Tente Outra Vez!

“Você é hoje aquilo que fez no passado.”

(…)

“(…) recuse-se a alimentar a consciência de derrota. Sempre tente mais uma vez, não importa quantas vezes já tenha fracassado.”

YOGANANDA, Paramahansa. Como Despertar Seu Verdadeiro Potencial. Ed. Pensamento. Versão Kindle, 2019, Posição 75-83.

De Volta para o Futuro

“A pergunta sobre o passado ajuda a entender o que está acontecendo no presente, mas a conversa de coaching é voltada para o futuro. O passado revela utilidade para o futuro quando invoca o aprendizado. Não há como modificar o passado, mas aprender com ele para agir no presente e criar um futuro, sim!”

(…)

“(…) a conversa de coaching é mais orientada pelo feedfoward: o que pode ser diferente?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 326 -333.

Mágoas

“Tornamos à segunda reunião semanal do grupo presidido pelo irmão Raul Silva, a cuja organização nosso orientador não regateava simpatia e confiança.

(…)

– Esperar, esperar? há quanto tempo não faço outra coisa! Em vão procuro reaver a alegria… Por mais me dedique ao trabalho de  romper com o pretérito, vivo a carregar a sombra de minhas recordações, como quem traz no próprio peito o sepulcro dos sonhos mortos… Tudo por causa dele… Tudo pelo malvado que me arruinou o destino…

(…)

– Não vejo a entidade de quem a nossa irmã se faz intérprete – alegou Hilário, curioso.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 22.

Memórias no Desencarne

“Dona Elisa, embora vendo e ouvindo, não mais logrou articular uma frase. “Buscou inutilmente mover os braços, ante a dor aguda que passou a registrar no peito, todavia, não teve forças para tanto.

Áulus deu-se pressa em administrar-lhe passes calmantes, contudo, não obteve grande resultado.

(…)

Teve a noção de que lhe cabia fazer a viagem do túmulo… Como se um relâmpago lhe rasgasse a noite mental, num desses raros minutos que valem séculos para a alma, reviu apressadamente o passado. Todas as cenas da infância, da mocidade e da madureza reapareceram de inesperado no templo da memória, como que a convidá-la a escrupuloso exame de consciência.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 21.