A “Coroação” de Jesus

“É importante notar que a coroa foi feita come entrelaçamento dos espinhos na forma de um boné. Isso permitiu contato de uma quantidade enorme de espinhos com o topo da cabeça, a fronte, a parte traseira e as laterais. (…) A dor podia cessar abruptamente, mas era reiniciada com o menor movimento nas mandíbulas ou golpe de ar.

(…)

A imagem frontal sugere acentuada saturação do cabelo com sangue seco, fazendo com que ele permanecesse nos dois lados do rosto. (…) A parte de trás da cabeça também está saturada de sangue. (…) Marcas compatíveis com espinhos estão presentes na testa e na nuca. Além dos ferimentos com a coroa de espinhos, os golpes que Ele recebeu no rosto são evidentes no Sudário, particularmente na região da testa, lado superior direito do lábio, mandíbula e nariz. O padrão tridimensional nas imagens realçadas por computador revelam mais claramente uma separação na cartilagem nasal- mas não uma fratura – e confirmam os ferimentos já citados.

(…)

A dor violenta causada pela neuralgia do trigêmeo e os múltiplos golpes na região da cabeça de Jesus e na coroa de espinhos somaram-se ao trauma já recebido por causa do espancamento brutal e da flagelação na casa de Caifá (…) A essa altura, já havia um acúmulo de fluido 20 redor dos pulmões (efusão pleural) de Jesus, que vinha se desenvolvendo vagarosamente em decorrência dos golpes no peito durante a flagelação.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 52-54.

 

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.