesus”.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 141.

Tudo está em mudança

“Tudo está em mudança; nada morre. O espírito vagueia, ora está aqui, ora ali, e ocupa o recipiente que lhe agradar… Pois o que existiu já não é, e o que não existiu começou a ser; e assim todo ciclo de movimento se reinicia”. “Apenas os corpos em que habita o eterno, imperecível, incompreensível Eu, perecem.”

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 35.

Citando Ovídio e Bagavaguita.