A Causa da Morte de Jesus

“Determinar a causa da morte de Jesus é algo relativamente complexo e requer reconstituição forense de cada fase da do Getsêmani ao Calvário, como se fosse um Caminho da Cruz forense. A reconstituição teria que incluir a hematidrose; o espancamento na casa de Caifás, o sumo sacerdote; o açoitamento; a coroação com os espinhos; a viagem ao Calvário; a fixação na cruz; e a suspensão na cruz. A soma de todas essas informações deve ser avaliada para que se possa determinar a natureza a extensão do sofrimento de Jesus e, assim, chegar à causa de Sua morte.

(…)

O choque, por definição, é um complexo de anormalidades fisiológicas causadas por uma variedade de processos de enfermidades ferimentos. É causado pela perfusão inadequada do órgão (circulação através dos órgãos) e má oxigenação dos tecidos. A perfusão adequada depende do funcionamento correto do coração, dos pulmões e vasos sanguíneos. Certos fatores iniciais causam a redução do volume de sangue em circulação, que por sua vez causa a diminuição do retorno venoso ao coração. Isso diminui a quantidade de sangue bombeada pelo coração, reduzindo o fluxo para os tecidos.

(…)

O choque hipovolêmico (choque de baixo volume) é marcado por  uma significativa queda no volume de sangue, decorrente de hemorragia ou perda de fluidos corporais, causando uma queda na pressão sanguínea, constrição dos vasos sanguíneos periféricos e um aumento na taxa cardíaca como forma de compensação.

É estimado que a redução de aproximadamente um quinto do volume de sangue pode causar choque hipovolêmico. Quando Jesus disse “Eu tenho sede” (João 19:28-30), não há dúvida de que isso foi uma grosseira subestimação. Ele estava privado de líquidos desde Sua última refeição, a Santa Ceia, e sofreu perda de líquidos por causa do suor excessivo, do trauma no peito (efusão pleural), da hemorragia decorrente do açoitamento, da cravação dos pés e mãos, hematidrose, etc. (…) um escriba árabe, el Sujuti, que em 1247 descreveu um jovem turco que estava sendo crucificado em Damasco: “Sua principal agonia era sede. Uma testemunha me contou que ele olhava constantemente para os lados e implorava que lhe dessem água.” McGee, um geólogo americano que estudou largamente os efeitos da sede em indivíduos sofrendo de privação extrema de água em áreas desertas, distinguiu cinco estágios pelos quais o indivíduo passa antes de chegar à morte (…) no primeiro estágio, existe uma secura na boca e na garganta, acompanhada de um forte desejo pelo líquido. Essa é a experiência comum da sede normal, e a condição pode ser aliviada, como a prática indica, com um pouco de água ou por meio do próprio fluxo de saliva, de certa forma. No segundo estágio, a saliva e o muco na boca começam a secar, e a garganta se torna pegajosa e “apertada”. Há uma sensação de secura nas membranas mucosas. O ar inspirado parece quente e a língua gruda nos dentes e no céu da boca. Um “no” aparece na garganta e o individuo começa a engolir em seco continuamente para tentar desfazer essa sensação. De acordo com McGee, durante os três últimos estágios “as pálpebras endurecem em cima dos globos oculares, produzindo olhar fixo, a ponta da língua se torna rígida e amortecida e a pobre vítima tem visões de piscinas límpidas e riachos cintilantes”.

O choque traumático (choque por ferimento) é resultado de um machucado extremamente sério. Esse choque é classificado como choque hipovolêmico quando uma significativa hemorragia acontece como consequência de um ferimento físico. Porém, é mais prudente discutir o choque traumático separadamente, já que ele também pode ocorrer como consequência da dor, sem hemorragia expressiva A presença da dor sem um evento traumático estimula certos mecanismos nervosos no cérebro, fazendo que haja queda na pressão sanguínea redução do fluxo de sangue nos tecidos. Jesus perdeu muito sangue e fluidos, além de ter sofrido dores excruciantes.

Para que se possa chegar à mais provável causa da morte de Jesus, essencial que se examinem, na sequência, todos os eventos, do Getsêmani ao Calvário. A extrema agonia mental exibida no Jardim do Getsêmani teria causado alguma perda no volume de fluido circulante (hipovolemia), tanto por causa do suor como por causa da hemaditrose e teria provocado acentuada fraqueza. O bárbaro açoitamento com flagram composto de tiras de couro contendo pesos de metal o pedaços de osso nas pontas teria causado penetração na pele e trauma nos nervos, músculos e pele, fraturas nas costelas ou deslocamentos das costelas e da cartilagem, lacerações, infiltração de sangue através dos espaços intercostais e da musculatura das costas e do tórax, escoriações, ruptura alveolar (espaços de ar nos pulmões) e, mais provavelmente, colapso de um pulmão (pneumotórax), reduzindo vitima a uma condição exaurida e deplorável.

Em um curto espaço de tempo teria ocorrido uma inflamação no saco de coração, denominada pericardite, a qual se manifesta por meio de dores agudas e cortantes no peito. Surtos de vômito, tremores, ataques e desmaios ocorreriam em intervalos variados durante os acontecimentos. A vítima teria gritado em agonia a cada chibatada, sempre implorando misericórdia. Períodos de extremo suor também teriam acontecido intermitentemente. A vítima teria sido reduzida a um exausto e deformado pedaço de carne ansiando desesperadamente por água. Ela iria respirar rápida e superficialmente, já que a respiração normal causaria dor insuportável, em razão da pressão dos pulmões lacerados contra as costelas fraturadas. Ele teria tido calafrios, suor abundante, convulsões frequentes e um desejo incontrolável por água. Sua pele se teria tornado fria e pegajosa e Sua tez estaria acinzentada. A diminuição da pressão sanguínea teria causado tontura e Sua frequência cardíaca se tornaria fraca, porém acelerada. Nesse ponto, teria havido uma perda significativa de sangue e fluidos, além da extrema dor, implicando o princípio do choque traumático e hipovolêmico.

(…)

A irritação do nervo trigêmeo e do nervo occipital maior do couro cabeludo, provocada pela coroa de espinhos feita com o espinheiro de-cristo sírio (Ziziphus spina-christi)- especialmente depois que Ele foi atingido várias vezes pelos soldados com pedaços de pau -, teria causado dores lancinantes no couro cabeludo e na face. Essas dores cessariam intermitentemente, apenas para começar de novo, mais devastadoras, cada vez que Ele era atingido com um cetro, ou cada vez que caía no caminho para o Calvário, e toda vez que era empurrado pelos soldados. A respiração ou mesmo os movimentos da caminhada Lhe teriam provocado dor. Isso se teria somado ao estado de choque traumático induzido pelo açoitamento. A estrada íngreme e vertiginosa para o Gólgota, o sol ardente, o ato de carregar a barra horizontal da cruz nos ombros por um curto período, as frequentes quedas e golpes que sofreu também teriam contribuído para o choque traumático hipovolêmico. A efusão pleural (líquido ao redor dos pulmões) te aumentado gradualmente depois do brutal açoitamento e começado a comprometer a respiração. A hemorragia nas costelas fraturadas lacerações nos pulmões teriam contribuído para a hipovolemia.

Ao mesmo tempo, a tensão na parede do tórax (respinai superficialmente, para evitar movimentos das costelas que causarian muita dor cada vez que os pulmões se inflassem) teria resultado en crescente choque traumático. Os enormes pregos de aço, quadrados, enfiados nas duas mãos teriam danificado os ramos sensoriais do ne mediano, produzindo dores horríveis, conhecidas na medicina cre calgia. Os pregos nos pés também teriam promovido as excruci dores da cautalgia.

Tudo isso teria causado um choque traumático adicional e hipovolemia. As horas na cruz, com o peso do corpo sustentado apenas pelos pregos nas mãos e pés, teriam causado episódios de dor agonizante toda vez que o crucarius se mexesse. Esses acontecimentos e as aterrorizantes dores no peito por causa dos açoites teriam piorado estado do choque traumático e hipovolêmico, bem como a crescente efusão pleural, o edema pulmonar, o excessivo suor induzido pelo trauma e pelo calor do sol. O Crucarius teria que arquear Seu corpo todo, pressionando a cabeça com a coroa de espinhos contra a estaca (veja a Figura 6-26) numa tentativa de endireitar as pernas e aliviar um pouco as cãibras nas panturrilhas e nos braços. A pressão de Sua cabeça contra a estaca teria reativado os tormentos da neuralgia de trigêmeo.

(…)

Os eventos patofisiológicos que levaram à morte de Jesus ocorreram como resultado desses acontecimentos e dos choques traumático e hipovolêmico.

Durante a crucificação, o corpo tenta compensar os primeiros sintomas de choque usando processos químicos e nervosos par constringir os vasos sanguíneos e aumentar a frequência cardíaca causando, dessa forma, um aumento da pressão sanguínea e da produção cardíaca, na tentativa de manter a perfusão adequada e a oxigenação dos órgãos vitais.

(…)

Se eu tivesse que estabelecer a causa da morte de Jesus, em minha função oficial de médico-legista, o atestado de óbito conteria a seguinte descrição:

Causa da Morte: parada cardíaca e respiratória, em razão de choque traumático e hipovolêmico, resultante da crucificação.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 163-171.

Efeitos Físicos ao Pregar as Mãos

“(…) O nervo mediano seria ferido, causando uma dolorosa reação chamada causalgia. (…) Essa síndrome era comumente vista durante os anos de guerra em soldados feridos no nervo mediano e em outros nervos periféricos. A dor é incomum e descrita como intermitente, com uma queimadura que é tão intensa que o mínimo contato físico, como colocar uma roupa ou a passagem de uma corrente sensação de completa tortura. A condição é agravada com movimento do corpo, perturbação, barulho ou emoção. A dor atravessa os braços como se fosse um raio elétrico. O paciente passa a evitar qualquer contato e começa a segurar o braço de uma forma particular. Essa condição pode destruir completamente a disposição do indivíduo mais estoico. Um estudo feito por Slesser revelou que a dor piora com o aumento da temperatura e nenhum dos pacientes consegue tolerar os raios solares. (…) Antes desse tratamento, inúmeros indivíduos se tornaram viciados em analgésicos e muitos cometeram suicídio. As vítimas de causalgia frequentemente entram em estado de choque se a dor não for controlada.

Além disso, o próprio ato de ser levantado com a barra horizontal e colocado no encaixe no topo da estaca traria ainda mais dor, em razão da tração das mãos contra os pregos. A alta temperatura e a exposição ao sol aumentariam ainda mais o sofrimento. O levantamento da barra horizontal teria provocado uma dor brutal a Jesus e um aumento no grau do choque traumático.

(…)

Jesus estava em estado de prematuro choque traumático e hipovolêmico a quando chegou ao Gólgota. As brutais dores provocadas pelos pregos em suas mãos e pés somaram-se a todas as lancinantes dores causadas pela proveniente dos nervos medianos e plantares, ao severo trauma na caixa torácica, ao trauma no pulmão e alta possibilidade de pneumotórax e hemorragias pulmonares decorrentes do brutal açoitamento, às dores da neuralgia do trigêmeo e à perda de fluidos por causa da crescente efusão pleural. O suor abundante e a perda de sangue devem ter aumentado o Seu grau de choque, causando-lhe tortura e falta de ar. Seu batimento cardíaco se acelerou e Seu coração iria bater fortemente contra o peito para compensar a perda de fluido e o grau de choque. A dor também seria acentuada por causa da profunda fadiga. Monheim escreve: “Um fator importante no limiar da dor de um paciente é a fadiga. Já foi definitivamente provado que um paciente que se encontra descansado e teve uma boa noite de sono antes de um acontecimento desagradável vai ter uma resistência maior à dor do que aquele que está extenuado”. Como você sabe, Jesus ficou de pé durante quase toda a noite depois de sua agonia mental no Jardim do Getsêmani, e sofreu uma série de episódios traumáticos Depois de tudo isso, ele se encontrava extremamente exaurida experimentando dores ubíquas e num estado de choque crescente.

Figura: 6-25

“Suspensão experimental na cruz. Posição típica de suspensão. O voluntário é constantemente monitorado durante o procedimento.”

Figura: 6-26

“Suspensão experimental na cruz, com arqueamento. A posição arqueada era tipicamente assumida para aliviar a tensão nos ombros e para estender as pernas a fim de aliviar as cãibras.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 120-130.

 

A Paixão de Mel Gibson

“Quando os pregos perfuraram Suas mãos e pés, Ele sofreu uma das dores mais terríveis que um homem pode conhecer, em virtude de ferimentos nos nervos medianos das mãos e nos nervos plantares de ambos os pés, chamada causalgia. Essa dor é tão brutal que, a não ser que algo seja feito imediatamente, a vítima entra em profundo estado de choque. Tal dor pode ser comparada a uma descarga de raio atravessando os braços e as pernas.

(…)

No final, existem oito pontos principais nos quais o filme falha em mostrar com exatidão como foi a Crucificação de Jesus. Em primeiro lugar, omite o terrível sofrimento mental de Jesus no Jardim do Getsêmani, que já O teria deixado debilitado. Segundo, a lancinante dor no rosto casa pela neuralgia do trigêmeo decorrente dos efeitos da coroação também foi totalmente negligenciada. Além disso, o severo espancamento (32 vezes) com bastões seguido por quase dez minutos de brutal açoitamento (frente e costas), com um flagrum contendo afiados scorpiones executado por soldados corpulentos e bem-dispostos) já teria causado a Sua morte depois de vários golpes. E, mesmo que por um milagre Jesus tivesse sobrevivido a isso, Ele teria experimentado extrema dificuldade para respirar, sufocando a cada tentativa de inspirar e ofegando. Além disso, uma pessoa nessas condições não poderia ter carregado uma cruz que pesava entre 80 e 90 quilos. Também totalmente ausente está o efeito da fixação dos pregos nos pés e nas mãos. Isso teria provocado uma condição médica chamada causalgia, uma das mais terríveis dores que pode sofrer o ser humano, levando a vítima a gritar, em extrema agonia. O suppedaneum (descanso para os pés) mostrado no filme é uma invenção de artistas do século passado, e não cabe em uma representação realística da Crucificação. Ao contrário do que é visto no filme, o fenómeno “sangue e água” não acontece como se o material fosse espirrado, mas escorre suavemente da ferida quando a lança é retirada, pois a efusão pleural que circunda os pulmões diminui em razão do colapso do órgão. Finalmente, a grande quantidade de sangue que Maria Madalena e a mãe de Jesus limparam do chão é inconsistente com os ferimentos causados.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 85-87.

 

Medo e Hematidrose

“O sistema nervoso autônomo consiste de uma divisão simpática (D e uma divisão parassimpática (DP). Juntas, elas controlam várias funções do corpo, como a frequência cardíaca; os movimentos do trato gastrointestinal; o calibre das válvulas sanguíneas; a transpiração, a contrações ou o relaxamento dos músculos da bexiga urinária, da vesícula biliar e dos brônquios; a abertura e a contração das pupilas, oposta a acomodação. Em termos práticos, as duas divisões podem ser consideradas antagônicas, isto é, um sistema reage de forma ao outro. Por exemplo, a DS aumenta a frequência cardíaca durante excitação e a DP a diminui.

(…)

A ansiedade é definida pelos doutores L. D. Adams e J. Hope como um fenômeno médico que “designa um estado caracterizado por um sentimento subjetivo de medo e uma inquieta antecipação (apreensão), comumente com um conteúdo tópico definido e associado com as sensações fisiológicas do medo: falta de ar, sensação de engasgamento, palpitações cardíacas, desconforto, alta tensão muscular, aperto no peito, tontura, tremores, suor, rubor e sono fragmentado”. (…) muitos se apegam à teoria de que a ansiedade é uma reação instintiva herdada do medo (…) Estudos recentes identificaram uma área do cérebro chamada amígdala como a “central do medo”. Quando essa central é alertada, ela manda um “alarme de defesa” para os principais centros do cérebro; estes, por sua vez, repassam o alarme para as várias estruturas do corpo, que desencadeiam os sintomas já descritos.

(…) A fadiga, por sua vez, é uma consequência do esforço de se lidar com o medo.

(…)

O sistema do alarme de defesa, acionado pela “central do medo” no cérebro, é conhecido como a reação de lutar-ou-fugir. O sistema nervoso autônomo é ativado na tentativa de proteger o corpo de algum dano. Quando uma pessoa sente a aproximação de um perigo, a reação lutar-ou-fugir é ativada, colocando o corpo em alerta total. A divisão simpática do sistema nervoso central é ativada e um composto químico similar à adrenalina, chamado catecolamina, é produzido, acelerando a taxa cardíaca, contraindo os vasos sanguíneos para aumentar a pressão e desviando o sangue da pele e de áreas não essenciais para o cérebro, a fim de aguçar a percepção e permitir mais força e velocidade aos músculos das pernas e dos braços. Esse desvio do sangue causa a palidez característica associada ao medo. As pupilas se dilatam para que entre mais luz, possibilitando que a pessoa veja melhor ao seu redor, o sangue é liberado para produzir energia adicional, a profundidade e a taxa de respiração são aumentadas para garantir o oxigênio adequado e vários sistemas, como o digestivo, são desacelerados, para que a energia seja preservada. Quando o perigo passa, dependendo de ter havido confronto ou retirada, a divisão parassimpática é ativada e o oposto acontece. 

(…)

“Minha alma está triste até a morte” (Marcos 14:34). A missão de Jesus era clara e Ele era capaz de prever todo o espectro de sofrimento e morte que estava por vir. Esse prelúdio produziu medo extremo e satisfez todos os critérios médicos para que se iniciasse a resposta simpática autônoma. (…) O fato de que Jesus “caiu no chão e orou…” (Marcos 14:35) foi uma indicação de sua fraqueza, já que era incomum um judeu ajoelhar-se durante a oração.

(…) o extremo estado de ansiedade mental causado pelo pavor estimulou o centro do medo (amígdala), que mandou u alarme geral para todos os centros do cérebro, evocando a plena reação de lutar-ou-fugir. Essa reação durou horas, resultando em um estado de exaustão total, que cessou abruptamente quando, depois que o anjo O reconfortou, houve uma reação contrária e Ele aceitou Seu destino. Isso fez que seus vasos sanguíneos se dilatassem e irrompessem diretamente nas glândulas de suor, terminando por sair pela pele, exatamente como foi descrito por São Lucas. A hematidrose é considerada um caso médico raro, mas a presença de ansiedade e profundo pavor corresponde aos numerosos casos relatados na literatura médica previamente indicada. A hematidrose no Getsêmani foi o reflexo do extremo sofrimento mental de Jesus.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 24-29.

 

Relato da Cruz

“(…) Monte das Oliveiras, conhecido como Getsêmani (gath shemani, que significa “prensa de azeite”) (…)

(…)

“Pai, se queres, afasta de mim este cálice, todavia, não se faça a minha vontade, mas a tua’. E então apareceu um anjo do céu e lhe deu forças. E, entrando em agonia, ele orou mais intensamente: e seu suor transformou-se em gotas de sangue que caíram ao chão” (Lucas 22:42-44). Lucas, o autor da passagem, era um clínico, um grego nativo da Antioquia, que escrevia nos distritos de Acaia e Beócia. Ele era bem-educado, conhecia o idioma aramaico e estava familiarizado com as culturas judaica e greco-romana. Concluíra seus estudos na cidade de Tarso e era amigo íntimo de Paulo. Ele colheu informações de testemunhas oculares e documentos e escreveu seu evangelho em 61 d.C., aproximadamente, embora algumas fontes datem-no de 63 d.C.

(…)

Suando Sangue

(…) existe uma rara condição médica chamada hematidrose, também conhecida como Sudorcruentus, Sudor Sanguineus, Suerdesany ou hemorrhagia percutem. A condição é definida no Dicionário Médico Stedman como excreção de sangue ou pigmentos de sangue através do suor. Algumas das primeiras referencias a esse fenômeno fisiológico incluem observações de Aristóteles: “Algum suor com suor sanguinolento”.

Uma busca na vasta literatura médica revelou que um número significativo de casos de hematidrose foram gerados por extremada reação de ansiedade motivada pelo medo.”

Figura: 1-2

Figura: 1-3

“Foto microscópica da pele humana ampliada cem vezes.

a) duto de uma glândula de suor

b) área interior de uma glândula de suor 

c) fornecimento de sangue em tomo da glândula de suor.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 19-21.