Bem-aventurados

E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; e, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;

“Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;

“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;

“Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;

“Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus;

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.

“Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.

“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.

“Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;

“Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.”

Mateus 5:1-16

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 478.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Instrução e Expansão

“Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; por tanto sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas. Acautelai-vos, porém, dos homens; porque eles vos entregarão aos sinédrios, e vos acoitarão nas suas sinagogas; e sereis até conduzidos à presença dos governadores e dos reis por causa de mim, para lhes servir de testemunho a eles e aos gentios. Mas, quando vos entregarem, não vos de cuidado como, ou o que haveis de falar, porque na quela mesma hora vos será ministrado o que haveis de dizer. Porque não sois vós quem falará, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós.

“E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai o filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão. E odiados de todos sereis por causa do meu nome, mas aquele que per severar até o fim será salvo.

“Quando pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel sem que venha o Filho do homem. Não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo mais do que o seu senhor. Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor. Se chamaram Belzebu ao pai de família, quanto mais aos seus domésticos?

“Portanto, não os temais; porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se. O que vos digo em trevas, dizei-o na luz; e o que escutais ao ouvido, pregai-o sobre os telhados.

“E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.

“Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos.

“Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei tam bém diante de meu Pai, que está nos céus.

“Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á.

“Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo em qualidade de justo, receberá galar dão de justo.

“E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.”

E, aconteceu que, acabando Jesus de dar instruções aos seus doze discípulos, partiu dali a ensinar e a pregar nas cidades deles.”

Mateus 10:16-11:1

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 234-235.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Grandeza Espiritual

“Um poste de luz ilumina a rua em todas as direções exceto diretamente sob sua base, onde se projeta uma sombra. De modo similar, um profeta iluminado por Deus lança luz em todos e é amplamente reconhecido, com a frequente exceção das pessoas que lhe são próximas e que mantêm com ele um relacionamento familiar ou social, mas não devocional. A ênfase excessiva e míope no aspecto humano de um relacionamento cega essas pessoas e não lhes permite ver a grandeza espiritual de um personagem divino.

(…)

Quem vive em meio à grandeza panorâmica das imponentes montanhas do Himalaia pouco aprecia a inspiradora paisagem por que sua atenção está na sua vida doméstica; as pessoas ficam tão acostumadas ao extraordinário lugar em que vivem que o consideram “nada especial”. Mas para os visitantes que vêm de terras longinquas com uma atitude mental entusiasta, a majestosa vastidão dos elevados picos é uma experiência deslumbrante.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 200-201.

Capítulo 39: “Nenhum profeta é bem recebido na sua pátria”

Sabedoria Santificadora

“(..) a alma imortal do homem, um reflexo do Espírito transcendente, está acima do jugo da lei de causa e efeito da criação. Para alguém identificado com sua pretensa natureza mortal, a lei cármica distribui sabedoria e felicidade somente de acordo com o mérito conquistado. Aquele que está identificado com o Espírito colhe, sem limitações, a riqueza infinita da Divindade.

Não há coisa alguma que a alma necessite adquirir. Como filho de Deus, ela necessita apenas possui lembrar-se daquilo que já possui em forma latente:sua infinita herança de sabedoria do Pai Divino.

“Assim como a chama acesa converte a lenha em cinzas, também o fogo da sabedoria reduz a cinzas todo o karma! Verdadeiramente, nada mais neste mundo é tão santificador quanto a sabedoria” (A Yoga do Bhagavad Gita, IV:37-38).”

(…)

Assim como a escuridão dos olhos fechados se dissipa imediatamente quando se abrem os olhos, da mesma forma, no instante em que alguém abre o seu olho de sabedoria, as trevas da ignorância são banidas e ele se contempla como alma perfeita, na luz de Deus. Este é um grande conforto, pois alcançar a perfeição por meio do processo cármico natural de tentativa e erro parece quase uma impossibilidade, requerendo incontáveis encarnações. O homem tem de trabalhar para adquirir prosperidade, sabedoria e felicidade; um filho de Deus que tenha alcançado a Autorrealização, ao recuperar sua herança divina, já possui todas as coisas.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 355-356.

Capítulo 19: “Meu alimenteo é fazer a vontade Daquele que me enviou”, A Mulher de Samaria, parte III.

O Absoluto Não-Manifestado

Espirito significa o Absoluto não-manifestado. Na treva sem treva e na luz sem luz da eterna infinitude – sem nem mesmo a mínima ondulação de pensamento ou atividade vibratória para manifestar a criação; onde as próprias categorias de espaço, tempo e dimensão são inexistentes – lá habita a Bem-aventurança sempre-existente, sempre-consciente e sempre-nova, que é o Espírito.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 339.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.

Esta é A Luz do Pai, o Filho de Deus

“Agora, quando fomos colocados juntos com todos os nossos pais nas profundezas, na obscuridade da escuridão, de repente veio um calor dourado do sol e uma luz roxa e real brilhando sobre nós. E imediatamente o pai de
toda a raça dos homens, juntamente com todos os patriarcas e profetas, se alegraram, dizendo: Esta luz é o autor da luz eterna que prometeu enviar-nos sua luz co-eterna. E Isaías clamou e disse: Esta é a luz do Pai, o Filho de
Deus, como profetizei quando vivi na terra. A terra de Zabulom e a terra de Neftalim além do Jordão, da Galiléia dos gentios, o povo que andava nas trevas viu uma grande luz, e os que habitam na terra da sombra da morte,
sobre eles brilhou a luz. E agora veio e brilhou sobre nós que sentamos na morte.”

Nascimento, Peterson do. O Evangelho Segundo Nicodemos (Coleção Apócrifos do Cristianismo Livro XI) – Versão Kindle, Posição 651.

Trindade Cósmica

Quando se é batizado pela imersão na luz do Espírito, o olho espiritual microcósmico no corpo pode ser percebido em sua relação com a luz do Espírito que desce como Trindade Cósmica.

No batismo de Jesus, isso é descrito metaforicamente como “o Espírito de Deus descendo como uma pomba vindo sobre ele”. A pomba simboliza o olho espiritual, e os devotos que meditam profundamente o percebem no centro da Consciência Crística, na testa, entre os dois olhos físicos. Esse olho de luz e consciência surge como um halo dourado (a Vibração do Espírito Santo) undando uma esfera azul opalino (Consciência Crística), no centro da qual está uma estrela com cinco pontas, de radiante luz branca (o portal para a Consciência Cósmica do Espírito).

Nota: Os sete centros são saídas divinamente planejadas ou “alçapões” através dos quais a alma desceu ao corpo e por onde precisa reascender processo da meditação. Em sete etapas sucessivas, a alma escapa para a Consciência Cósmica. Os tratados de Yoga geralmente consideram chakras (“rodas”, porque a energia concentrada em cada um deles assemelha-se a um cubo de roda, de onde partem raios de luz e energia vital) os seis centros inferiores, referindo-se no sahasrara separadamente, como um sétimo centro. Todos os sete centros, porém, costumam ser comparados a flores de lótus, cujas pétalas se abrem ou se voltam para cima durante o despertar espiritual, quando a vida e a consciência ascendem pela coluna vertebral.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 121.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.

Caminhando Sobre as Águas

“Ainda no campo da fenomenologia física ou metapsíquica objetiva, identificamo-lo em plena levitação, caminhando sobre as águas, e em prodigiosa ocorrência de materialização ou ectoplasmia, quando se põe a conversar, diante dos aprendizes, com dois varões desencarnados que, positivamente, apareceram glorificados, a lhe falarem de acontecimentos próximos.

(…)

Em cada acontecimento, sentimo-lo a governar a matéria, dissociando-lhe os agentes e reintegrando-os à vontade, com a colaboração dos servidores espirituais que lhe assessoram o ministério de luz.”

Xavier, Francisco Cândido/ André Luiz. Mecanismos da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, Capítulo 26.

Filhos da Luz

“Ele estava dizendo que todos os devotos que “cressem na luz” – a luz crística nele presente – estariam em sintonia com ele e consequentemente com Deus, e chegariam a reconhecer-se como “filhos da luz“: reflexos individualizados do Esplendor Divino, em essência semelhantes a seu Pai, Deus.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 201.

Capítulo 66: “É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado”.

Liberdade de Pensar

“Realmente, o sacerdócio organizado tem feito do Homem Luz um personagem irreal, cuja figura vem sendo continuamente retocada em concílio sacerdotal, misturando-lhe a realidade com a fantasia e a lógica com a aberração. Mas aproxima-se, entretanto, o momento de reajuste há tempo desejado e, em breve, tereis conhecimento da força original da obra de Jesus, que, embora fosse um anjo descido do Alto, viveu sua existência coerente com a lei do vosso mundo.

(…)

O pensamento dinâmico e evolutivo dos protestantes estagnou, então, voltando apressado, através da Bíblia, para outros dogmas infantis. A Bíblia – embora a reconheçamos como livro contendo revelações úteis – não pode substituir a liberdade de pensar.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 242.