Perguntas Poderosas e a Presença

“(…) escuta é uma competência intimamente ligada à habilidade de perguntar. Afinal, como perguntar respondendo a tudo que foi dito sem escutar? Haja presença! Presença é a competência perseguida nesses tempos líquidos, em que tudo muda a todo tempo e para qualquer direção.”

(…)

“No caso da pergunta instigante ou poderosa, presença é estar aqui, agora, e totalmente focado na agenda do outro.”

(…)

“Quando o perguntador desenvolve um domínio mínimo da competência para fazer perguntas instigantes ou poderosas, ele começa a expressar quem é por meio delas.”

(…)

Estou aqui agora? A agenda da pergunta é minha ou da pessoa?

(…)

“Estou tenso/preocupado com as perguntas/o horário/o resultado desta conversa? Fiz uma pergunta, ou uma comunicação direta (vide parte 1) disfarçada em tom de pergunta?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 947-969.

Emoções, Aprendizados e Deasafios

“O que mais? Se você soubesse a resposta, qual seria? Que critérios você está usando? Se alguém lhe dissesse ou fizesse isso, o que você sentiria/pensaria/faria?

(…)

“A chave para o poder da aprendizagem pela ação reside na qualidade e no fluxo das perguntas… especialmente as mais difíceis, nos fazem pensar e aprender.”

(…)

“Afetivas – Como você se sente em relação a…? Criam conexões – Quais as consequências dessas ações? De esclarecimento – Você poderia explicar melhor isso?”

(…)

“Contratação – Quais são os seus desafios? Como eu/esse processo podemos ser úteis para você? Metas – Quais resultados você quer atingir? Qual é a relação desse desafio com suas metas pessoais? Planejamento – O que você sabe e o que não sabe sobre o desafio? Quais decisões vai delegar? Padrões – Existe algum padrão de relacionamento envolvido? Qual é o gatilho (evento) que promove o padrão? Limites – Qual é a clareza que as pessoas possuem do que é esperado delas? Avaliação – Como você acha que se saiu? Quais desafios continua
enfrentando? Qual próximo passo deseja tomar?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 716-751.

Perguntas Fundamentais

“Perguntas Fundamentais • O que você quer? • Como você irá alcançar isso? • Quão comprometido você está com isso? • Como saberá que obteve o que deseja? Perguntas a Níveis Lógicos Visão – Quem mais? Identidade – Quem? Valores – Por quê? Capacidades – Como? Ações – O quê? Quais? Ambiente – Quando? Como?”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 646.

Como Perguntar

“A pergunta mostra curiosidade genuína e é feita cuidadosamente; O foco das perguntas é predominantemente no futuro, por vezes no aqui e agora e raramente no passado; É curta, aberta e simples de entender, muitas vezes
parece genérica; Contém verbos de ação no infinitivo e o pronome “você”; Contém palavras no plural e advérbios de intensidade; Utiliza o linguajar e é dirigida a temas que interessam a quem responde; Ritmo, tom de voz e momento escolhido causam impacto no respondente; Contém valores e emoções que possam estar implicados no foco da conversa; Provoca o sujeito a refletir sobre suas capacidades para escolher um estado futuro; Refere quem o sujeito deseja ser; Implica o sujeito no estado atual; Há intensão em honrar um acordo
entre quem pergunta e quem responde (…)”

(…)

“A agenda da pergunta é de quem responde, e não de quem pergunta; O silêncio acontece em respeito a quem responde.”

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 552 -567.

É Preciso Coragem

“É preciso coragem para fazer perguntas ao invés de oferecer conselhos, fornecer a resposta ou a solução.” (Brené Brown)

GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 459.

Perguntas e Respostas

“Devemos julgar um homem mais pelas suas perguntas do que pelas suas respostas.” Voltaire

(…)

“Pergunta é uma palavra derivada do verbo perguntar, que, por sua vez, provém do latim “percontari”. “Per” em latim significa “por”, e assim como “percapita”, significa “por cabeça”, “percontari”, significa “por contar”[i]. A pergunta é um pedido de informação, uma palavra ou frase que se espera que alguém responda ou, como “percontari” sugere, conte algo a respeito.”

(…)

“Indagação também vem do latim, “in dagatio onis”, e guarda relação com um ato íntimo de perguntar a si mesmo, com um ato investigativo.”

(…)

“Questão também vem do latim, “quaestĭo -ōnis”. A questão se relaciona a um ponto, um aspecto circunscrito que se presta a uma discussão.”

In GOLDEMBERG, Gilda. Perguntas Poderosas: Um guia prático para aprender a
perguntar e alcançar melhores resultados em coaching. Ed. Casa do Escritor – 2a Edição, 2019. Versão Kindle, posição 183-195.

Mente de Pergunta Aberta

Quando o Buda desistiu de sua busca por respostas, ele se deparou com uma alternativa que não sabia existir – a mente de uma pergunta aberta. O Buda descobriu que, quando se fazia uma pergunta, sua mente estava ativa, mas ao mesmo tempo aberta. O processo de questionar a si mesmo o protegeu tanto do extremo da ignorância quanto o da certeza falsa, abrindo espaço para a expressão da inteligência criativa da mente. Ele encontrou uma maneira de estar dentro da mente de uma pergunta aberta, que era profundamente clara, ativa e cheia de aventura, e chamou-a de Caminho do Meio.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 45.

Perguntas Sem Respostas

“Na tradição do budismo Zen, um koan é uma história, afirmação, questão ou diálogo paradoxais que são inacessíveis ao pensamento convencional. O praticante utiliza o koan como um ponto de partida para a investigação meditativa. Focando em uma única questão, ele(a) busca um modo de ser que transcenda respostas ou soluções ordinárias. Essa transcendência é semelhante à mente de uma pergunta aberta: uma mente que se envolve, mas que não busca segurança ou conclusões.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 35.

A Arte de Perguntar

“Voltaire escreveu, certa vez: “Julgue um homem por suas perguntas, em vez da suas respostas”. Sir Francis Bacon acrescentou: “Uma questão prudente já é metade do conhecimento”. Indira Gandhi concluiu: “O poder de questionar é a base de todo progresso humano”.

Keller, Gary; Papasan, Jay. A única coisa. O Foco Pode Trazer Resultados Extraordinários Para Sua Vida. Novo Século Editora, Barueri, 2014, p. 97.