Vibração Cósmica de Om

“Jesus, por meio do poder da Vibração Cósmica de Om e com sua voz impregnada de Om, ordenou ao demônio que deixasse o corpo do indivíduo acometido. O demônio, sem desejar obedecer a Jesus, lutou contra a poderosa vibração. Isso gerou convulsões no corpo do homem endemoninhado enquanto a poderosa Corrente Cósmica vibrando em seu interior tentava desalojar e expulsar o espírito intruso. Por fim, a entidade demoníaca saiu do corpo violentamente, deixando o homem exausto e abalado, mas não ferido, incapaz de causar-lhe dano graças à intervenção do divino Cristo Jesus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 446.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Desalojar Demônios Imputros

“Um corpo humano comumente não pode alojar um outro ser junto com o seu (exceto no caso de uma gestante); mas pessoas espiritualmente habilitadas são capazes de discernir casos autênticos de possessão espiritual, porque dentro do indivíduo possuído podem contemplar, por meio de seus poderes psíquicos, o corpo astral do visitante invisível lado a lado com o corpo astral do hospedeiro. O único modo pelo qual um leigo pode identificar um caso de possessão por espíritos é pela análise dos diferentes estados de paroxismo e de comportamento violento a que está sujeito o possesso. Quem está possuído por maus espíritos demonstra usualmente uma força física incomum, olhos avermelhados, uma expressão inexplicavelmente estranha e ausência de conduta normal.

(…)

Se a possessão por demônios impuros ou espíritos desencarnados prossegue por muito tempo, grande dano ocorre no cérebro, na mente e nos órgãos sensoriais do indivíduo possuído, trazendo a ameaça de uma insanidade permanente.

(…)

É necessário ter uma forte concentração e divino poder de vontade para desalojar um mau espírito. Quem tem força espiritual dinâ mica pode expulsar a entidade olhando-a de maneira constante nos olhos do indivíduo acometido, utilizando um firme e silencioso poder de vontade de forma contínua, enquanto ordena internamente ao mau espírito que se vá.

Ao sussurrar “Om” repetidas vezes no ouvido direito de um indivíduo possesso, o espírito maligno terá que partir. As almas perdidas, vindas das obscuras regiões astrais inferiores, não podem suportar a vibração elevada da consciência e pensamentos espirituais. A pronúncia de nomes e palavras sagradas, especialmente Om, Om, Om, no ouvido de indivíduos possessos geralmente traz uma resposta rápida e amedrontada (…)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 444-445.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Forncecer Força Interior

“Fornecer alimento ao faminto é bom; transmitir força interior aos que estão mentalmente enfraquecidos, de modo que possam se defender sozinhos, é ainda melhor; e conferir sabedoria libertadora aos que estão desnorteados espiritualmente é de suprema importância.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 426.

Capítulo 23: Pescadores de Homens.

Firme Como uma Pedra

“Em Simão Pedro, Jesus discerniu uma força divina sobre a qual estabeleceria as primeiras fundações de seus ensinamentos, e predisse que a vida espiritual de Simão seria tão firme como uma pedra (hebraico: cephas; grego: Petros [Pedro], “uma rocha”)* (…)

(…)

Nota: Para os judeus da Palestina, este sinal especial de conferir a alguém um novo nome – tal como, no Gênesis, Deus modificou o nome de Abrão para Abraão e de Jacó para Israel – indicava que a pessoa havia sido escolhida para uma missão divina. Uma vez mais, Jesus reporta-se à tradição do Antigo Testamento ao inaugurar seu movimento revolucionário de renovação espiritual.” – Do livro Jesus and His Times, editor Kaari Ward (Pleasantville, Nova York: Reader’s Digest Association, 1987). (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 212.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

Forças da Natureza

Cala-te, aquieta-te.” Tão logo Jesus emitiu vibrações de paz –
consciência onipresente e a vontade onipotente de Deus que tinha dentro de si -, as forças da natureza, guiadas por Deus, seguiram imediatamente seu exemplo e se aquietaram,  imersasem vibrações de calma.

Todas as forças da natureza estão sujeitas ao poder que Deus conferiu à alma do homem.

(…) é evidente que a harmonia da natureza, o ciclo das estações, a precisão matemática da ordem planetária e o sustento da vida revelam a direção de uma lei inteligente e de um plano cósmico divino.

(…) sendo um mestre – não na imaginação, mas na percepção de sua unidade com o Espírito -, Jesus podia invocar a vontade de Deus manifestada em sua própria vontade a fim de controlar a violência da tempestade e a fúria das ondas.”

(…)

Quer um mestre ore por uma resposta específica de Deus, ou. em divina sintonia, deseje que se produza determinado efeito, ele ativa o poder de manifestação da vibração criadora de Deus. Muito antes de a ciência ocidental reconhecer a essência vibratória da matéria, os rishis da antiga Índia afirmavam que toda a gama de manifestações da natureza é uma objetivação de Om, o Som Primordial ou Verbo Vibratório. Eles demonstraram que todos os fenômenos naturais podem ser controlados ao manipular-se a vibração por meio de certos mantras ou cantos.

(…)

O homem foi feito para ser o senhor da natureza, e as forcas da natureza, por sua vez, trabalham unidas para servi-lo. O ser humano invalida seu domínio quando governa seu ambiente terreno de modo errôneo e egoísta. Ele guia a natureza – embora de maneira geral inconscientemente -, não apenas por meio de suas ações, mas também pela vibração de seus pensamentos.

(…)

Nas esferas celestiais do mundo astral é comum controlar a atmosfera e o estado de ser de uma pessoa. (Os seres astrais de níveis inferiores não possuem tal controle.) Nas regiões superiores, eles podem manipular as forças e imagens luminosas vitatrônicas de acordo com sua vontade.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 175-177.

Capítulo 38: “A tua fé te salvou” A tempestade, a doença, os demônios e a morte curvam-se diante da vontade de Jesus.

Força Mental e Ilusão

“Em sonho, o corpo físico sólido, o corpo astral luminoso e o corpo causal ou ideativo podem ser percebidos como reais. Se o sonhador desperta completamente, compreende que essas “realidades” são um sonho, o resultado de uma condensação da mente ou de uma imaginação materializada. Do mesmo modo, no sonho cósmico Jesus se encontrava limitado por seus corpos físico, astral e causal, cada um com seus instrumentos funcionais de percepção e consciência. Foi somente quando Jesus despertou por completo em Deus, três dias após a crucificação, que o sonho cósmico se desvaneceu totalmente na percepção de que apenas o Espírito existe. Mas tal percepção não abrandou a dificuldade de Jesus enquanto estava em sua cruz onírica e sob a influência do sonho cósmico. 

Deus cria primeiro o universo em pensamento e então o materializa em um sonho; mas Ele pode reverter à vontade o sonho material e transformá-lo num universo de puro pensamento. Os devotos que se encontram em sintonia com Deus podem perceber que o universo é constituído de pensamentos de sonho: um universo onírico que, no êxtase da profunda comunhão divina na meditação, pode ser contemplado como um universo de pensamento.

Enquanto a pessoa que tem pesadelos não desperta, é impossível convencê-la de que não está sofrendo; do mesmo modo, é muito difícil convencer qualquer ser humano que esteja sob a influência deste sonho cósmico de que ele está sonhando uma ilusão.

(…)

Em vez de ceder às exigências do corpo, o homem deve suportar com imparcialidade cada experiência que a vida apresente. Isso não significa festejar o sofrimento, mas preservar a mente forte quando vem a dor e o infortúnio. Aquele cuja mente alcança a vitória com prova que o sofrimento deixa de existir.

(…)

Quanto mais realidade se atribui ao sofrimento, maior é a dor; e ele não terá fim até que se transcenda aquele sonho. Jesus passou pela terrível provação na cruz para mostrar a todos nós que as experiências da vida terrena não podem nos afetar mais do que nossos sonhos noturnos quando conhecemos a Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 409-411.

Capítulo 74: A crucificação.

A Suficiência da Força Espiritual de Jesus

“Se bastasse somente a força espiritual de Jesus para afastar todas as dificuldades naturais do mundo físico, é evidente que ele também não precisaria encarnar-se na Terra para esclarecer “pessoalmente” o homem, pois isso poderia ser feito do próprio mundo invisível e só em Espirito. Para servir à humanidade encarnada Jesus necessitou mobilizar os mesmos recursos dos demais homens e honestamente enfrentar as mesmas dificuldades. Embora se compreenda que o génio já existe na intimidade do pintor excelso ou do compositor incomum, o certo é que o primeiro de pincéis e tintas e o segundo, de instrumentação musical para, então, darem forma concreta às suas criações mentais.

Jesus também era um gênio, um sábio e um anjo em espirito, mas precisou exilar-se na matéria para entregar pessoalmente a sua mensagem de salvação do homem. Em consequência, serviu-se de instrumentação carnal apropriada e enfrentou os óbices naturais do mundo físico para realizar sua tarefa de esclarecimento espiritual.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 185.

Comunidade de Apoio

“(…) É difícil contemplar opções radicalmente diversas num mundo onde a punição é tão prevalente, e onde há grande chance de sermos mal interpretados se não usarmos punição e outras formas coercitivas de comportamento. Por isso, ajuda muito fazer de uma comunidade de apoio que compreende o conceito de maternagem /paternagem do qual estou falando; ali encontramos o suporte para prosseguir num mundo que muitas rezes não dá incentivo a esse estilo de criação.

Com certeza, para mim sempre foi muito mais fácil persistir com essa metodologia da qual estou falando quando recebia empatia de uma comunidade de apoio – (…) poder falar com eles, ouvir suas frustrações e poder falar a eles das minhas. (…)”

ROSENBERG, Marshall. Criar Filhos Compassivamente: Maternagem e Paternagem na Perspectiva da Comunicação Não Violenta. São Paulo: Palas Athenas, 2020, pág. 49.

Uso Protetivo de Força

“Um modo de lembrar o propósito do uso protetivo de força é ver a diferença entre controlar a criança e controlar o ambiente. Ao punir estamos tentando controlar a criança fazendo com que ela se sinta mal pelo que fez, a fim de suscitar dentro dela vergonha, culpa ou medo.

No uso protetivo de força, nossa intenção não é controlar a criança; é controlar o ambiente. O objetivo é proteger nossas necessidades até que haja tempo de fazer o que realmente é necessário: ter uma comunicação de qualidade com a outra pessoa. E mais ou menos colocar telas nas janelas para nos protegermos dos mosquitos. É um uso protetivo de força. Controlamos o ambiente para evitar que coisas desagradáveis aconteçam.”

ROSENBERG, Marshall. Criar Filhos Compassivamente: Maternagem e Paternagem na Perspectiva da Comunicação Não Violenta. São Paulo: Palas Athenas, 2020, pág. 47.