Percepção Intuitiva da Verdade

“O “segundo nascimento”, cuja necessidade é mencionada por Jesus, leva-nos ao domínio da percepção intuitiva da verdade.”

*Nota: Que ninguém suponha”, diz a Teologia Germânica, “que chegamos a esta verdadeira luz e a este perfeito conhecimento (…) por ouvir dizer, ou por leitura e estudo, nem tampouco por extrema proficiência e grande erudição”. “Não é suficiente”, diz Gerlac Petersen, “conhecer somente por estimativas: precisamos conhecer por experiência”. Assim Matilde de Magdeburg comenta suas revelações: “A escritura deste livro foi vista, ouvida e experimentada em cada membro. (…) Eu o vejo com os olhos de minha alma e o escuto com os ouvidos do meu espírito eterno.” – Citado em Mysticism, de Evelyn Underhill, parte I, capítulo 4.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 266.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Comunicação por Vibrações

“Depois de estar com Jesus por um dia juntamente com seu companheiro, André estava tão impregnado do magnetismo espiritual que emanava de Jesus que compreendeu quem Jesus era, reconhecendo-o como o Cristo. A Consciência Crística não pode ser inferida intelectualmente, mas tem de vir por meio da percepção intuitiva. Gurus enviados por Deus não têm de converter seu círculo interno de discípulos com sermões em praça pública; eles se comunicam sobretudo pela silenciosa emanação das vibrações de sua realização divina.

(…)

A totalidade de uma pessoa se expressa em seu magnetismo. Seu próprio ser, na verdade, tem origem no magnetismo – nos poderes ideativos criadores do corpo causal do homem, as ideias de Deus que compõem os corpos astral e físico e que conferem sustento à encarnação daquela alma. A Consciência Cósmica e a Energia Cósmica, penetrando pelo bulbo raquiano, dirigem-se aos centros sutis cerebrospinais de vida e consciência, e daí ao corpo físico, como correntes positivas e negativas, formando uma série de magnetos. Cada individuo se constitui de um feixe de tais magnetos, capaz de exercer atração conforme sua força magnética.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 206.

Capítulo 9: Jesus encontra seus primeiros discípulos.

Disposição para Orar e Meditar

“(…)o buscador de Deus, que mantém sua percepção concentrada no olho espiritual, é guiado pelas sugestões provenientes da consciência e da intuição. Desse modo, seu discernimento e autocontrole estão sempre despertos e alertas, capazes de reconhecer e debelar a incitação de impulsos e hábitos prejudiciais que a ilusão cósmica insinua à sua consciência identificada com o corpo.

(…) Jesus elogiou a disposição interior do devoto que, por amor a Deus e ao bem, realiza um intenso esforço por orar e meditar apesar da desobediência do corpo. Tal estado é muito melhor que a hipocrisia de manter o corpo exteriormente em postura de meditação e oração enquanto interiormente se está rebelde e com má vontade.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 365.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Novas Realidades no Processo Evolutivo

“(…) Agora, assumindo a veracidade da teoria da evolução, abrem-se as perspectivas futuras que ela nos aponta e podemos, em plena lógica, afirmar a hipótese de que o homem, no seu próprio processo evolutivo, vá desenvolvendo estruturas de sensibilidade e percepção capazes de lhe revelar aspectos da realidade que lhe eram antes velados.

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 87.

Natureza do Hiperespaço

“Sendo assim, havemos de convir que o fenômeno parapsicológico, implicando em expressão de energia de natureza ainda não cientificamente conhecida e em novas percepções do ser humano, revelando faculdades de seu potencial interno, na realidade ainda não de todo revelado, nem por isso é menos efetivo, sensível, objetivo. Há que pensar-se pois em que meio, em que ambiente, em que “substratum” da realidade –  até agora apenas suspeitado, praticamente ainda oculto à ciência humana – se passa essa fenomenologia, atuam as suas causas, constituindo-se aquele “substratum” na razão substancial e energética de sua própria manifestação.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 72.

Agora estou emocionadamente Satisfeito

Agora estou emocionadamente satisfeito e nunca mais exigirei provas dessa natureza.”

“Verifiquei que, depois disso, a faculdade ainda mais se desenvolveu, se ampliou e se aclarou, modificando-se evidentemente para melhor, de vez que foi complementada por uma espécie de visão hiperespacial, conjunto esse – telepatia – visão hiperespacial– que possibilitou tudo o que se seguiu e que constitui a razão de ser deste livro.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 63.

Fenômenos em Meio à Névoa

“Face àquela evidência de supranormalidade, estimulamo-nos para a busca de um contato, que se nos afigurava imediato. Já muito próxima, porém, “aquela coisa”, uma chalana talvez, como costumamos denominar esses pequenos objetos envolveu-se em uma névoa e pouco a pouco ficou velada, deixando apenas o piscar daquela estranha luz rósea agora já fosca, da qual, em meio à tal névoa, nos aproximamos à distância presumível de cinco a dez metros, quando a Sra. Enita Uchôa, minha esposa, exclama temerosa: – “Cuidado, cuidado, você vai bater nisso!”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 61.

Segurança e Ordem no Serviço do Bem

“Gabriel, de olhos percucientes e lúcidos, a tudo presidia com firmeza

Nenhuma ocorrência, por mínima que fosse, lhe escapava à percepção.

Aqui, a um leve sinal seu, entidades escarnecedoras eram exortadas à renovação de atitude, ali, socorriam-se doentes que ele indicava com silencioso gesto de recomendação.

Era o pulso de comando, forte e seguro, sustentando a harmonia e a ordem, na exaltação do trabalho.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, Capítulo 18.

Estímulos Mediúnicos

“Não podemos olvidar que há fenômenos de clarividência e clariaudiência que partem da observação ativa dos instrumentos mediúnicos, identificando a existência de pessoas, paisagens e coisas exteriores a eles próprios, qual acontece na percepção terrestre vulgar, e existem aqueles que decorrem da sugestão que lhes é trazida pelo pensamento criador dos amigos desencarnados ou encarnados, estímulos esses que a mente de cada médium traduz segundo as possibilidades de que dispõe, favorecendo, por isso mesmo, as mais díspares interpretações.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 105-113.

 

Grupos Espirituais

“ Cada planeta revoluciona na órbita que ele é assinalada pelas leis do equilíbrio, sem ultrapassar as linhas de gravitação que lhe dizem respeito, e cada consciência envolve no grupo espiritual a cuja movimentação se subordina.

“somos, pois, vastíssimo conjunto de inteligências, sintonizadas no mesmo padrão vibratório de percepção, integrando um todo, constituído de alguns bilhões de seres, que formam por assim dizer a humanidade terrestre.”

Xavier, Francisco Cândido / André Luiz. Nos Domínios da Mediunidade. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1955, pp. 11-18.