Tratado sobre a Ressurreição

“O Tratado sobre a Ressurreição é um dos textos que compõem a Biblioteca de Nag Hammadi. Ele é o Volume 4 do Códice I, o Códice Jung. O texto encontrado em Nag Hammadi, Egito, escrito em Copta, datado entre os séculos II e III d.C., trata de um assunto polêmico, a ressurreição, que gerava muita discussão entre grupos diferentes de cristãos, gnósticos e ortodoxos.”

Nascimento, Peterson do. O Tratado Sobre a Ressureição (Coleção Apócrifos do
Cristianismo Livro XVII) – Versão Kindle, Posição 43.

O Evangelho Copta dos Egípcios

“O Evangelho Copta dos Egípcios ou Livro Sagrado do Grande Espírito Invisível é um dos textos que compõem a Biblioteca de Nag Hammadi.

(…)

O texto encontrado em Nag Hammadi está escrito em Copta, provavelmente uma cópia de um original em Grego. Este texto Grego original, segundo Ron Cameron (1951), pela forma que foi composto data do primeiro século do cristianismo, quando circulavam tradições de ditos. Alguma coisa entre os anos 80 d.C e 150 d.C. A técnica de composição do texto, de expansão de ditados para breves diálogos, é análoga ao que é encontrado no Evangelho Segundo Tomé e no Diálogo do Salvador, tanto no assunto quanto na estrutura dos textos.”

Nascimento, Peterson do. Evangelho Copta dos Egípcios (Coleção Apócrifos do
Cristianismo Livro XVI) – Versão Kindle, Posição 40-43.

O Itinerário do Lençol

“Um documento conservado na biblioteca real de Copenhague, datado de 1204, permite-nos talvez remontar a uma data anterior à tomada de Constantinopla. Contém o relato de um cava leiro cruzado, Robert de Clari, que diz: «Houve um mosteiro, que se chamava de Santa Maria de Blachernes, onde estava o lençol com que Nosso Senhor foi sepultado, o qual, todas as sextas-feiras, era exposto e permitia ver a figura de Nosso Senhor. Ninguém jamais, nem grego nem francês, soube o que aconteceu ao lençol quando a cidade foi tomada»?.

Diversos historiadores expõem hipóteses sobre o itinerário do Sudário antes de Constantinopla. Uma dessas hipóteses leva-nos à chamada Mortalha de Edessa.”

ESPINOSA, Jaime. O Santo Sudário. São Paulo: Quadrante, 2017, pág. 09.

Transferência dos Arquivos de Monte Carmelo

“Cerca de quatrocentos anos após o início do período cristão, o mosteiro e a escola do Monte Carmelo foram abandonados, deixando de ser o principal centro educativo da Grande Fraternidade Branca; a esplêndida biblioteca e seus milhares de manuscritos e registros foram transferidos para o mosteiro secreto no Tibete, onde continuam a ser preservados e onde é a maior de todas as escolas de misticismo e literatura sagrada.’

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p. 138.

Arquivos de Monte Carmelo

“Com o passar dos anos, a frequência à escola e ao mosteiro no Monte Carmelo tornou-se tão grande que surgiu uma comunidade, composta de estudantes, os quais adotaram uma forma própria de se vestir e permaneciam vida inteira dentro dos limites do mosteiro, a não ser nos períodos em que viajavam a outras terras como missionários. Foi naquele local que muitos antigos manuscritos foram traduzidos e ilustrados em pergaminho e enviados para os vários arquivos da Grande Fraternidade Branca em todo o mundo. Uma biblioteca maravilhosa foi mantida em Carmelo por muitos séculos. Alguns membros dessa comunidade estiveram presentes por ocasião do primeiro sermão de São Pedro no Pentecostes e construíram uma capela em honra do evento. (…)”

LEWIS, H. Spencer. A Vida Mística de Jesus. Curitiba, PR: AMORC, 2001, p.138.