A Cura Pelo Envio de Energias

“A cura pelo envio de energia através das mãos (“E, pondo as mãos sobre cada um deles, os curava“) baseia-se na habilidade do agente de cura para conectar-se com a energia cósmica de Deus e dirigi-la conscientemente. O corpo vive num mar onipresente formado por esse poder vibratório. Essa energia sustenta a vida e restaura a vitalidade do corpo quando esta se desgasta em virtude da atividade física e mental. A vida do corpo depende principalmente da energia cósmica que flui de modo automático ao seu interior através da boca do bulbo raquiano, ou é atraída de maneira consciente pelo poder de sintonização da vontade humana. A energia obtida diretamente do éter cósmico, assim como a energia que deriva indiretamente do alimento e oxigênio, concentra-se no dínamo principal de poder no cérebro, de onde flui ao corpo inteiro através dos seis subdínamos dos centros sutis na coluna vertebral. O centro supremo no cérebro e os seis centros no eixo cerebrospinal enviam energia através dos nervos a todos os segmentos vitais, sensórios e motores do corpo. Portanto, de cada parte do corpo- como os olhos, mãos, pés, coração, umbigo, nariz, boca e cada proeminência corporal – emana uma corrente.

A corrente nervosa que se irradia dos olhos, das mãos e dos pés é mais forte do que a de outras partes. O lado direito do corpo é um polo positivo, e o esquerdo é um polo negativo. O lado direito, positivo, é mais forte do que o esquerdo, negativo. Embora o poder desses polos algumas vezes esteja invertido no plano físico, como acontece no caso de pessoas canhotas, a conformação da “fisiologia” no corpo astral permanece a mesma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 463-464.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Cura Através da Energia Cósmica

“O espírito de Jesus tinha controle sobre a energia cósmica. A fé dos doentes permitia que Jesus enviasse a energia plenamente curativa a partir de seu próprio corpo para reforçar a débil energia vital dos enfermos. Tanto a energia no corpo de Jesus como a energia no corpo das pessoas curadas provinham da energia cósmica de Deus. Jesus comandava sua vontade a conectar a energia cósmica com a energia em seu cérebro e a enviá-la através de suas mãos num fluxo contínuo de potentes raios para o corpo das pessoas acometidas.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 463.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Medicação do Futuro

“A medicação básica do futuro será constituída de raios, cuja na tureza vibratória é mais compatível com a natureza molecular atômica do corpo humano. Raios curativos podem atuar nos distúrbios atômicos das células, no caso de doenças crônicas. Há também muita energia curativa nos raios do sol, embora os efeitos prejudiciais da exposição excessiva devam ser evitados.”*

*Nota: A potência biológica de padrões ondulatórios específicos de energia vibratória sobre as células corporais foi “decisivamente demonstrada” pelo Dr. Jacques Benveniste, diretor de pesquisas do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, da França, de acordo com a jornalista Lynne McTaggart em The Field: The Quest for the Secret Force of the Universe (Nova York: Harper Collins, 2002) [O campo: em busca da força secreta do universo (Ed. Rocco)].

“Tanto as moléculas quanto as ligações químicas entre elas emitem certas frequências específicas que podem ser detectadas a bilhões de anos luz de distância por meio dos telescópios modernos mais sensíveis”, relata Mc Taggart. “Essas frequências há muito tempo já são reconhecidas pelos físicos. (…) A contribuição de Benveniste foi demonstrar que as moléculas e átomos tinham sua própria frequência específica utilizando a tecnologia moderna tanto para registrar essa frequência quanto para usar o próprio registro na comunicação celular. (…)

“Em mais de mil experiências, Benveniste e Guillonet registraram no computador a atividade de uma molécula e reproduziram o sinal em um sistema biológico habitualmente sensível a essa substância. Em todas as ocasiões o sistema biológico foi enganado: acreditou que interagia com a própria substância e agiu de modo cor respondente, iniciando as reações biológicas em cadeia, assim como faria na efetiva presença da molécula genuína. (…)

“Na mais dramática talvez de suas experiências, Benveniste demonstrou que o sinal poderia ser enviado através do mundo por e-mail ou em CD. Colegas seus na Northwestern University de Chicago gravaram sinais da albumina do ovo, acetilcolina, dextran e água” e os enviaram em CD ou por e-mail ao laboratório de Benveniste em Paris, onde os pesquisadores “expuseram a água comum aos sinais dessa albumina digital ou acetilcolina ou água e infundiram tanto a água exposta como água comum nos corações isolados de cobaias. Todas as amostras de água digitalizada produziram mudanças muito significativas no fluxo coronariano. (…) Os efeitos da água digitalizada foram idênticos aos produzidos no coração pelas próprias substâncias.” (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 461.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Jejum e Cura

Um método físico de tratar a doença consiste em jejuar criteriosamente a fim de purificar o corpo de toxinas e rejuvenescer a força vital. No jejum, a vontade volta a depender do Espírito e retira energia da fonte cósmica, reforçando e estimulando a energia curativa no corpo.

(…)

Mas, qualquer que seja o método de tratamento adotado, o resultado – positivo ou negativo – é ainda assim determinado em boa medida pela mente.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 460.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Enfermidades e Poder Mental

“A doença consiste numa condição desarmônica que produz dor ou infelicidade num ser vivo, seja de modo imediato ou tardio. Os seres humanos estão sujeitos a três tipos de enfermidade: aquelas que afetam o corpo, as que afetam a mente e aquela que afeta a alma.

(…)

A dor física não traz sofrimento mental se a mente é poderosa; os mártires, com a mente fixa em sua devoção a Deus, mantiveram sua serenidade interior mesmo enquanto eram queimados vivos.

(…)

Jesus conhecia a relação causal entre a mente e o corpo e entre a alma e Deus. Desse modo, ele era capaz de controlar a estrutura atômica das células e harmonizar as perturbações psicológicas, restaurando assim qualquer corpo ou mente doentes.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 456-457.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Força Vital Curativa

“(…) a mulher que desejava a cura estabeleceu contato com o magnetismo de Jesus e recarregou a força vital que estava debilitada em seu próprio corpo, graças à aura sutil ou corrente astral que circundava o corpo de Jesus e dele emanava.
No processo de cura de cada corpo humano enfermo, a cura mental ou medicinal apenas desperta e suplementa a força vital inerte, a qual é a causa direta da recuperação da saúde. A pessoa doente pode recarregar sua força vital curativa com seu próprio poder de vontade revitalizado pela poderosa vontade de um agente de cura; ou então pode atrair força vital do corpo de alguém dotado de magnetismo divino, com isso despertando e reforçando sua própria força vital, capaz de tudo curar.

(…) Os agentes de cura precisam assegurar-se de que os dois elementos estejam presentes na cura divina – a fé do indivíduo que deseja ser curado e a habilidade do agente de cura para recarregar-se com o poder curativo divino por meio do profundo contato diário com Deus na meditação.

(…)

A dúvida atua como uma “estática” insidiosa que perturba a recepção das vibrações curativas, não importa quão forte seja o poder do agente de cura. Como no caso de um rádio, a pessoa precisa sintonizar sua consciência com a fé e a atitude mental apropriada a fim de receber a transmissão das vibrações curativas emitidas à distância, ou diretamente, pelo agente de cura.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 183-184.

Capítulo 38: “A tua fé te salvou” A tempestade, a doença, os demônios e a morte curvam-se diante da vontade de Jesus.

Falta de Forças Superiores

“As catorze pessoas assembleadas no recinto eram catorze caprichos diferentes.

(…)

– Não atingiremos, então, a materialização de ordem superior… – falou o Assistente, algo preocupado.

– De modo algum – informou Garcez com desapontamento. – Teremos tão-só o médium desdobrado, incorporando a nossa enfermeira para socorro às irmãs doentes. Nada mais. Não dispomos do concurso preciso.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 28.

Vingança por Vida Passada

“– É um problema complexo de fascinação. Nossa irmã permanece controlada por terrível hipnotizador desencarnado, assistido por vários companheiros que se deixaram vencer pelas teias da vingança. No ímpeto de ódio com que se lança sobre a infeliz, propõe-se humilhá-la, utilizando-se da sugestão. Não fosse o concurso fraternal que veio recolher neste santuário de prece, em transes como este seria vítima integral da licantropia deformante. Muitos Espíritos, pervertidos no crime, abusam dos poderes da inteligência, fazendo pesar tigrina crueldade sobre quantos ainda sintonizam com eles pelos débitos do passado. A semelhantes vampiros devemos muitos quadros dolorosos da patologia mental nos manicômios, em que numerosos pacientes, sob intensiva ação hipnótica, imitam costumes, posições e atitudes de animais diversos.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 23.

Vibrações Destrutivas

“o fenômeno pertence à sintonia. Muitos processos de alienação mental guardam nele as origens. Muitas vezes, dentro do mesmo lar, da mesma família ou da mesma instituição, adversários ferrenhos do passado se reencontram. Chamados pela Esfera Superior ao reajuste, raramente conseguem superar a aversão de que se vêem possuídos, uns à frente dos outros, e alimentam com paixão, no imo de si mesmos, os raios tóxicos da antipatia que, concentrados, se transformam em venenos magnéticos, suscetíveis de provocar a enfermidade e a morte. Para isso, não será necessário que a perseguição recíproca se expresse em contendas visíveis. Bastam as vibrações silenciosas de crueldade e despeito, ódio e ciúme, violência e desespero, as quais, alimentadas, de parte a parte, constituem corrosivos destruidores.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 19.

Doença no Corpo Perispiritual

(…) ” Os nossos amigos estampam no próprio corpo perispiritual os sofrimentos de que são portadores.”

(…)Pareciam envolvidos em grande nuvem ovalada, qual nevoeiro cinza escuro, espesso imóvel, agitado por estranhas formações.”

(…) ”  a doença, como resultante de desequilíbrio moral, sobrevive no perispírito, alimentada pelos pensamentos que a geraram, quando esses pensamentos persistem depois da morte do corpo físico.”

(…) “a renovação mental é a renovação da vida.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 35-41.