Light, love and liberation

Enlighted by the knowledge of the truth the human being becomes an extraordinary lighthouse. Around him, the other forms of life find a secure way to envolve and develop, on the eternal path of evolution.

Find your self satisfacted and happy for the work you all channeled in to your reality this week. There is a massive movement of light, love and liberation happening in several places around the world. Go forward, always..

William

(…)

Iluminado pelo conhecimento da verdade, o ser humano se torna um farol extraordinário. Ao seu redor, as demais formas de vida encontram um caminho seguro para evoluir e se desenvolver, no eterno caminho da evolução.

Fique satisfeito e feliz pelo trabalho que todos vocês canalizaram para a sua realidade esta semana. Há um movimento massivo de luz, amor e liberação acontecendo em vários lugares ao redor do mundo. Vá em frente, sempre ..

William

Filosofia vazia

Sabei que todas as aquisições da filosofia e da ciência terrestres são flores sem perfume, ou luzes sem calor e sem vida, quando não se tocam das claridades do sentimento. (Iasmel)

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, p. 48.

O momento do Brasil, por Emmanuel

(…) O Brasil terá a sua expressão imortal na vida do espírito, representando a fonte de um pensamento novo, sem as ideologias de separatividade, e inundando todos os campos das atividades humanas com uma nova luz.

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, p. 6.

Concepção imaculada

(…) Huang-Ti, o Imperador Amarelo (2697-2597 a.C.), foi o terceiro dos Três Augustos. Sua mãe, concubina do príncipe da província de Chao-tien, O concebeu depois de ter contemplado, certa noite, uma tremeluzente luz dourada que se achava em torno da constelação da ursa maior.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 308.

Amor transcendente

(…) fundamentalmente, é uma passagem para dentro – para as camadas profundas em que são superadas obscuras resistências e onde forças esquecidas, há muito perdidas, são revitalizadas, a fim de que se tornem disponíveis para a tarefa de transfiguração do mundo.. Cumprida essa etapa, a vida já não sofre sem esperança sob o peso das terríveis mutilações do desastre absoluto, esmagada pelo tempo, terrível ao longo do espaço; mas o seu horror ainda visível e seu gritos aflitos ainda tumultuados, ela se torna penetrada por um amor que a tudo abarca e a tudo sustém e por um conhecimento do seu próprio poder conquistado. Uma parcela do lume que arde invisivelmente nos abismos de sua materialidade normalmente opaca irrompe, com um distúrbio crescente. Assim, as horrorosas mutilações são vistas, tão somente, como sombras de uma eternidade imanente e imperecível, o tempo se rende à glória, e o mundo canta com o prodigioso e angelical – mas talvez, no final das contas, monótono – canto da sereia das esferas.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, pp. 35-36.