Estado de Bem-aventurança Meditativa

O celestial estado de bem-aventurança meditativa experimentado nesta vida é um antegozo da alegria sempre-nova sentida pela alma imortalizada no estado após a morte. A alma leva consigo essa alegria às sublimes regiões astrais de A bem-aventurança e beleza celestial, onde as flores vitatrônicas fazem beleza celestiais do desabrochar suas pétalas iridescentes no jardim do éter e onde o clima, a atmosfera, o alimento e os habitantes são feitos de diferentes vibrações de luz multicolorida – um reino de manifestações refinadas que estão, mais do que as rudes imperfeições da Terra, em harmonia com a essência da alma.

Pessoas virtuosas que resistem às tentações na Terra mas não reino astral se libertam totalmente da ilusão – são recompensadas após a morte com um descanso revigorante nesse reino astral, entre os numerosos semianjos e almas semirredimidas que levam uma vida muito superior àquela na Terra. Lá, elas desfrutam dos resultados de seu bom karma astral por um período carmicamente predeterminado; passado esse tempo, seu karma terreno remanescente as atrai de volta à reencar nação em um corpo físico. Seu “grande galardão” no céu astral as capacita a manifestar à vontade condições desejáveis, lidando inteiramente com vibrações e energia, e não com as propriedades fixas das substâncias sólidas, líquidas e gasosas encontradas durante sua jor nada terrena. No céu astral, todos os móveis, propriedades, condições climáticas e de transporte estão sujeitos ao poder de vontade dos seres astrais, que são capazes de materializar, manipular e desmaterializar a substância vitatrônica desse mundo mais sutil de acordo com sua preferência.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 495-496.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Beatificar é Tornar Supremamente Feliz

Enquanto ensinava, Jesus fez com que suas sagradas vibrações e divina força vital emanassem através de sua voz e de seus olhos e se difundissem sobre os discípulos, tornando-os tranquilamente sintonizados e magnetizados, capazes de receber a plena medida de sua sabedoria por meio da compreensão intuitiva.

(…) Beatificar é tornar supremamente feliz; beatitude significa a felicidade, a bem-aventurança, do céu. *(…) princípios morais e espirituais cujo eco jamais decresceu ao longo dos tempos – princípios por meio dos quais a vida do homem se torna abençoada, repleta de bem-aven turança celestial.

A palavra “pobres”, utilizada na primeira Beatitude, significa estar destituído de qualquer refinamento superficial e exterior de riqueza espiritual. (…) Ser “pobre de espírito” é despojar o ser interior, o espírito, do desejo e apego por objetos materiais, posses terrenas, amigos materialistas e o amor humano egoísta.

*Nota:  “Beatificar” deriva do latim: beatus, feliz + facere, tornar. O termo utilizado para “bem-aventurados (…)” no texto original grego dos Evangelhos é makarios, que em latim corresponde a beati, do qual deriva beatitude em português, estado de bem -aventurança ou suprema alegria.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 480.

Capítulo 26: As Beatitudes. O Sermão da Montanha, Parte I.

Cura à Distância

“A cura à distância geralmente envolve o princípio da autossugestão.Um poderoso pensamento, acompanhado de energia vibratória, é enviado pela vontade do agente de cura à pessoa a ser curada, cuja resposta a essa vibração desperta sua própria imaginação e vontade adormecidas para liberar a força vital curativa em seu interior. Curas mentais instantâneas acontecem quando o agente de cura e a pessoa a ser curada estão perfeitamente sintonizados entre si.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 464-465.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

A Cura Pelo Envio de Energias

“A cura pelo envio de energia através das mãos (“E, pondo as mãos sobre cada um deles, os curava“) baseia-se na habilidade do agente de cura para conectar-se com a energia cósmica de Deus e dirigi-la conscientemente. O corpo vive num mar onipresente formado por esse poder vibratório. Essa energia sustenta a vida e restaura a vitalidade do corpo quando esta se desgasta em virtude da atividade física e mental. A vida do corpo depende principalmente da energia cósmica que flui de modo automático ao seu interior através da boca do bulbo raquiano, ou é atraída de maneira consciente pelo poder de sintonização da vontade humana. A energia obtida diretamente do éter cósmico, assim como a energia que deriva indiretamente do alimento e oxigênio, concentra-se no dínamo principal de poder no cérebro, de onde flui ao corpo inteiro através dos seis subdínamos dos centros sutis na coluna vertebral. O centro supremo no cérebro e os seis centros no eixo cerebrospinal enviam energia através dos nervos a todos os segmentos vitais, sensórios e motores do corpo. Portanto, de cada parte do corpo- como os olhos, mãos, pés, coração, umbigo, nariz, boca e cada proeminência corporal – emana uma corrente.

A corrente nervosa que se irradia dos olhos, das mãos e dos pés é mais forte do que a de outras partes. O lado direito do corpo é um polo positivo, e o esquerdo é um polo negativo. O lado direito, positivo, é mais forte do que o esquerdo, negativo. Embora o poder desses polos algumas vezes esteja invertido no plano físico, como acontece no caso de pessoas canhotas, a conformação da “fisiologia” no corpo astral permanece a mesma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 463-464.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Medicação do Futuro

“A medicação básica do futuro será constituída de raios, cuja na tureza vibratória é mais compatível com a natureza molecular atômica do corpo humano. Raios curativos podem atuar nos distúrbios atômicos das células, no caso de doenças crônicas. Há também muita energia curativa nos raios do sol, embora os efeitos prejudiciais da exposição excessiva devam ser evitados.”*

*Nota: A potência biológica de padrões ondulatórios específicos de energia vibratória sobre as células corporais foi “decisivamente demonstrada” pelo Dr. Jacques Benveniste, diretor de pesquisas do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, da França, de acordo com a jornalista Lynne McTaggart em The Field: The Quest for the Secret Force of the Universe (Nova York: Harper Collins, 2002) [O campo: em busca da força secreta do universo (Ed. Rocco)].

“Tanto as moléculas quanto as ligações químicas entre elas emitem certas frequências específicas que podem ser detectadas a bilhões de anos luz de distância por meio dos telescópios modernos mais sensíveis”, relata Mc Taggart. “Essas frequências há muito tempo já são reconhecidas pelos físicos. (…) A contribuição de Benveniste foi demonstrar que as moléculas e átomos tinham sua própria frequência específica utilizando a tecnologia moderna tanto para registrar essa frequência quanto para usar o próprio registro na comunicação celular. (…)

“Em mais de mil experiências, Benveniste e Guillonet registraram no computador a atividade de uma molécula e reproduziram o sinal em um sistema biológico habitualmente sensível a essa substância. Em todas as ocasiões o sistema biológico foi enganado: acreditou que interagia com a própria substância e agiu de modo cor respondente, iniciando as reações biológicas em cadeia, assim como faria na efetiva presença da molécula genuína. (…)

“Na mais dramática talvez de suas experiências, Benveniste demonstrou que o sinal poderia ser enviado através do mundo por e-mail ou em CD. Colegas seus na Northwestern University de Chicago gravaram sinais da albumina do ovo, acetilcolina, dextran e água” e os enviaram em CD ou por e-mail ao laboratório de Benveniste em Paris, onde os pesquisadores “expuseram a água comum aos sinais dessa albumina digital ou acetilcolina ou água e infundiram tanto a água exposta como água comum nos corações isolados de cobaias. Todas as amostras de água digitalizada produziram mudanças muito significativas no fluxo coronariano. (…) Os efeitos da água digitalizada foram idênticos aos produzidos no coração pelas próprias substâncias.” (Nota da Editora)

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 461.

Capítulo 25: A cura dos doentes.

Eu e o Pai Somos Um

“Em outra passagem, Jesus disse: “Eu e o Pai somos um“. Ele percebia que a Consciência Crística presente em sua consciência estava perfeitamente unificada com a Consciência Cósmica. Assim como o reflexo da lua em um lago e a própria lua no céu são essencialmente a mesma imagem, também a Consciência Cósmica refletida em toda vibração cósmica como a Consciência Crística é idêntica à Consciência Cósmica que existe além do reino vibratório.

(…)

Como uma pequena onda que é reabsorvida no mar, a consciência então se expande na incomensurável Vibração Cósmica do Espírito Santo. Ao ser batizada nessa sagrada Vibração do Espírito, a alma expandida experimenta a Inteligência Crística imanente. Somente então, abençoada por esse reflexo da presença de Deus, a consciência entra na infinitude que se encontra além de toda vibração: o reino de Deus-Pai, a Consciência Cósmica.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 26-264.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Sintonia com a Vibração Cósmica

“Jesus diz a seus discípulos adiantados que eles devem utilizar a sintonia com a Vibração C´ósmica do Espírito Santo e a sabedoria nela inerente- não o ego com suas limitações – para orientação geral sobre qual conduta seguir em momentos críticos. (…) As almas adiantadas guiam sua inteligência, seu livre-arbítrio e suas palavras pela sabedoria do Espírito Santo.

(…)

A razão baseia-se na experiência sensorial e é por ela limitada. Se a experiência sensorial é interpretada de modo incorreto, a conclusão também resulta equivocada. Uma pessoa que vê uma nuvem de pó levada pelo vento numa colina distante pode pensar que a colina esteja em chamas e emanando uma nuvem de fumaça. O raciocínio que de pende dos sentidos, resultante da observação imediata ou da memória condicionada por repetidas experiências do passado, pode errar se a observação ou experiência sensorial é imperfeita ou incompleta.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 241-242.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Classes de Vibração da Palavra

A palavra falada se constitui de três classes de vibração: a energia física (o som), a força vital ativada pela vontade de quem fala e o pensamento. Cada palavra que o homem pronuncia deixa bons ou maus vestígios vibratórios em seu corpo e cérebro físicos, assim como em seu corpo astral de energia vital – o mediador entre o corpo físico e a consciência e em sua mente (a consciência), onde permanecem como um arquivo condensado de tendências.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 131.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Vibração Cósmica de Om

“Jesus, por meio do poder da Vibração Cósmica de Om e com sua voz impregnada de Om, ordenou ao demônio que deixasse o corpo do indivíduo acometido. O demônio, sem desejar obedecer a Jesus, lutou contra a poderosa vibração. Isso gerou convulsões no corpo do homem endemoninhado enquanto a poderosa Corrente Cósmica vibrando em seu interior tentava desalojar e expulsar o espírito intruso. Por fim, a entidade demoníaca saiu do corpo violentamente, deixando o homem exausto e abalado, mas não ferido, incapaz de causar-lhe dano graças à intervenção do divino Cristo Jesus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 446.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

Desalojar Demônios Imputros

“Um corpo humano comumente não pode alojar um outro ser junto com o seu (exceto no caso de uma gestante); mas pessoas espiritualmente habilitadas são capazes de discernir casos autênticos de possessão espiritual, porque dentro do indivíduo possuído podem contemplar, por meio de seus poderes psíquicos, o corpo astral do visitante invisível lado a lado com o corpo astral do hospedeiro. O único modo pelo qual um leigo pode identificar um caso de possessão por espíritos é pela análise dos diferentes estados de paroxismo e de comportamento violento a que está sujeito o possesso. Quem está possuído por maus espíritos demonstra usualmente uma força física incomum, olhos avermelhados, uma expressão inexplicavelmente estranha e ausência de conduta normal.

(…)

Se a possessão por demônios impuros ou espíritos desencarnados prossegue por muito tempo, grande dano ocorre no cérebro, na mente e nos órgãos sensoriais do indivíduo possuído, trazendo a ameaça de uma insanidade permanente.

(…)

É necessário ter uma forte concentração e divino poder de vontade para desalojar um mau espírito. Quem tem força espiritual dinâ mica pode expulsar a entidade olhando-a de maneira constante nos olhos do indivíduo acometido, utilizando um firme e silencioso poder de vontade de forma contínua, enquanto ordena internamente ao mau espírito que se vá.

Ao sussurrar “Om” repetidas vezes no ouvido direito de um indivíduo possesso, o espírito maligno terá que partir. As almas perdidas, vindas das obscuras regiões astrais inferiores, não podem suportar a vibração elevada da consciência e pensamentos espirituais. A pronúncia de nomes e palavras sagradas, especialmente Om, Om, Om, no ouvido de indivíduos possessos geralmente traz uma resposta rápida e amedrontada (…)”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 444-445.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.