O Pericárdio e o Coração

“O pericárdio é um saco em forma de cone feito de uma fina membrana fibrosa, porém muito forte, que contém o coração e as raízes dos grandes vasos sanguíneos, incluindo a aorta (a maior artéria, que leva o sangue do coração para todas as partes do corpo), a veia cava (que carrega o sangue do corpo de volta para o coração) e a artéria e a veia pulmonares (que transportam sangue de e para os pulmões). O saco pericárdico está firmemente ancorado na cavidade torácica, com seu “pescoço” junto dos grandes vasos localizados no topo do coração. A base está presa firmemente à parte central do diafragma (fino músculo em forma de cúpula que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal); as laterais do saco estão presas a cada pleura (as membranas que circundam cada pulmão); e a frente do saco está ligada à parede torácica. (…) Em um indivíduo normal, o coração é relativamente móvel dentro do saco, mas em diversos casos patológicos essa mobilidade pode ficar seriamente comprometida.

Cada pulmão é também circundado por uma bolsa membranosa chamada pleura. O espaço potencial entre a pleura e o pulmão é chamado espaço pleural.

(…)

A mais plausível é a chamada Hipótese 11. Ela indica que a lança penetrou no átrio direito do coração (câmara superior direita), que teria se enchido de sangue porque, imediatamente antes da falência cardíaca, o coração se contraiu e ejetou o sangue na circulação pela última vez. Em resposta, o átrio direito se encheu passivamente de sangue por causa da pressão elevada da circulação. Uma maciça efusão pleural (fluido em volta dos pulmões) que vinha se acumulando lentamente nas horas seguintes ao açoitamento (a efusão pleural é normalmente detectada algumas horas depois de receber golpes no peito) já se fazia presente. O repentino golpe da lança arremessada por um dos soldados penetrou o pericárdio e o átrio direito. O rápido e violento movimento feito para retirar a lança, então, liberou o sangue, que aderiu à lâmina, e um pouco da efusão pleural da cavidade pleural, resultando no fenômeno de “sangue e água”.

(…)

Todas as hipóteses que supõem que Jesus estava vivo quando a lança O atingiu parecem estar baseadas na ideia de que não sai sangue de um corpo sem vida. Isso não é verdade. O sangue pode fluir dos ferimentos de um morto, especialmente se a morte ocorrer de forma violenta.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 175-179.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.