Emissários Divinos

“Em um universo inescrutável, lidar com uma vida de mistérios não solucionados e insolúveis criado pela onipotência de Deus a partir da essência onisciente de Sua onipresença seria, na verdade, um desafio avassalador para meros mortais, não fosse pelos emissários divinos que vêm à Terra falar com a voz e a autoridade de Deus, para orientação do homem.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 03.

Realização Superconsciente

“As palavras possuem eficácia dinâmica quando estão carregadas com a realização superconsciente. Tentar vender um objeto, uma ideia ou uma crença em que o promotor de vendas não acredita plenamente significa apenas pronunciar palavras que, por mais inteligentes que sejam, carecerão do brilho e do selo vibratório da convicção.

(…)

Ele não pregava como os escribas, com palavras vazias. Quando falava, suas palavras estavam repletas do Verbo, a Energia Cósmica, de Deus. Sua doutrina estava impregnada da convicção da experiência, oriunda de sua estatura crística e da Consciência Cósmica, vibrando com a autoridade da sabedoria divina.

Não é suficiente memorizar as palavras das escrituras ou receber um grau de Doutor em Teologia. É preciso digerir a verdade e então pregar com o poder e a convicção da alma.

A percepção direta da verdade proporciona experiência intuitiva, bem como visão e entendimento verdadeiros. Tal sabedoria confere poder; é a energia que aciona a Fábrica Cósmica, gerando o controle sobre todas as coisas. Esse poder proclama a autoridade absoluta da verdade infalível. Jesus não falava com fanatismo ou de modo mecânico como os escribas, mas com a autoridade de sua própria experiência de Deus e com o conhecimento de todos os mistérios divinos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 432-433.

Capítulo 23: Pescadores de Homens.

Despertar da Kundalini

Instrutores ignorantes frequentemente associam kundalini com a força sexual e a envolvem em mistério, a fim de assustar neófitos quanto ao perigo de despertar essa sagrada força serpentina. Confundir o despertar de kundalini com o estímulo da consciência sexual é uma concepção interiramente corrompida e extremamente ridícula. Ao contrário, no despertar de kundalini a força vital do iogue se retira dos nervos sensoriais, particularmente aqueles relacionados ao sexo, conferindo-lhe absoluto controle sobre as tentações sensoriais e sexuais.

(…)

Os sentidos da visão, audição, paladar, tato e olfato são como Cinco holofotes que revelam a matéria. À medida que a energia vital flui ao exterior através desses raios sensoriais, o homem é atraído por belas faces, sons cativantes ou sedutores perfumes, sabores e sensações táteis. Esse é um processo natural; mas aquilo que é natural para a consciência limitada ao corpo não é natural para a alma. Entretanto, quando essa energia vital divina é retirada dos sentidos autocráticos através da via espinal, chegando ao centro espiritual de percepção infinita no cérebro, então o holofote de energia astral lança-se à imensidão da eternidade para revelar o Espírito universal. O devoto sente-se atraído ao Sublime Sobrenatural – a Beleza de todas as belezas, a Música de todas as músicas, a Alegria de todas as alegrias. Ele pode tocar o Espírito em todo o universo e ouvir a voz de Deus reverberando em todas as esferas. A forma se dissolve no Sem-Forma. A consciência do corpo, confinada a uma pequena forma temporária, expande-se ilimitadamente no Espírito eternamente existente e sem forma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 293-294.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Círculos Esotéricos

“Nos círculos esotéricos, onde pontificava a palavra esclarecida dos grandes mestres de então, sabia-se da existência do Deus único e absoluto, Pai de todas as criaturas e Providência de todos os seres, mas os sacerdotes conheciam, igualmente, a função dos Espíritos prepostos de Jesus, na execução de todas as leis físicas e sociais da existência planetária, em virtude das suas experiências pregressas. Desse ambiente reservado de ensinamentos ocultos, partiu, então, a ideia politeísta dos numerosos deuses, que seriam os senhores da Terra e do Céu, do homem e da natureza.”

(…)

“Dessa ideia de homenagear as forças invisíveis que controlam os fenômenos naturais, classificando-as para o espírito das massas, na categoria dos deuses, é que nasceu a mitologia da Grécia, ao perfume das árvores e ao som das flautas dos pastores, em contato permanente com a natureza.”

Xavier, Francisco Cândido / Emmanuel. A Caminho da Luz. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 2016, p. 37.

A Verdade – Consciência Cósmica

“Foi com este propósito que minha Inteligência Crística, a Inteligência Universal com a qual sou um, nasceu da Consciência Cósmica: para ser a causa e o princípio governante do cosmos. A Inteligência Crística Se refletiu na criação para dar testemunho da verdade única: a Consciência Cósmica presente além da criação. Todo devoto que está em sintonia com a Verdade – a Consciência Cósmica – alcançou essa realização ao ouvir a Vibração Cósmica de Om, o Espírito Santo, que emana de minha Inteligência Crística e constitui Sua voz.”

A soberana Inteligência Crística, designada pelo Deus transcendente para governar toda a criação, é a testemunha, o reflexo, da Verdade – a Consciência Cósmica do Pai transcendental, que é a única Substância da qual proveio tudo quanto existe. Jesus assinala que todo devoto adiantado que entre em contato com a Verdade, a Consciência Cósmica, deve primeiro estabelecer contato com o Espírito Santo ou Vibração Cósmica e com a Consciência Crística presente nessa Vibração.

(…)

Quando Pilatos perguntou: “Que é a Verdade?“, Cristo não respondeu. As indagações muito pomposas de intelectualistas como Pilatos raramente procedem de um ardente espírito de pesquisa.

(…) Um filho de Deus “dá testemunho” com a sua própria vida. Ele personifica a verdade; se também a explica, trata-se de generosa redundância.”

(…)

A verdade não é uma teoria, nem um sistema filosófico especulativo, nem um insight intelectual. A verdade é a correspondência exata com a Realidade. Para o homem, a verdade é o inabalável conhecimento da sua natureza real, do seu Eu como alma. Jesus, em cada ato e palavra de sua vida, provou que conhecia a verdade do seu ser- a sua origem em Deus. Totalmente identificado com a Consciência Crística onipresente, ele podia dizer, em caráter final: “Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz“.

Buda também se recusou a lançar luz sobre as questões derradeiras da metafísica, assinalando secamente que os poucos momentos do homem na Terra seriam mais bem empregados no aperfeiçoamento de sua natureza moral. O místico chinês Lao- Tsé ensinou corretamente: “Quem sabe não o diz; quem diz não o sabe”. Os mistérios últimos de Deus não se acham “abertos ao debate”. A decifração de Seu digo secreto é uma arte que o homem não pode comunicar a outro homem; aqui, só o Senhor é o Mestre.

(…) Reverberando por todo o universo como a vibração criadora de Om, o Som Primordial traduz-se instantaneamente em palavras inteligíveis para o devoto com ele sintonizado.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 392-393.

Capítulo 74: A crucificação.

Asfixia

“Quanto mais aprendemos sobre ciência, mais percebemos que seus maravilhosos mistérios são todos explicados por umas poucas leis simples tão interligadas e tão dependentes umas das outras, que vemos a mesma mente animando todas elas. (Olympia Brown, 1835-1900)

(…)

A asfixia é um estado químico e fisiológico que resulta da incapacidade de se obter o oxigênio adequado para o metabolismo das células e para eliminar o excesso de dióxido de carbono.

(…)

Hynek tentou confirmar as alegações de LeBec com uma observação que ele fez enquanto servia no exército austro-germânico na Primeira Guerra Mundial. Hynek testemunhou o enforcamento de soldados condenados pendurados pelos pulsos com seus pés pouco acima do chão. Os tinham que se erguer para expelir o ar dos pulmões. Depois de um curto período, ocorreram violentas contrações de todos os músculos, causando severos espasmos. O indivíduo torturado tinha extrema dificuldade para expirar, causando a asfixia. Isso durava cerca de dez minutos, e depois ele era retirado da forca. Barbet reforçou as observações de Hynek com o depoimento de dois prisioneiros do campo de concentração de Dachau, que também testemunharam o enforcamento de um condenado de modo similar. Os prisioneiros recordaram que o condenado tinha dificuldade para respirar e continuamente erguia o corpo num esforço para tomar fôlego, até que ficou muito exausto e morreu por asfixia.

Ambas as observações são muito interessantes, mas somente seriam válidas quando aplicadas a indivíduos cujos braços estão suspensos diretamente acima da cabeça e as pernas pendendo livres. Além do mais, isso não é aplicável de forma alguma à suspensão na cruz; seria como comparar maçãs com laranjas.

(…)

O padrão de bifurcação do ferimento do pulso não se deve ao fato de inclinar e retesar o corpo, como foi presumido por Barbet, porque experiências revelam que o ângulo do pulso não muda quando o corpo é retesado. (…) Além disso, se os pulsos tivessem sido mesmo pregados, particularmente com um prego quadrado, eles estariam firmemente fixados, impedindo qualquer mudança no ângulo.

É possível que, quando o prego foi removido do pulso de Jesus, um coágulo ou sangue seco foi perturbado, fazendo com que o sangue escorresse durante a remoção da cruz. 

(…)

O ato de quebrar as pernas, chamado skelokopia ou crurifragium, foi o argumento final a priori de Barbet para apoiar sua teoria de que Jesus teria morrido por asfixia. De acordo com Barbet, se as pernas estivessem quebradas, o crucarius estaria impossibilitado de se erguer para respirar. O ritual do crucifagium  era comumente executado quando a vítima se encontrava a beira da morte, como uma espécie de golpe de misericórdia para apressar o processo causando um severo choque traumático e hemorrágico. (…) Uma única fratura em um osso femoral (o osso da coxa), pode resultar na perda de dois litros de sangue, e mais de quatro litros serão perdidos se os dois ossos femorais forem fraturados. A quebra das pernas causaria uma grave hipovolemia, acrescida à perda de sangue e de fluidos corporais por causa do açoitamento, da hematidrose e do suor excessivo, além da perfuração dos pés e mãos, do tempo na cruz etc. Em alguns casos, uma volumosa embolia pode ocorrer, resultando em morte rápida. Como o crucarius já se encontrava em severa condição de a fraqueza por causa do choque, a acentuada hemorragia resultante da fratura dos ossos das pernas e a violenta dor iriam aprofundar o nível do choque traumático e hipovolêmico, com consequente queda na pressão sanguínea e rápido congestionamento nas extremidades inferiores, resultando em perda da consciência, coma e morte. (…) O crurifragium tinha uma segunda função – prevenir que a vitima se arrastasse depois da remoção da cruz se ainda estivesse viva e, assim, evitar que fosse devorada por animais selvagens.

(…)

É interessante notar, do ponto de vista da patologia forense, que em um caso de crucificação real, os pés e mãos estariam extremamente inchados e doloridos pelo fato de estarem pregados à estaca e à barra horizontal, respectivamente, ambos piorando com o tempo. Qualquer pressão feita contra os pregos nos pés seria completamente intolerável.

É interessante notar que o professor Baima Bollone repudiou a hipótese de asfixia com base no fato de que Jesus não poderia falar se Ele estivesse com falta de oxigênio, e é sabido que Ele fez isso várias vezes enquanto esteve na cruz.

(…)

1) Os resultados desses estudos desmentem esmagadoramente a teoria da asfixia como causa da morte.

2) Não existe dificuldade para respirar na posição da cruz.

3) A posição dos voluntários na cruz foi completamente compatível com os critérios postulados por Barbet.

4)  Os testes de oximetria auricular, gases do sangue e testes respiratórios complementares mostram evidências de que o nível de oxigênio permaneceu normal ou aumentou.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 131-155.

A Ressurreição

“Com efeito, a figura impressa no Sudário continua a levantar, como vimos, uma série de interrogações verdadeiramente enigmáticas: Como se gravaram umas imagens fotográficas dezoito séculos antes de se inventar a fotografia? Como é que essa impressão se realizou em negativo? Como é que tem imagens tridimensionais per feitas? Por que o linho, que tem impressa a figura de um cadáver, não apresenta a menor mancha de decomposição cadavérica? Por que toda a imagem está gravada de uma maneira tão uniforme, quando o lógico era que estivessem mais vincadas as marcas do dorso? Por que as manchas de sangue se imprimiram de forma diferente da dos traços do corpo?

(…)

Efetivamente, suponhamos que o Sudário é de algum modo indício e testemunho da Ressurreição, e que houve algum tipo de irradiação associada a esse fenômeno. Neste caso, teríamos as seguintes respostas:

a imagem gravou-se fotograficamente pela radiação emitida no momento da ressurreição;

– essa impressão gravou-se em negativo por que assim são as imagens gravadas por irradiação;

– não existe mancha de decomposição cadavérica porque a Ressurreição se deu antes da putrefação cadavérica;

a imagem está gravada uniformemente porque a Ressurreição se deu mediante levitação e, nessas circunstâncias, tanto as marcas do dorso como as da frente marcam a figura por igual, pois o peso não conta;

ficaram as manchas de sangue porque, estando fora do corpo, as crostas sanguíneas não ressuscitaram, ao contrário do corpo.

Mais importante é que justamente esta hipótese explicaria o fato de se ter encontrado mais C-14 na amostra do que o que se deveria esperar de um tecido do século I, pois, como vale a pena lembrar, o C-14 forma-se a partir do C-13, e do nitrogênio por efeito de radiações. Ora bem, este fato sugere que a proporção de C-14 encontrada, mais que uma prova que desabone a autenticidade, poderá ser o ponto de partida para uma nova série de pesquisas que permitam compreender melhor os efeitos físico-químicos da Ressureição. (…)

Conta o Prof. Barbet que, quando estava prestes a entregar à tipografia a primeira edição do seu opúsculo sobre as pesquisas em torno do Sudário, quis conhecer a opinião de um homem de ciência, competente e livre de toda a parcialidade, e procurou o seu amigo Hovelacque, professor de Anatomia na École Pratique de Paris. Hovelacque era homem de reconhecida honestidade cientifica, mas agnóstico. Pegou o opúsculo e começou a lê-lo. No fim, fechou o livrinho, ficou em silêncio e, passados uns mi nutos, exclamou; «Mais alors, mon vieux…, Je sus Christ a ressuscite!…» (Mas então, meu amigo, Jesus Cristo ressuscitou!)

É evidente que a ciência não se mete a falar de ressurreição, mas induz a pensar que o cadá ver, num instante infinitesimal, desapareceu; não fala de corpo glorioso, mas dá a entender que esse corpo ficou subitamente dotado de uma carga fantástica de energia, deixou de pesar e abandonou a mortalha sem deformá-la, como objeto que passa através dos corpos.”

ESPINOSA, Jaime. O Santo Sudário. São Paulo: Quadrante, 2017, pág. 74-76.

A Figura não Resultou de Contato Direto com o Tecido

“Segundo tudo leva a crer, a figura do corpo do homem do Sudário foi produzida enquanto o corpo estava envolvido no lençol. (…) observam-se abundantes manchas de sangue que, pela sua precisão e exata localização, somente poderiam resultar de um contato direto do corpo com o tecido.

No entanto, a imagem estampada não revela nenhuma das características que acompanham necessariamente uma reprodução por contato direto.

Se envolvermos um corpo num lençol, de pois de aplicar-lhe uma substância apropria da para que deixe vestígios no pano, verificaremos, ao desdobrar e estender o lençol, que a imagem nele estampada apresenta distorções e fica desproporcionada. A explicação é simples: a extensão do corpo no tecido é muito maior do que a sua projeção numa fotografia ou em nossa retina. Quando estampamos num papel as impressões digitais de um dedo, a figura que resulta é muito mais larga do que a visão ou a fotografia desse dedo. O mistério do Sudário é que, tendo o corpo estado em contato com o tecido, a figura se revela perfeitamente proporcionada e sem distorções…

Tudo se passou como se se tivesse estendido o lençol a uma certa distância do corpo, e as impressões deste tivessem sido transpostas para o tecido sem nenhuma deformação, em negativo. e dando o código das distâncias e do relevo, a tridimensionalidade.”

ESPINOSA, Jaime. O Santo Sudário. São Paulo: Quadrante, 2017, pág. 20-21.

Figura Tridimensional

“Para aumentar o enigma, os cientistas descobriram que a imagem impressa no Sudário é tridimensional.

Em 1973, o francês Paul Gastineau fez uma modelagem do rosto do Sudário em relevo, baseando-se na intensidade luminosa de cada zona da imagem impressa na mortalha, e verificou com surpresa que o tecido contém o código do relevo do objeto que envolveu: o código da terceira dimensão.

Pouco depois, em 1977, dois pesquisadores da NASA, Jumper e Jackson, ajudados por um colega, Mottern, seguiam a mesma pista ser vindo-se de um analisador de imagens VP-8, que é hoje utilizado para determinar o relevo das ondas enviadas por objetos distantes, como os astros, e voltaram a obter numa tela de TV uma fotografia em relevo do rosto do Sudário.

ESPINOSA, Jaime. O Santo Sudário. São Paulo: Quadrante, 2017, pág. 19-20.

O Desaparecimento

“(…) a presença do Sudário em Constantinopla em 1203-1204. (…) Foi então que, segundo Robert de Clary, desapareceu o Sudário “no qual Nosso Senhor Jesus Cristo foi envolvido, que toda sexta-feira era exposto bem esticado, de modo que se podia ver a imagem de Nosso Senhor. Ninguém, nem grego nem francês, soube dele quando a cidade foi conquistada”.

ZACCONE, Gian Maria. Nas Pegadas do Sudário: História antiga e recente. São Paulo: Edições Loyola, 1999, pág. 44-45.