Renovação da Igreja Católica

Além disso, temos de considerar que a Igreja Católica se desviou da sua obra de salvação, por um determinismo histórico que a compeliu a colaborar com a política do mundo, em cujas teias perigosas a sua instituição ficou encarcerada e que, examinada a situação, não é possível desmontar-se a sua máquina de um dia para outro. Sabemos, porém, que a sua fase de renovação não está muito distante. Nas suas catedrais confortáveis e solitárias e nos seus conventos sombrios, novos inspirados da Umbría virão fundar os refúgios amenos da piedade cristã.

(…)

Xavier, Francisco Cândido / Humberto de Campos. Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. Federação Espírita Brasileira, Brasília, 1938, p.162

Transitoriedade das formas

Tendo morrido para o seu Ego pessoal, eis que nascera outra vez, estabelecido no Eu.

O herói é o patrono das coisas que estão se tornando, e não das coisas que se tornaram, pois ele é. “Antes de Abraão existir, EU SOU”.Ele não confunde a aparente imutabilidade no tempo com a permanência do Ser (…) “Nada retém sua própria forma, a Natureza, a maior renovadora, constantemente cria formas de formas. Certamente nada há que pereça em todo universo, há apenas variação e renovação de forma.”

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 236.

Árvore e Transmutação

Se você alguma vez se sentir completamente esgotado, se estiver zangado ou tenso, saia ao ar livre e sente-se junto a uma árvore. Escolha uma árvore frondosa, sólida (carvalho e o pinheiro são boas opções), sente-se no chão, com as costas eretas, e se encoste no tronco. Feche os olhos e relaxe. Você sentirá uma mudança gradual em seu corpo. Sua tensão, sua raiva e seu cansaço vão desaparecer. É como se a árvore drenasse tudo isso de você e substituísse esse mal-estar por uma sensação crescente de calor, amor e conforto. Esses sentimentos vem da árvore. Aceite-os e regozije-se. Fique sentado ali até se sentir renovado. Então, antes de ir embora, fique de pé com os braços ao redor da árvore e a agradeça.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, p. 46.

Morte e nascimento

Apenas o nascimento pode conquistar a morte – nascimento não da coisa antiga, mas de algo novo. Dentro do espírito e do organismo social deve haver – se pretendemos obter uma longa sobrevivência – uma contínua “recorrência de nascimentos” (palingenesia) destinada a anular as recorrências ininterruptas da morte.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 26.