O Jejum da Meditação

O profundo samadhi da meditação é possível somente quando todas as funções corporais são aquietadas. Uma dieta apropriada e o jejum são úteis, condicionando o corpo para esse estado de tranquilidade e interiorização. Jesus reconheceu esse princípio ao jejuar a fim de espiritualizar o corpo e libertar a mente durante seus quarenta dias no deserto.

Meditar com o estômago vazio é uma boa prática, pois a energia que opera o sistema nervoso não está então ocupada com as funções corporais. A meditação após uma refeição pesada estabelece um conflito entre a consciência do corpo e a superconsciência da alma. Quando temos o estômago cheio, o coração, os pulmões e os sistemas digestivo e nervoso estão todos ocupados com a digestão do alimento, queimando carbono e mantendo a circulação até os pulmões para eliminar do sangue o dióxido de carbono. Isso conserva a mente subconsciente ocupada, e ela, por sua vez, introduz sua inquietude na mente consciente. Tal invasão da consciência impede a comunhão divina interior.”

Nota: “Estudos recentes indo-germânicos revelaram que o jejum pode prolongar o tempo de vida”, relatou um artigo no The Deccan Chronicle, de Hyderabad, India, em 23 de janeiro de 1995. “As experiências efetuadas pelo Centro de Biologia Celular e Molecular (CCMB), com sede em Hyderabad, em colaboração com o Instituto Max Planck de Endocrinologia Experimental (Alemanha), observaram que o jejum preservava grande quantidade de energia. Esse excesso de energia poderia ser utilizado para executar outras funções do corpo humano ou para mantê-lo saudável, aumentando assim a longevidade.

“Durante as experiências, em que ratos foram submetidos a jejum, descobriu-se que a renovação ou substituição das células de revestimento interno, o que requer uma grande quantidade de energia, cessou completamente. Não havia também decadência celular fisiológica, e as células intestinais tornaram-se mais eficientes na absorção de nutrientes”, disse Dr. P. D. Gupta, Diretor Representante do CCMB e chefe do estudo em grupo.

“Dr. Gupta relatou que havia exemplos de munis jainistas que jejuaram por mais de 200 dias. Entretanto, descobriu-se que o jejum de até três dias interrompia completamente a ‘decadência celular fisiológica’. A pesquisa constatou que o jejum intermitente de um ou dois dias durante o período de um mês era sempre benéfico.” (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 190-191.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

O Modo de Conhecimento Depende da Mente

O modo como conhecemos as coisas depende da mente, nada além disso. Muitos de nós temos momentos de profundo contentamento quando não sentimos a necessidade de alterar, expressar, fugir ou agregar, de qualquer modo, algum significa do especial à nossa experiência. O contentamento profundo mostra-nos que, ao menos momentaneamente, nosso hábito de valorizar e proteger a nós mesmos daquilo que chamamos de “outro” desapareceu. Em momentos como esse, paramos de objetificar as coisas. Podemos deixar as coisas serem. E, quando a mente descansa tranquila desse modo, ela acomoda tudo, como o espaço.”

MATTIS-NAMGYEL, Elizabeth. O Poder de uma Pergunta Aberta: o caminho do Buda para a liberdade. Teresópolis, RJ: Lúcida Letra,  2018. p. 73

Fazenda Rio do Ouro

“Em confronto com as experiências anteriores, vi-me como em estado bem límpido de tranquilidade emocional e mental, amplamente consciente de tudo ao redor, como vivendo uma impressionante abrangência perceptiva e consciencial. Encontrei-me de imediato com Y, sempre a receber-me com seu ar habitual de apoio e simpatia:

– “Você hoje tem condições para contactar com o Comt. YASHAMIL e com ele dialogar.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág. 125.

Felicidade e Liberdade

“A felicidade e a liberdade começam com a clara compreensão de um princípio: algumas coisas estão sob nosso controle e outras não. Só depois de aceitar essa regra fundamental e aprender a distinguir entre o que podemos e o que não podemos controlar é que a tranquilidade interior e a eficácia exterior tornam-se possíveis”.

Epicteto. A arte de viver/ Epicteto; uma nova interpretação de Sharon Lebell. Sextante, Rio de Janeiro, 2018, p. 21.