A natureza Dúplice de Satã

” A natureza dúplice de Satã – tanto subjetiva quanto objetiva – explica a totalidade das manifestações do mal. Um Sată objetivo, como uma força adversária independente opondo-se à Divindade, explica a origem do mal que não pode ser atribuído apenas à ignorância subjetiva individual ou coletiva do homem. Satã tem que ser reconhecido conjuntamente como o mal objetivo na natureza e como um poder capaz de também operar no homem em forma de consciência subjetiva errada.

Reconhecer a existência de Satã não nega o conceito de um Deus que é o único Alfa e Ômega do cosmos. Em realidade, não existe essencialmente nada mais que o Espírito, a Substância única (…) . O mal da ilusão existe somente no domínio das formas, não na essência do Espírito. Enquanto houver a criação, uma coalescência de fenômenos finitos na Substância Infinita, a ilusão das formas produzirá a consciência de imperfeição que se acha separada do Absoluto Inigualável.

(…)

É tolice negar o mal subjetivo ou objetivo enquanto ainda se está lutando com a ilusão. (…)  Basta alguém se sentir seguro de sua invulnerabilidade, e o diabo engana seu oponente com alguma artimanha, levando o desafiador à derrota. É melhor não competir com suas tentações.(…). Ao fortalecer-se a consciência do bem, sua luz dissipa as perigosas trevas da influência maléfica de Satã.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 169-171.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Felicidade Verdadeira e Duradoura

“Jesus utiliza a palavra “tentação” para referir-se ao estado mental em que uma pessoa se encontra embriagada com um impulso maligno prejudicial, imaginando que este lhe trará felicidade, tornando-se de tal modo cega com esse pensamento que fique incapaz de perceber em que ações residem seu maior bem e sua felicidade verdadeira e duradoura. Sabendo que nessa noite começariam grandes provações para todos eles, Jesus aconselha os discípulos a fortalecer sua vontade com o poder divino acumulado mediante a oração e a meditação, de tal modo que a insinuação de Satã não exercesse influência sobre o livre-arbítrio deles nem os fizesse fraquejar.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 361.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

A Descida Angélica e A Queda Angélica

Poderíeis esclarecer-nos qual é a diferença entre a “descida angélica” e “queda angélica”, a fim de compreendermos melhor a descida vibratória de Jesus ao nosso mundo físico?

RAMATÍS: A descida angélica é quando o Espirito de Deus desce vibratoriamente até ao extremo convencional da Matéria, cujo acontecimento é conhecido pelos hindus como o “Dia de Brahma” e distingue o fenômeno da criação no seio do próprio Criador. É uma operação. que abrange todo o Cosmo, ainda incompreensível para o homem finito e escravo das formas transitórias. A queda angélica, no entanto, refere-se especificamente à precipitação ou exilio de espíritos rebeldes, que depois de reprovados na tradicional seleção espiritual de “Fim de Tempos” ou de “Juízos Finais”, transladam-se do orbe de sua moradia para outros mundos inferiores. Os reprovados colocam-se simbolicamente à esquerda do Cristo, que é o Amor, e emigram para outros planetas em afinidade com sua índole revoltosa e má, a fim de repetirem as lições espirituais negligenciadas e então recuperarem o tempo perdido mediante um labor educativo mais rigoroso.

Dai a lenda da “queda dos anjos”, que se revoltaram contra Deus; e depois de expulsos do Céu transformaram se em “diabos” decididos a atormentar os homens. Aliás, tais “anjos” são espíritos de inteligência algo desenvolvida, que lideraram movimentos de realce e foram prepotentes nos mundos transitórios da carne, onde se impuseram por um excesso intelectivo, causando sérios prejuízos ao próximo.

(…)

Os “anjos” decaídos são espíritos rebeldes a qualquer insinuação redentora que lhes fira o orgulho ou lhes enfraqueça a personalidade humana.

(…)

Sem dúvida, essa emigração do anjos decaídos ou de espíritos rebeldes, de um orbe superior para outro inferior, evita o perigo da saturação satânica no ambiente astralino das humanidades, porque a carga nociva alijada faz desafogar a vida espiritual superior, tal qual as flores repontam mais vivas e belas nos Jardins que se livram das ervas malignas.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 49-50.

Origem do Satanismo

“Mas e quanto ao Satanismo? Os Bruxos eram chamados de adoradores do Diabo. Havia alguma verdade nisso? Não. Ainda que, como em todas as acusações, houvesse uma razão para essa crença. Em seu início, a Igreja era extremamente dura com seus seguidores. Ela não apenas determinava a forma pela qual os camponeses prestavam culto, mas também as formas pelas quais viviam e amavam. Franzia-se o cenho até mesmo para o intercurso sexual entre casais casados. Achava-se que não se devia ter nenhuma alegria no ato, permitido apenas para a procriação. O intercurso era ilegal nas quartas-feiras, nas sextas-feiras e nos domingos; pelos quarenta dias que antecediam o Natal pelo mesmo tempo antes da Páscoa; por três dias antes de receber a comunhão e da concepção até quarenta dias após o parto. Em outras palavras, somente em aproximadamente dois meses por ano podia-se ter relações sexuais com o cônjuge… mas sem sentir prazer com o ato, é claro!

Não há dúvidas de que tais coisas, juntamente com outras crueldades semelhantes, conduziram a uma rebelião – mesmo que clandestina. As pessoas – desta vez os cristãos -, ao descobrir que seu destino não melhorava quando rezavam ao chamado Deus de Amor, decidiam rezar para o seu adversário. Se Deus não iria ajudá-las, talvez o Diabo ajudasse. Assim surgiu o Satanismo. Uma paródia do Cristianismo, uma imitação dele. Tratava-se de uma revolta contra a rigidez da Igreja. Como se descobriu depois, o “Demônio” também não ajudava o pobre camponês. Mas, pelo menos assim, indo contra o estabelecido, ele demonstrava o seu desdém pelas autoridades.

Não levou muito tempo até que a “Santa Madre Igreja” percebesse essa rebelião. O Satanismo era anticristão. A Bruxaria também era – aos olhos da igreja – anticristã. Logo, Bruxaria e Satanismo eram uma coisa só.”

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019.