Êxtase Crístico

“Jesus conhecia o processo de descida ao corpo que havia sido necessário para a encarnação terrena de sua alma previamente liberta, e com tal conhecimento e poder ele precisou apenas utilizar os princípios criadores que reverteriam esse processo. Desse modo, pôde rapidamente libertar de novo sua alma das limitações físicas, astrais e causais mediante três esforços definidos, voltando a unificá-la com a onisciência e onipotência do Espírito.

Quando a consciência experimenta a unidade com a Consciência Infinita de Deus no estado de profundo samadhi, enquanto a alma ainda reside no corpo físico (ou na forma astral que envolve o corpo causal após a morte), a transcendente consciência extática retorna de maneira inevitável à sua morada corporal (física ou astral, conforme seja o caso). Do mesmo modo, quando Jesus entrou no estado de mahasamadhi – a ascensão consciente desde o corpo físico que uma alma com realização divina efetua no momento da morte – ele imergiu sua consciência na presença bem-aventurada da Consciência Cósmica do Deus-Pai e de lá retornou à sua forma astral celestial, da qual ainda não se havia desfeito. Ali, em êxtase crístico e aplicando a suprema ciência espiritual da libertação, começou prontamente a desatar os nós de vida e consciência que haviam possibilitado sua encarnação terrena e também dela resultaram.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 434.

Estado de Consciência Crística

“São João afirmou: “A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus”. O plural em “filhos de Deus” demonstra distintamente, a partir dos ensinamentos recebidos de Jesus, que o Filho unigênito não era o corpo de Jesus, mas sim seu estado de Consciência Crística.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 19.

O Corpo de Lázaro

“No momento em que Jesus chegou a Betânia, o corpo de Lázaro já havia começado o processo de decomposição, pois era “já de quatro dias”. Por isso várias etapas foram necessárias.

Primeiro Jesus estabeleceu contato com Lázaro no mundo astral, de modo que pudesse chamá-lo de volta.

A seguir; projetando sua própria consciência (divinamente invulnerável) no corpo morto de Lázaro, tomou sobre si – absorveu e neutralizou – a força do karma específico que havia compelido a alma de Lázaro a abandonar o corpo.

Uma vez que o padrão cármico da morte não mais estava atuante nas células corporais, Jesus pôde ordenar à Energia Cósmica, pelo comando de sua vontade unida a Deus, que restabelecesse a viabilidade das células, de maneira a se tornarem outra vez capazes de abrigar uma alma vivente dotada de suas faculdades astrais e causais de vida e consciência.

Por fim, ele convidou a alma de Lázaro a habitar outra vez sua residência corporal renovada – a qual, de fato, Jesus ressuscitou do estado de matéria inerte restituindo-lhe os poderes do conhecimento e ação, mente e energia, que haviam abandonado essa forma física com a partida dos corpos astral e causal.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 73-74.

Declaração Sobre os Mandamentos

“A declaração de Jesus sobre os dois maiores mandamentos é narrada nos três evangelhos sinópticos com mínimas variações. Nos evangelhos de São Mateus e São Marcos ela ocorre durante a última semana de Jesus em Jerusalém, pouco antes de sua crucificação; no evangelho de São Lucas, sucede mais cedo.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 499.

Capítulo 53: A observância dos dois maiores mandamentos.

Como Morreram os Apóstolos

“De acordo com a tradição, a vida de vários dos primeiros discípulos de Jesus terminou em violenta perseguição: Mateus foi assassinado com uma espada na Etiópia; Marcos foi arrastado até morrer pelas ruas de Alexandria; Lucas foi enforcado na Grécia; João foi lançado a um caldeirão de óleo fervente, mas escapou milagrosamente, sendo então exilado em Patmos, onde teve morte natural; Pedro foi crucificado em Roma, com a cabeça para baixo; Tiago Maior foi decapitado em Jerusalém; Tiago Menor foi lançado de um pináculo do Templo e então o surraram até morrer; Bartolomeu foi esfolado vivo; André foi preso a uma cruz e morreu pregando a seus perseguidores; Tomé teve o corpo trespassado por uma lança; Matias foi primeiramente apedrejado e a seguir decapitado; Judas (Tadeu) foi varado por flechas até morrer; Barnabé dos Gentios foi apedrejado até a morte em Salônica; Paulo, depois de várias perseguições e torturas, foi decapitado em Roma; as informações sobre a morte de Filipe e de Simão Cananita são obscuras e conflitantes; Judas Iscariotes se enforcou.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 214.

Capítulo 67.

O Pensamento é Ação em Si

“Tendo falado de modo geral das leis eternas que governam a criação de Deus e de como sua observância é necessária para que se alcance o reino dos céus, Jesus ilustra (nos versículos 21 a 48) adaptações específicas – maneiras de cumprir o espírito de justiça natural dessas leis.

Os homicidas não apenas se contrapõem à lei universal da criação divina, mas privam suas vítimas da legítima oportunidade de esgotar independentemente seu próprio karma – impossibilitando o progresso desses indivíduos em sua existência atual.

Jesus assinalou que, à luz da justiça natural, o mal reside não apenas em atos homicidas, mas também em pensamentos e emoções de ira que dão origem a esses atos.

(…)

A ira, quer se origine de uma causa real ou de uma percepção imaginária, pode provocar uma pessoa a ponto de impeli-la à violência. Em casos de ira extrema, as pessoas podem mentalmente desejar a morte de seus inimigos.

Desse modo, a fim de cumprir a lei “Não matarás”, Jesus disse que não apenas o ato, mas também todos os pensamentos, as palavras e ações relacionados com o fato de matar devem ser estrita mente evitados.

(…)

O pensamento, precursor da ação, é em si mesmo uma ação num plano mais sutil.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 510-512.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Minhas Palavras Não Hão de Passar

“Assim como a Inteligência Crística é o Princípio Eterno que governa todas as manifestações da criação, os preceitos da vida espiritual expostos pelo Cristo em Jesus são também intemporais, estendendo-se desde as gerações bíblicas até o futuro oculto: “O céu e a terra passarão“, ele declarou, “mas minhas palavras não hão de passar“.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 505.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

A Importância da Lei

Jesus fala firme e claramente sobre a importância de cumprirmos as leis eternas da justiça. Esses códigos divinos são transmitidos ao homem pelo Senhor da Criação através de Seus autênticos profetas e se evidenciam na maravilhosa estrutura do universo. A ordem cósmica das leis universais que tece os padrões dos céus e da terra se expressa com igual exatidão como a ordem moral que governa a vida dos seres humanos.

A Lei” para o povo judeu, a quem Jesus pregava, era a Lei de Moisés – os Dez Mandamentos e outros preceitos morais e religiosos estabelecidos no Torá. Na voz dos profetas surgem proclamações das eternas verdades, que são imutáveis, não sectárias e aplicáveis universalmente em todas as épocas; e também códigos de conduta necessários em um período particular ou sob um conjunto de circunstâncias – uma adaptação das verdades eternas às necessidades específicas do ser humano.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 504-505.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Coragem

“A natureza mesquinha do ego faz o homem indisciplinado sentir-se desconfortável e com uma disposição maldosa para com aqueles que moral e espiritualmente diferem dele. (…) Jesus encorajou seus seguidores a não ficarem desanimados ou intimidados se, ao tentar viver espiritualmente, descobrirem que as pessoas com mente materialista não os compreendem.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 492.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Beatificar é Tornar Supremamente Feliz

Enquanto ensinava, Jesus fez com que suas sagradas vibrações e divina força vital emanassem através de sua voz e de seus olhos e se difundissem sobre os discípulos, tornando-os tranquilamente sintonizados e magnetizados, capazes de receber a plena medida de sua sabedoria por meio da compreensão intuitiva.

(…) Beatificar é tornar supremamente feliz; beatitude significa a felicidade, a bem-aventurança, do céu. *(…) princípios morais e espirituais cujo eco jamais decresceu ao longo dos tempos – princípios por meio dos quais a vida do homem se torna abençoada, repleta de bem-aven turança celestial.

A palavra “pobres”, utilizada na primeira Beatitude, significa estar destituído de qualquer refinamento superficial e exterior de riqueza espiritual. (…) Ser “pobre de espírito” é despojar o ser interior, o espírito, do desejo e apego por objetos materiais, posses terrenas, amigos materialistas e o amor humano egoísta.

*Nota:  “Beatificar” deriva do latim: beatus, feliz + facere, tornar. O termo utilizado para “bem-aventurados (…)” no texto original grego dos Evangelhos é makarios, que em latim corresponde a beati, do qual deriva beatitude em português, estado de bem -aventurança ou suprema alegria.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 480.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.