Frutos do Despertar Espiritual

“Os frutos do despertar espiritual são uma bênção não apenas para a nossa própria vida, mas para o mundo em geral. Este é o segundo significado de “um é o que semeia, e outro o que ceifa“: uma referência ao karma coletivo. Cada pessoa semeia boas ou más ações no solo de sua vida, e não é apeanas ela quem ceifa a colheira cármica dessas ações; ela faz com que também os outros colham os frutos.

As ações de cada indivíduo deixam marcas eletromagnéticas em seu cérebro, influenciando suas ações futuras; e elas também deixam marcas vibratórias no éter, que são registradas e exercem sua influência na mente dos outros.

(…)

Aquele que se torna um ser divino eleva automaticamente incontáveis pessoas no caminho espiritual. Quem se torna mau degrada os outros e os faz decair do plano espiritual ao ocasionar um efeito nocivo sobre suas fraquezas potenciais. Aquele que reforma a si mesmo reforma milhares; pois o que alguém semeia no éter, por meio das vibrações de seus pensamentos e de seu caráter, outros certamente colherão.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 357-359.

Capítulo 19: “Meu alimenteo é fazer a vontade Daquele que me enviou”, A Mulher de Samaria, parte III.

Sabedoria Santificadora

“(..) a alma imortal do homem, um reflexo do Espírito transcendente, está acima do jugo da lei de causa e efeito da criação. Para alguém identificado com sua pretensa natureza mortal, a lei cármica distribui sabedoria e felicidade somente de acordo com o mérito conquistado. Aquele que está identificado com o Espírito colhe, sem limitações, a riqueza infinita da Divindade.

Não há coisa alguma que a alma necessite adquirir. Como filho de Deus, ela necessita apenas possui lembrar-se daquilo que já possui em forma latente:sua infinita herança de sabedoria do Pai Divino.

“Assim como a chama acesa converte a lenha em cinzas, também o fogo da sabedoria reduz a cinzas todo o karma! Verdadeiramente, nada mais neste mundo é tão santificador quanto a sabedoria” (A Yoga do Bhagavad Gita, IV:37-38).”

(…)

Assim como a escuridão dos olhos fechados se dissipa imediatamente quando se abrem os olhos, da mesma forma, no instante em que alguém abre o seu olho de sabedoria, as trevas da ignorância são banidas e ele se contempla como alma perfeita, na luz de Deus. Este é um grande conforto, pois alcançar a perfeição por meio do processo cármico natural de tentativa e erro parece quase uma impossibilidade, requerendo incontáveis encarnações. O homem tem de trabalhar para adquirir prosperidade, sabedoria e felicidade; um filho de Deus que tenha alcançado a Autorrealização, ao recuperar sua herança divina, já possui todas as coisas.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 355-356.

Capítulo 19: “Meu alimenteo é fazer a vontade Daquele que me enviou”, A Mulher de Samaria, parte III.

O Homem Materialista Morrerá Insatisfeito.

“Esquecido da Bem-aventurança e da Vida Divina presentes em sua alma, que tudo proveem e saciam todos os desejos, o homem materialista morrerá insatisfeito. Seus anseios permanecerão com ele mesmo após a morte – uma sede latente que o impelirá a se reencarnar repetidas vezes em busca de satisfação.

Mas todo aquele que beba da fonte da eterna bem-aventurança em Deus descobrirá saciada para sempre a sede de cada desejo de todas as suas encarnações.

(…)

Gratificar o corpo e o ego com experiências materiais e posses jamais poderá compensar o homem pela perda de sua infinita felicidade da alma.

Os desejos mortais prometem felicidade, mas em vez disso trazem tristezas. “Porque os prazeres dos sentidos surgem dos contatos com o exterior, e têm começo e fim (são efêmeros), eles são causadores apenas de infelicidade. Nenhum sábio busca neles a felicidade.”*

A alma até mesmo da pessoa mais mundana está internamente ciente de sua Bem-aventurança celestial, que se perde apenas na sua identificação externa com o corpo. E por isso que ela jamais pode ficar satisfeita por muito tempo com os prazeres temporários dos sentidos.”

*Nota:  A Yoga do Bhagavad Gita.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 327-328.

Capítulo 17: A Mulher de Samaria, Parte I.

 

Firme Como uma Pedra

“Em Simão Pedro, Jesus discerniu uma força divina sobre a qual estabeleceria as primeiras fundações de seus ensinamentos, e predisse que a vida espiritual de Simão seria tão firme como uma pedra (hebraico: cephas; grego: Petros [Pedro], “uma rocha”)* (…)

(…)

Nota: Para os judeus da Palestina, este sinal especial de conferir a alguém um novo nome – tal como, no Gênesis, Deus modificou o nome de Abrão para Abraão e de Jacó para Israel – indicava que a pessoa havia sido escolhida para uma missão divina. Uma vez mais, Jesus reporta-se à tradição do Antigo Testamento ao inaugurar seu movimento revolucionário de renovação espiritual.” – Do livro Jesus and His Times, editor Kaari Ward (Pleasantville, Nova York: Reader’s Digest Association, 1987). (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 212.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

Os Santos Que Vivem Sem Alimentos

“Num livro intitulado Amanzil, sobre Teresa Neumann, a camponesa de Konnersreuth na Baviera, escrito com base em palestra do Reverendo Joseph Schrembs, D.T., Bispo de Cleveland, proferida em 12 de fevereiro de 1928, encontram-se fatos notáveis sobre a vida dela, concernentes à sua subsistência pela energia divina.

1. “Ela possui os estigmas do Salvador crucificado. As chagas permanecem inalteradas. Elas não se inflamam nem cicatrizam.”

2. “Ela revive a Paixão de Nosso Senhor todas as sextas-feiras.”

3. “Ela repete em aramaico as palavras pronunciadas por Cristo.”

4. “Ela adivinha os segredos mais íntimos do coração.”

5. “Ela não toma nenhum alimento ou bebida. Não ingere alimentos sólidos desde 1923; apenas água ou um pouco de suco de fruta.”

“Mas no dia de Natal de 1926, ela parou inteiramente de tomar qualquer alimento, seja sólido ou líquido, de modo que agora, por quase dois anos, essa jovem não comeu ou bebeu coisa alguma, somente recebendo a Sagrada Comunhão todas as manhãs. (…) O veredicto de todos os médicos da Universidade de Berlim, de Praga, de Frankfurt, de Munique – doutores sem nenhum credo religioso – é este: ‘Falsidade ou fraude estão absolutamente fora de questão no caso de Teresa Neumann’. Ela não está desnutrida apesar da falta de alimentação desde o Natal de 1926 e tem uma aparência tão saudável quanto qualquer um à sua volta. Nas sextas-feiras ela perde cerca de quatro quilos e meio. Seis horas após o término das visões da Paixão, ela já readquiriu seu peso normal de 55 quilos.”

Quando encontrei Teresa Neumann na Baviera, em 1935, ela já vivia sem alimento por 12 anos, mas parecia tão jovial quanto uma flor.”

(…)

Nota: Em Autobiografia de um logue, Capítulo 39, “Teresa Neumann, a Estigmatizada Católica”, Paramahansa Yogananda relata detalhadamente seu encontro com esta mística dos tempos modernos e sua experiência pessoal durante a visão extática que Teresa teve da Paixão de Cristo. Teresa Neumann faleceu em 1962. (Nota da Editora)

(…)

“A santa bengali Giri Bala já vivia sem comer por mais de 56 anos quando a visitei em 1936. Segundo me contou, desde que seu guru a iniciou numa técnica que liberta o corpo da dependência do alimento material, ela consegue viver inteiramente da Energia Cósmica. Durante todos esses anos sem comer, ela jamais adoeceu ou experimentou desconforto. Sua nutrição deriva das energias mais sutis do ar e da luz do sol, bem como do poder cósmico que recarrega o corpo através do bulbo raquiano.

Perguntei-lhe o propósito de ter sido ensinada a viver sem alimento. “Provar que o homem é Espírito”, ela respondeu. “Demonstrar que, pelo progresso divino, o homem pode gradualmente aprender a viver da Luz Eterna, e não da comida.

(…)

“Em eras evolutivas superiores, a regra será que o alimento consista principalmente de oxigênio, luz solar e energia etérea. Extrair nutrientes de material alimentar grosseiro é um meio um tanto indireto de obter a energia ali contida a fim de reparar o desgaste dos tecidos corporais. Retirar energia do oxigênio e da luz solar é muito mais efetivo.”

Nota: Entre outros santos cristãos que viveram sem comer (apresentavam também os estigmas), pode-se mencionar Santa Liduína de Schiedam, Beata Isabel Renzi, Santa Catarina de Siena, Domênica Lazarri, Beata Angela de Foligno e Luísa Lateau, santa do século 19. São Nicolau de Flüe (Irmão Klaus, eremita do século 15 cuja súplica apaixonada em favor da união salvou a Confederação Suíça) absteve-se de alimento durante 20 anos.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 185-186.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

O Esforço por Plenitude Resulta da Ilusão

“A emancipação é acelerada quando se encena o drama vivo de uma perfeita existência de saúde, abundância e sabedoria, com desa pegada transcendência mental. As dualidades da dor e do sofrimento criadas por Satã são em muito atenuadas pela mente forte que não exacerba o sofrimento por meio do medo ou de uma imaginação exal tada; ou seja, se pudermos afastar a consciência de doença e não temer a enfermidade quando ela se apresenta, e se não ansiarmos pela saúde ao sofrermos com alguma doença, isto nos ajudará a recordar nossa própria alma, o Eu transcendente que jamais experimentou as flutuações de saúde e doença, mas é sempre perfeito.

O homem deveria saber que seu esforço por plenitude resulta da ilusão; pois ele já possui tudo que ne cessita em seu poderoso Eu interior. Ele equivocadamente imagina que carece de tais dons divinos ao identificar-se com mortais espiritual mente ignorantes. Tudo o que necessita é conhecer a eterna plenitude do tesouro de sua alma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 165-166.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

O Gênesis é Profundamente Simbólico

“O Gênesis é profundamente simbólico e não pode ser assimilado por meio de uma interpretação literal” – explicou ele. “A árvore da vida’ é o corpo humano; a coluna vertebral assemelha-se a uma árvore invertida, tendo como raízes os cabelos do homem, e como galhos, os nervos aferentes e eferentes. A árvore do sistema nervoso produz muitos frutos apetitosos: as sensações da visão, da audição, do olfato, do paladar e do tato. A estes o homem tem permissão de desfrutar; mas lhe foi proibida a experiência do sexo, a ‘maçã’ no centro do corpo (‘no meio do jardim’).

“A ‘serpente” representa a energia enrolada na base da espinha dorsal, que estimula os nervos sexuais. ‘Adão’ é a razão, ‘Eva’ é o sentimento. Quando o impulso sexual suplanta a emoção ou a ‘consciência de Eva’ em qualquer ser humano, sua razão ou Adão também sucumbe.

“Deus criou a espécie humana materializando o corpo do homem e da mulher pela força de Sua vontade; Ele dotou a nova espécie com o poder de criar filhos de idêntica maneira divina ou “imaculada”.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 159-160.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Experiência no Campo Social

“Assim como a organização do homem físico exigira as mais amplas experiências da natureza, antes de se fixarem os seus caracteres biológicos definitivos, a lição de Jesus, que representa o roteiro seguro para a edificação do homem espiritual, deveria ser precedida pelas experiências mais vastas no campo social.”

“É por essa razão que observamos, nos cinco séculos anteriores à vinda do Cordeiro, uma aglomeração de númeras escolas políticas, religiosas e filosóficas dos mais diversos matizes, em todos os ambientes do mundo.”

“(…) o grande filósofo está aureolado pelas mais divinas claridades espirituais, no curso de todos os séculos planetários.”

Nota Pessoal: Emmanuel sobre Sócrates”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. A Caminho da Luz. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 82-85.

Dez Mandamentos

“Moisés, na sua qualidade de mensageiro do divino Mestre, procura então concentrar o seu povo para a grande jornada em busca da Terra da Promissão. Médium extraordinário, realiza grandes feitos ante os seus irmãos e companheiros maravilhados.

É quando então recebe, de emissários do Cristo, no Sinai, os dez sagrados Mandamentos que, até hoje, representam a base de toda a justiça do mundo.”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. A Caminho da Luz. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 58.

Enviados de Jesus ao Plano Material

“Krishna, Buda e outros grandes enviados de Jesus ao plano material, para exposição de suas verdades salvadoras, foram compreendidos pelo grande povo sobre cuja fronte derramou o Senhor, em todos os tempos, as claridades divinas do seu amor desvelado e compassivo.

(…)

Nos bastidores da civilização, somos compelidos a reconhecer que a Índia foi a matriz de todas as filosofias e religiões da humanidade (…).”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. A Caminho da Luz. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 46-48.