O Homem Materialista Morrerá Insatisfeito.

“Esquecido da Bem-aventurança e da Vida Divina presentes em sua alma, que tudo proveem e saciam todos os desejos, o homem materialista morrerá insatisfeito. Seus anseios permanecerão com ele mesmo após a morte – uma sede latente que o impelirá a se reencarnar repetidas vezes em busca de satisfação.

Mas todo aquele que beba da fonte da eterna bem-aventurança em Deus descobrirá saciada para sempre a sede de cada desejo de todas as suas encarnações.

(…)

Gratificar o corpo e o ego com experiências materiais e posses jamais poderá compensar o homem pela perda de sua infinita felicidade da alma.

Os desejos mortais prometem felicidade, mas em vez disso trazem tristezas. “Porque os prazeres dos sentidos surgem dos contatos com o exterior, e têm começo e fim (são efêmeros), eles são causadores apenas de infelicidade. Nenhum sábio busca neles a felicidade.”*

A alma até mesmo da pessoa mais mundana está internamente ciente de sua Bem-aventurança celestial, que se perde apenas na sua identificação externa com o corpo. E por isso que ela jamais pode ficar satisfeita por muito tempo com os prazeres temporários dos sentidos.”

*Nota:  A Yoga do Bhagavad Gita.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 327-328.

Capítulo 17: A Mulher de Samaria, Parte I.

 

Nicodemos Era Um Fariseu

“Conforme mencionado nos versículos bíblicos acima, Nicodemos era um fariseu. Josefo, historiador judeu do primeiro século, escreve sobre as crenças dos fariseus: “Eles dizem que as almas são imortais; que as dos justos passam depois desta vida a outro corpo e que as dos maus sofrem tormentos que duram para sempre” (Guerra dos Judeus Contra os Romanos, Livro 2, capítulo 12). Alguns eruditos religiosos afirmam que esta é uma referência à reencarnação; outros sustentam que é apenas uma declaração da doutrina dos fariseus sobre a derradeira ressurreição dos virtuosos. Independente disso, há ampla evidência de que muitos judeus acreditavam na reencarnação. A enciclopédia alemã Meyers Konversationslewikon declara: “No tempo de Cristo, a maioria dos judeus acreditava na transmigração da alma. Talmudistas julgavam que Deus havia criado um número limitado de almas judaicas que retornariam enquanto houvesse judeus. (…) Entretanto, no dia da ressurreição, todas seriam purificadas e ressuscitadas nos corpos dos justos na Terra Prometida.”

(…)

Em várias passagens do Novo Testamento fica evidenciado que o conceito da reencarnação era conhecido dos judeus: quando “os sacerdotes e levitas” perguntaram a João Batista: “És tu Elias?” (João 1:21, Discurso 6); e quando os discípulos de Jesus disseram: “Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias ou um dos profetas” (Mateus 16:14; ver Discurso 45, no volume II). (Nota da Editora)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 268-269.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

A Verdade é Uma Só

A verdade é uma só: a exata correspondência com a Realidade. As encarnações divinas não vêm trazer uma religião nova ou exclu sivista, mas restaurar a Religião Única da realização divina. Todos os grandes mestres, como ondas, banham-se no mesmo Mar Eterno e tornam-se Um com Ele. As mensagens externamente distintas dos profetas são parte da necessária relatividade que se adapta à diversi dade humana. É a estreiteza mental que cria a intolerância religiosa e as denominações separatistas, reduzindo a verdade a uma adoração ritualista e a um dogmatismo sectário; a forma é confundida com o espírito. A mensagem essencial de autêntico contato entre o homem e seu Criador é diluída pela ignorância. A humanidade bebe dessas águas poluídas e não compreende de modo algum por que sua sede espiritual permanece. Somente as águas puras podem saciar uma sede opressiva.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 267.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Avatar do Grande Seth

” (…) gostaria de destacar uma pequena parte do texto que diz: “Jesus, o vivo, aquele a quem o grande Seth se revestiu”. O texto na língua inglesa está escrito: “Jesus the living one, even he whom the great Seth has put on.” A parte do texto “Seth has put on” em uma tradução literal ficaria algo como: “Seth colocou”. Seth colocou no sentido de vestir, como quem veste uma roupa, ou seja, o autor está relatando que Seth se vestiu ou se revestiu de Jesus, como se Jesus fosse uma roupa, ou um veículo o qual o grande Seth pode se manifestar no mundo material. Algo como um avatar, do Sânscrito अवतार (Avatāra), que significa “descida” e representa a aparência ou a encarnação de um Ser Supremo, assim como o grande Seth, ou seja, de acordo com o texto Jesus seria a encarnação, o avatar do grande Seth.”

Nascimento, Peterson do. Evangelho Copta dos Egípcios (Coleção Apócrifos do
Cristianismo Livro XVI) – Versão Kindle, Posição 616.

O Esquecimento Necessário na Reencarnação

“A cortina que oculta e separa uma encarnação de outra é uma das grandes ilusões criadas por Deus. Sem tal divisão entre encarnações, nenhum ator no palco da vida seria capaz de lidar com sua identidade caleidoscópica e seus relacionamentos com os demais, nem com seu papel nos eventos cármicos de causa e efeito que se movem qual redemoinho à sua volta – um desconcertante conflito de inúmeras encarnações, com seus relacionamentos interpessoais ramificando-se em ilimitadas existências e experiências prévias. Ao esquecermos o passado, estando limpa a lousa da memória de cada nova existência, há uma renovação e mantém-se um grau de ordem progressiva no drama cósmico.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 112.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.

Poderes de Jesus em Sua Infância

“(…) já em sua infância Jesus possuía grandes poderes, similares àqueles que ele havia manifestado em sua encarnação prévia como Eliseu, pressagiando os milagres do seu ministério de adulto, que demonstraram comando sobre a vida e a morte e sobre as leis naturais que não cedem em sua fixidez exceto por um comando divino.

(…)

À medida que o menino sai da infância, ele inicia o exercício mais consciente de seus poderes concedidos por Deus.

(…)

Vida e morte, matéria animada e inanimada, tudo era visto pelo menino Jesus como vibrações manipuláveis da consciência de Deus. Relata-se que ele moldou pardais a partir da lama retirada de poços depois de uma tempestade; e quando repreendido por ter praticado tal ação no sábado, ele deu vida aos pássaros e ordenou-lhes que voassem.

(…)

“Se um homem desconsidera o aviso de não tocar um fio desencapado e é com isso eletrocutado, não é o fio desencapado, mas a insensatez do homem, o responsável por sua morte. A mesma verdade se aplica ao caso das crianças perversas que zombaram de Eliseu. Trata-se da história de toda oposição maléfica à vontade justa de Deus: o mal causa, por fim, sua própria destruição.” God Talks With Arjuna: The Bhagavad Gita.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 79-81.

Capítulo 4: A infância e a juventude de Jesus.

Os Anjos e o Nascimento

“Embora Jesus sempre tivesse permanecido em Espírito junto dos homens, durante a sua encarnação terrena, ele manifestou-se pessoalmente no seio da comunidade humana e envolveu-a diretamente com sua excelsa vibração sideral e vivência mais intima com o Cristo Planetário. Em verdade, as potências angélicas haviam derrotado fragorosamente as legiões satânicas e Jesus atingira a carne.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 117.

Missão na Terra

“A vida de Jesus não foi um automatismo, nem consequência de deliberação do Alto, impondo o Cristianismo de qualquer modo; mas os acontecimentos principais foram esquematizados dentro de um plano de sucesso espiritual, em que não fosse tolhida a vontade, o pensamento e o sentimento de todos os seus participantes encarnados ou desencarnados. Espíritos eleitos, escolhidos e convidados participaram desse programa messiânico de benefício coletivo, sob a égide do Messias, mas nenhum deles foi cerceado no seu livre-arbítrio.

Os apóstolos, discípulos e seguidores de Jesus, ao servi-lo para o êxito de sua sublime missão, também buscaram sua própria renovação espiritual e imolaram-se para a florescência de um ideal superior, liquidando velhas contas cármicas assumidas no pretérito. O sangue cristão, derramado para alimentar os fundamentos do Cristianismo, também lavou as vestes períspirituals dos seus próprios mártires.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 36-37.

Conjunção – Saturno, Júpiter e Marte

“A mais eficiente organização dos homens ainda é um simples arremedo da mais singela disciplina determinada pela Administração Sideral dos orbes, sistemas solares e das galáxias do Cosmo. O “acaso” não existe nas obras criadas por Deus! (…) Se a “queda de um fio de cabelo” não se faz por acaso, é impossível imaginarmos a complexidade, a extensão dos esquemas, detalhes e planos elaborados há bilhões e bilhões de anos, pelo Alto, a fim de prever e disciplinar a descida dos Instrutores Espirituais à Terra, no momento exato da necessidade de progresso e redenção dos encarnados.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 35.

Acordo Prévio de Manifestação

“(…) a manifestação de Jesus no vosso orbe se efetuou de acordo com um plano minucioso delineado antecipadamente pela Engenharia Sideral, no qual foram previstas as principais etapas de sua descida e as decorrências de sua vida física, no tocante à arregimentação de seus apóstolos e outros discípulos.*

* Nota: “Todas as reencarnações, mesmo a dos indivíduos inferiores, são objeto de um planejamento detalhado por parte administradores espirituais?” Resposta: Há renascimentos quase que automáticos principalmente se a criatura permanece fronteiriça a animalidade, entendendo-se que quanto mais importante o encargo do espírito por a corporificar-se, junto da Humanidade, mais dilatado e complexo o planejamento da reencarnação”. Extraído da Agenda Espirita 1964.

(…)

(…) à medida que ele se desenvolvia no comando do seu corpo carnal, também aumentava, paralelamente, a sua personalidade espiritual.

(…)

Desde a formação do planeta Terra, os sociólogos Siderais previram no esquema evolutivo do orbe, e no tempo exato, a “descida” de todos os instrutores espirituais, destinados a participar dos grandes eventos da sua humanidade. Mas no desenvolvimento desse plano educativo e redentor, eles marcaram a época da conjunção de Saturno, Júpiter e Marte, no signo de Pisces, para a cobertura vibratória da descida do maior de todos os avatares como foi Jesus. Então o acasalamento no campo etérico dos três astros ofereceu na tela celeste um “tom vibratório ou suavidade astralina, que predispunha os próprios homens à expectativa de “algo” sublime e esperançoso. O excelso esponsalício de Jesus com a Terra, nessa mesma época, e a efusão etérica, astralina e mental das humanidades mais avançadas desses planetas espargiam uma vibração espiritual de natureza pacífica, de terna emoção e misteriosa ansiedade sobre os homens.

(…)

O fato de Jesus tornar-se mais tangível, emergindo em Espirito à periferia da Terra e ainda catalisando com o seu infinito Amor e delicado fluido cósmico que aflorava pela via interna do orbe, produzia uma vibração harmoniosa e incomum no coração dos homens**

**Nota: “Como se o mundo pressentisse uma abençoada renovação de valores no tempo, em breve, todas as legiões se entregavam, sem resistência, ao filho do soberano assassinado. O grande império do mundo, como que influenciado por um conjunto de forças estranhas, descansava numa onda de harmonias e de júbilo, depois de guerras seculares a tenebrosas.”

RAMATÍS. O Sublime Peregrino. Obra psicografada por Hercílio Maes. São Paulo: Ed. Conhecimento, 2020, pág. 33-35.