Libertação das Partículas

“O corpo nada mais é do que um conglomerado de elétrons e outros componentes magnéticos subatomicos que giram no espaço vazio. Podemos libertar essas partículas e dissolver a ilusão da solidez, mas mesmo o mais avançado dos laboratórios não pode reestruturar esse corpo. A ressurreição significa reconstruir o corpo – uma vez que tenha se desintegrado – mediante o poder da vontade, assim como Jesus fez aparecer e desaparecer repetidas vezes sua forma ressuscitada diante de muitos de seus discípulos. Ele tinha esse controle sobre a eletricidade de todo o cosmos, com seus componentes de energia cósmica criadora vitatrônica.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 434.

Mestre Liberto

“Um mestre liberto tal como Jesus não precisa depender do método natural de regresso à Terra mediante o lento processo de renascimento e crescimento até alcançar a maturidade. Quando alguém se torna o Espírito, pode materializar um corpo e nele alojar-se, e então desmaterializá-lo no momento em que assim queira. Se uma pessoa desce uma escada e alguém tranca a porta atrás dela, tal pessoa não pode subir de volta. Mas se ela possui a chave, pode subir e descer como quiser. (…) Ora, para reaparecer depois da ressurreição, Jesus podia optar por ressuscitar seu corpo crucificado ou então desmaterializar sua forma e criar um novo corpo composto de novos átomos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 430-433.

A Ressurreição do Corpo e da Alma

“Portanto, ressurreição não significa apenas a ressurreição do corpo, mas a ascensão da alma dos três confinamentos corporais para viver eternamente em unidade com o Espírito que se manifesta como o universo inteiro. Quando após a morte Jesus neutralizou a atuação dos três gunas e destruiu todas as sementes cármicas resultantes das ações de causa e efeito de sua encarnação, ele ascendeu dos três corpos diretamente ao seio de Deus. Ele então possuía um poder semelhante ao do próprio Deus. Nesse estado supremo, Jesus podia usar de novo o seu corpo ou descartá-lo à vontade.” 

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 430.

Vibração Física

“Quando Jesus apareceu pela primeira vez a Maria Madalena, ele havia ressuscitado seu corpo do sepulcro; ainda assim, disse: “Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai”. Ou seja, sua alma não havia se libertado por completo de todos os enredamentos gerados pelas interações dos três gunas que estavam registrados em seus corpos astral e causal de modo que pudesse abandonar essas limitações e alcançar a unidade com o Espírito. Uma vez que tal acontecesse, ele teria a liberdade e a onipotência do Espírito para permanecer imerso na Consciência Infinita ou então assumir sua forma habitual imortalizada – tangível aos sentidos mortais mas sem estar sujeita às restrições inerentes à encarnação. Até que alcançasse essa completa ressurreição no Espírito, Jesus não queria que nenhuma vibração física – com densa materialidade – entrasse em contato com sua forma manifestada, que era altamente espiritualizada com vibrações astrais vitatrônicas. A natureza superfísica do corpo de Jesus era tal que Maria, de início, sequer reconheceu que se tratava de seu mestre.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 426.

A Ressureição

“Além disso, a ressurreição denota a elevação da consciência de estados inferiores a superiores – especialmente da identificação do corpo à superconsciência, à Consciência Crística ou à Consciência Cósmica por intermédio da comunhão, respectivamente, com a Vibração de Om do Espírito Santo, com o Cristo Infinito ou com o Espírito.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 67.

O Corpo de Lázaro

“No momento em que Jesus chegou a Betânia, o corpo de Lázaro já havia começado o processo de decomposição, pois era “já de quatro dias”. Por isso várias etapas foram necessárias.

Primeiro Jesus estabeleceu contato com Lázaro no mundo astral, de modo que pudesse chamá-lo de volta.

A seguir; projetando sua própria consciência (divinamente invulnerável) no corpo morto de Lázaro, tomou sobre si – absorveu e neutralizou – a força do karma específico que havia compelido a alma de Lázaro a abandonar o corpo.

Uma vez que o padrão cármico da morte não mais estava atuante nas células corporais, Jesus pôde ordenar à Energia Cósmica, pelo comando de sua vontade unida a Deus, que restabelecesse a viabilidade das células, de maneira a se tornarem outra vez capazes de abrigar uma alma vivente dotada de suas faculdades astrais e causais de vida e consciência.

Por fim, ele convidou a alma de Lázaro a habitar outra vez sua residência corporal renovada – a qual, de fato, Jesus ressuscitou do estado de matéria inerte restituindo-lhe os poderes do conhecimento e ação, mente e energia, que haviam abandonado essa forma física com a partida dos corpos astral e causal.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 73-74.

Relação Entre a Consciência e o Corpo

“Quando o homem conhecer plenamente a relação entre a consciência e o corpo, virá a compreender por que razão se desintegram as célu las corporais quando se separam do corpo a vida e a consciência; e saberá como remodelar o corpo infundindo-lhe vida e consciência à vontade, mesmo que tenha experimentado a morte física. A conquista da imortalidade consciente, evidenciada na ressurreição de seu corpo físico, é o “sinal” supremo e a demonstração metafísica que Jesus con cedeu ao mundo para toda a futuridade. Seu propósito foi despertar nos homens a fé, e encorajar e dar esperança àqueles que estivessem dispostos a esforçar-se por alcançar, através da meditação, sua própria imortalidade no reino de Deus.

(…)

Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros. (Matheus 12:43-45)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 133-134.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Nicodemos Era Um Fariseu

“Conforme mencionado nos versículos bíblicos acima, Nicodemos era um fariseu. Josefo, historiador judeu do primeiro século, escreve sobre as crenças dos fariseus: “Eles dizem que as almas são imortais; que as dos justos passam depois desta vida a outro corpo e que as dos maus sofrem tormentos que duram para sempre” (Guerra dos Judeus Contra os Romanos, Livro 2, capítulo 12). Alguns eruditos religiosos afirmam que esta é uma referência à reencarnação; outros sustentam que é apenas uma declaração da doutrina dos fariseus sobre a derradeira ressurreição dos virtuosos. Independente disso, há ampla evidência de que muitos judeus acreditavam na reencarnação. A enciclopédia alemã Meyers Konversationslewikon declara: “No tempo de Cristo, a maioria dos judeus acreditava na transmigração da alma. Talmudistas julgavam que Deus havia criado um número limitado de almas judaicas que retornariam enquanto houvesse judeus. (…) Entretanto, no dia da ressurreição, todas seriam purificadas e ressuscitadas nos corpos dos justos na Terra Prometida.”

(…)

Em várias passagens do Novo Testamento fica evidenciado que o conceito da reencarnação era conhecido dos judeus: quando “os sacerdotes e levitas” perguntaram a João Batista: “És tu Elias?” (João 1:21, Discurso 6); e quando os discípulos de Jesus disseram: “Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias ou um dos profetas” (Mateus 16:14; ver Discurso 45, no volume II). (Nota da Editora)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 268-269.

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Narrativa de Mateus

“De todos os evangelistas, Mateus é aquele que apresenta didática mais clara. Entre o prólogo (Mt 1-2) e a narrativa da morte e ressurreição de Jesus (26,3-28,20), ele organiza o assunto de todo o seu Evangelho em cinco livrinhos, cada um contendo uma parte narrativa seguida de um discurso. Lendo atentamente, podemos perceber que Mateus escolheu os episódios de cada parte narrativa, de modo a ilustrar o discurso seguinte. E o discurso, por sua vez, resume e explica o que está contido nessa narrativa. Assim a palavra de Jesus é sempre apresentada
como resultado de uma ação, e toda ação é sempre ensinamento, anúncio.”

Bíblia Sagrada. Edição Pastoral. Paulus Editora, 1990. Versão Kindle, Posição 56498.

A Páscoa do Senhor

“Por apenas três dias foi permitido a nós, que ressuscitamos dentre os mortos, celebrar a Páscoa do Senhor em Jerusalém com nossos parentes que vivem como testemunho da ressurreição de Cristo, o Senhor; e fomos batizados no santo rio Jordão e recebemos vestes brancas, cada um de nós. E depois dos três dias, quando celebramos a Páscoa do Senhor, todos eles que se levantaram novamente conosco foram arrebatados pelas nuvens, e foram levados sobre o Jordão e não foram mais vistos por ninguém.”

Nascimento, Peterson do. O Evangelho Segundo Nicodemos (Coleção Apócrifos do Cristianismo Livro XI) – Versão Kindle, Posição 845.