Vida sadia

“A sociedade atual do sobreviver que absolutiza o sadio, destrói precisamente o belo. A mera vida sadia, que hoje adota a forma do sobreviver histérico, converte-se no morto; sim, num morto-vivo. Nós nos transformamos em zumbis saudáveis e fitness, zumbis do desempenho e do botox. Assim hoje, estamos por demais mortos para viver, e por demais vivos para morrer.”

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Ed. Vozes, 2022, Local 974.

Anexos: Tempo de celebração-a festa numa época sem celebração

O último homem

“O sujeito de desempenho explora a si mesmo do modo o mais efetivo, quando se mantém aberto para tudo, justo quando se torna flexível. Transforma-se assim no último homem. Como a histeria ou o luto, a melancolia é um fenômeno da negatividade, enquanto que a depressão tem a ver com um excesso de positividade”

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Ed. Vozes, 2022, Local 791.

Anexos: Sociedade do Esgotamento

A histeria

“A histeria é uma doença psíquica típica da sociedade disciplinar, na qual se estabeleceu também a psicanálise. Ela pressupõe a negatividade da repressão, que leva à formação do inconsciente. As representações pulsionais rechaçadas ao inconsciente se manifestam por meio da “conversão” como sintomas somáticos, que marcam inequivocamente uma pessoa. As pessoas histéricas apresentam uma morfologia característica. Por isso, a histeria admite uma morfologia que a distingue da depressão.”

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Ed. Vozes, 2022, Local 709.

Anexos: Sociedade do Esgotamento