Eu e o Pai Somos Um

“Em outra passagem, Jesus disse: “Eu e o Pai somos um“. Ele percebia que a Consciência Crística presente em sua consciência estava perfeitamente unificada com a Consciência Cósmica. Assim como o reflexo da lua em um lago e a própria lua no céu são essencialmente a mesma imagem, também a Consciência Cósmica refletida em toda vibração cósmica como a Consciência Crística é idêntica à Consciência Cósmica que existe além do reino vibratório.

(…)

Como uma pequena onda que é reabsorvida no mar, a consciência então se expande na incomensurável Vibração Cósmica do Espírito Santo. Ao ser batizada nessa sagrada Vibração do Espírito, a alma expandida experimenta a Inteligência Crística imanente. Somente então, abençoada por esse reflexo da presença de Deus, a consciência entra na infinitude que se encontra além de toda vibração: o reino de Deus-Pai, a Consciência Cósmica.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 26-264.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Consciência Crística

Quando me achava no estado de Consciência Crística onipre sente, contemplei a ilusão satânica como uma força cósmica consciente, uma energia criadora semelhante ao relâmpago, que era repe lida da Consciência Cósmica celestial. Eis que vos dou o poder divino mediante o qual podereis derrotar Satanás e seus sequazes; ao superar des a ilusão, nada poderá de modo algum causar-vos dano. Por meio de minha Consciência Cósmica, eu vos darei o poder de vontade que vos permitirá controlar a força serpentina espiralada na base da co luna vertebral. A força vital criadora que flui ao exterior, em direção ao corpo, alimenta os desejos sexuais e os “escorpiões” dos torturantes e venenosos instintos malignos.

(…)

Conforme explicado em versículos anteriores, Satã era originalmente um arcanjo, uma força inteligente da criadora energia cósmica de Deus, dotada com poder para criar, em harmonia com a Inteligência Divina, perfeitas manifestações celestiais na criação material. Essa força emanou de Maha Prakriti, a Grande Natureza, o Espírito Santo, o aspecto criador primordial do Espírito. O poder ativador da Mãe da Criação é maya, a ilusão cósmica, que transforma o Espírito Único em miríades de manifestações. Oculta por trás de um tênue véu de maya, a natureza pura de Prakriti, Para-Prakriti, atua em harmonia com a Inteligência Crística, ou Kutastha, para criar as leis e forças divinas que ativam todas as manifestações dos domínios celestiais astral e causal. Um manto mais denso de ilusão cósmica se fez necessário a fim de originar as vibrações densas indispensáveis para produzir e sustentar uma criação material a partir dessa subjacente matriz astral-causal. Uma vez que essas vibrações densas da ilusão cósmica distorcem e eclipsam a verdadeira natureza da matéria, que é feita da consciência de Deus, esse poder criador que flui em direção ao exterior é identificado como a natureza impura de Prakriti: Apara-Prakriti. Esse é o aspecto que equivale a Satã, o qual é representado como um arcanjo que decaiu da graça divina, uma força criadora que não é dirigida pelas vibrações celestiais – uma força que se rebelou contra a consciência de Deus, obscurecendo a Divindade Inata, com o objetivo de preservar seu próprio reinado sobre a humanidade por meio do autoperpetuado mau uso do livre-arbítrio.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 257-259.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Sintonia com a Vibração Cósmica

“Jesus diz a seus discípulos adiantados que eles devem utilizar a sintonia com a Vibração C´ósmica do Espírito Santo e a sabedoria nela inerente- não o ego com suas limitações – para orientação geral sobre qual conduta seguir em momentos críticos. (…) As almas adiantadas guiam sua inteligência, seu livre-arbítrio e suas palavras pela sabedoria do Espírito Santo.

(…)

A razão baseia-se na experiência sensorial e é por ela limitada. Se a experiência sensorial é interpretada de modo incorreto, a conclusão também resulta equivocada. Uma pessoa que vê uma nuvem de pó levada pelo vento numa colina distante pode pensar que a colina esteja em chamas e emanando uma nuvem de fumaça. O raciocínio que de pende dos sentidos, resultante da observação imediata ou da memória condicionada por repetidas experiências do passado, pode errar se a observação ou experiência sensorial é imperfeita ou incompleta.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 241-242.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Sabedoria e Paz da Alma

“Jesus queria que seus discípulos estabelecessem um exemplo diferente, a fim de demonstrar aos seres humanos habitualmente beligerantes que o poderio da invencível sabedoria e paz da alma desperta pela meditação é mais forte do que as mais potentes forças do mal.”

(…)

“Quando pois vos conduzirem para vos entregarem, não estejais solícitos de antemão pelo que haveis de dizer; mas, o que vos for dado naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo” (Marcos 13:11).”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 240-241.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

Modos Diferentes de Ensinamentos

“Embora Jesus tenha suprido todos os seus discípulos com igual medida, cada um recebeu e manifestou seus ensinamentos de modo diferente, de acordo com seu grau de espiritualidade e seu bom ou mau karma. (…) Segundo certos grandes mestres da Índia, Judas teve que expiar seus pecados durante vinte séculos e foi finalmente libertado na Índia no século 20. O mau karma de Judas era imenso porque ele não apenas pecou com um ato de traição contra seu Mestre, mas também blasfemou contra o Espírito Santo e contra o Deus-Pai (a Consciência Cósmica), manifestados no Cristo que estava em Jesus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 211.

Capítulo 40: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte I).

Maligno Perpetuador da Ilusão

“A inquietude, ao dissipar externamente a atenção da alma, torna -se a arma mais incapacitante utilizada pelo Maligno Perpetuador da ilusão sempre cambiante. O corpo e a mente inquietos são o pátio de recreio de Satã, que adora executar ali sua ardilosa dança da distração a fim de desviar a consciência humana do Espírito imutável e de Seu calmo reflexo nas profundezas da alma. Mas aquele que, por meio da meditação devocional, interioriza regular e profundamente sua atenção, recebe a ajuda das inspiradoras vibrações do Espírito Santo e permanece imerso em Deus o tempo todo – na graça redentora da paz, da alegria e do amor divinos.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 128-129.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Acumulo de Karmas

“(…) todas as coisas foram criadas pelo comando do Espírito Santo – a Força Cósmica Vibratória; o Verbo, Om ou Amém. Imanente no Espírito Santo encontra-se o reflexo consciente da Divindade, a Inteligência Crística, pela qual esse Poder Vibratório Cósmico é guiado a fim de desenvolver todas as manifestações do bem no mundo.

(…)

Aqueles que são extremamente maus e continuam sendo atraídos aos mais profundos abismos, distantes de Deus, destinam-se carmicamente, após a morte, a esferas astrais obscuras de horripilantes conflitos e horrores demoníacos – ou, em raros casos, reencarnam-se na Terra para uma vida em alguma forma animal apropriada para a expressão das maldades pelas quais optaram. Uma vez que os animais não possuem livre-arbítrio, sendo guiados primariamente pelo instinto, eles não acumulam karma com suas ações; portanto, essa involução temporária de uma alma degradada consome parte de seu mau karma sem gerar novos pecados.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 122-123.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Conceitos de Demônio

“Ver Samuel 7:12: [Deus fala a Davi]: “Quando teus dias forem completos, e vieres a dormir com teus pais, então farei levantar depois de ti um dentre a tua descendência, que sair das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino.”

Isaías 11:1-2: “Então brotará um rebento do toco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará. E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor.”

Jeremias 23:5-6: “Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, sendo rei, reinará e procederá sabiamente, executando o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O Senhor Justiça Nossa.”

Do hebraico Ba’al zebhubh (“senhor das moscas”), uma deidade de Canaã; emalgumas traduções é citado como Belzebu, “senhor do esterco”.

A Enciclopédia Britânica oferece este breve resumo sobre o conceito de demônios segundo as principais religiões do mundo:

“No Zoroastrismo, religião fundada pelo profeta persa Zoroastro, que viveu aproximadamente no século 6 a.C., a hierarquia dos demônios (daevas) é presidida por Angra Mainyu (mais tarde chamado Ahriman), o Espírito do Mal ou da Destruição.

Os demônios estão em constante batalha contra Ahura Mazda (mais tarde chamado Ormazd), o Senhor do Bem.

“A hierarquia dos demônios no Judaísmo- que tem suas raízes na antiga demono logia zoroastrista e do Oriente Médio e se situa no período posterior ao exílio (depois do ano 538 a. C.)- é bem variada. O príncipe das forças do mal (em hebraico shedim, que significa ‘demônios’ e se aplica aos deuses estrangeiros, ou se’irim, que significa ‘demônios peludos’)- que segundo a crença usual habitava paragens desoladas, ruínas e túmulos e causava aos seres humanos diversos transtornos físicos, psicológicos e espirituais – recebeu diferentes nomes: Sată (o Adversário), Belial (o espírito da per versão, das trevas e da destruição), Mastema (Inimizade ou Oposição), entre outros. Embora o Antigo Testamento se refira a Sată como ‘o acusador’ do tribunal celestial de Deus (Zacarias 3; Jó 1-2), tanto na literatura do período intertestamentário como ne Judaísmo posterior desenvolveu-se toda uma hierarquia de demônios sob o comando de Satã ou de outros príncipes do mal.

“A hierarquia de demônios no Cristianismo se baseia em várias fontes: a judaica a zoroastrista, a gnóstica (um sistema religioso sincrético baseado em crenças dua listas, no qual se considera que a matéria é maligna, que o espírito é bom e que se pode alcançar a salvação através do conhecimento esotérico ou gnosis) e as religiões indigenas que sucumbiram à evangelização cristã. No Novo Testamento, Jesus se refere a Belzebu como o chefe dos demônios e o equipara a Satã. No período medieval eu ropeu e na época da Reforma desenvolveram-se várias hierarquias de demônios, como por exemplo a relacionada com os sete pecados capitais: Lúcifer (orgulho), Mammon (avareza), Asmodeus (luxúria), Sata (ira), Belzebu (gula), Leviatã (inveja) e Belfegor (preguiça).

“A hierarquia islâmica de demônios é encabeçada por Iblis (o diabo), também cha mado Shaytan (Sata) o aduw Allah (‘o inimigo de Deus’). Com base, em grande parte, na demonologia judaica e cristã, Iblis tornou-se o líder de uma hoste de jinn, espíritos que geralmente agouram o mal.

“No Hinduísmo, os asuras são os demônios que se opõem aos devas (os deuses). Entre as diversas classes de asuras se encontram os nagas (demônios com forma de serpente), Ahi (o demônio da aridez) e Kamsa (um arquidemônio). Entre os demônios que atormentam os seres humanos se encontram os rakshasas (seres grotescos que fre quentam os cemitérios, impulsionam ações néscias e atacam sadhus [homens santos]) e os pishacas (seres que assombram locais onde ocorreram mortes violentas).

“Os budistas frequentemente consideram seus demônios como forças que impedem a realização do Nirvana (bem-aventurança ou extinção do desejo); um exemplo im portante é Mara, o principal tentador, que juntamente com suas filhas – Rati (Cobiça), Raga (Fruição) e Tanha (Inquietude) – tentou dissuadir Sidarta Gautama, o Buda, de alcançar a iluminação. A medida que o Budismo Mahayana (o Grande Veículo) se propagou pelo Tibete, China e Japão, incorporaram-se às crenças budistas muitos dos demônios das religiões que se professavam nesses países (por exemplo, os kuei-shen chineses e os oni japoneses).”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. II. Editora Self, 2017, pág. 121-122.

Capítulo 36: Que significa a blasfêmia contra o Espírito Santo?

Espírito Transcendente

“O elo entre o manifestado e o Não-manifestado é o Espírito Santo, a Vibração Sagrada de Om; e o modo de cruzar esta ponte é pela comunhão com essa Vibração do Espírito Santo. No êxtase espiritual, aquele que medita percebe a vibração individual de sua vida e de todas as vidas emanando do Espírito Santo cósmico, no qual está inerente a Inteligência Crística, refletida do Pai- a qual, por sua vez, eleva a consciência ao Espírito transcendente.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 341-342.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.

Atos dos Apóstolos

“O livro dos Atos dos Apóstolos foi escrito provavelmente entre 80 e 90 d.C. Seu autor é o mesmo do terceiro Evangelho; desde o séc. II, a tradição o identifica com Lucas, o médico que acompanhou Paulo (cf. Cl 4,14; Fm 24). De fato, é continuação do Evangelho de Lucas. Ambos formam, segundo o autor, o caminho da salvação: o Evangelho apresenta o caminho de Jesus; o livro dos Atos apresenta o caminho da Igreja, que prolonga o caminho de Jesus “até os extremos da terra”. O relato que une as duas obras é a ascensão, que coroa a vida de Jesus (Lc 24,51) e funda a missão universal da Igreja (At 1,8).”

(…)

“Podemos dizer que o livro dos Atos é o Evangelho do Espírito. Aí se conta que o Espírito Santo prometido faz nascer a comunidade cristã e a impulsiona para o testemunho aberto e corajoso do nome de Jesus, isto é, para anunciar a palavra e ação libertadora de Jesus. Esse testemunho provoca o surgimento da grande novidade que tende a transformar pessoas, relações e estruturas da sociedade, provocando alternativas que se chocam frontalmente com os interesses sociais vigentes.”

(…)

“Pode-se dizer que Atos é o livro da novidade e, portanto, também dos conflitos. Numa sociedade corroída pelo interesse e egoísmo, qualquer proposta de alternativa mais fraterna e igualitária provoca oposições e confrontos.”

Bíblia Sagrada. Edição Pastoral. Paulus Editora, 1990. Versão Kindle, Posição 64112- 64126.